Pular para o conteúdo principal

Chico Trekking Modas & Modos: Algumas dicas interessantes

O autor deste Blog no Ibitipoca
Foto: Lucas Vilela
Com o passar do tempo e muitas vezes baseado na fórmula tentativa e erro acabamos por utilizar práticas mais adaptadas às nossas realidades. É comum passarmos a utilizar um equipamento ou até um material que originalmente não tenha sido concebido para tal. Também procuramos simplificar o uso de outros; ou ainda substituir outros tantos mais. Como sabem, isto vale para as mais diversas atividades que praticamos. Com estas ações, muitas vezes somos contraditórios, provocando arrepios nos estudiosos, designers e pesquisadores; ou ainda viramos piadas para diversão de outros!!! Então, de um jeito ou de outro já saímos ganhando...

Polêmicas à parte, adaptações e substituições também estão presentes nas atividades do montanhismo. Sabemos que as listas de equipamentos e produtos específicos para essa prática são extensas. E podem ser caras também! Isto depende do gosto e estilo do freguês! Evidente que se for possível utilizar todos os equipamentos de última geração e estritamente para as suas finalidades únicas, ótimo! Porém, pode acontecer que não adaptamos a determinado produto; ou ainda, computando o custo benefício, tal produto não compensaria ser utilizado. Além é claro, a grana pode estar curta... Mas nada de exageros, sabemos também que há casos e situações em que chegamos à conclusão que qualquer invencionice não valeria a pena!

Assim, depois de muitos anos navegando no ramo, algumas ações e outras coisinhas alternativas passaram a fazer parte de minhas andanças. Algumas deram tão certo que resolvi me atrever a publicá-las aqui. São substituições, adaptações ou procedimentos que podem facilitar a nossa vida quando estamos no meio do mato, caminhando ou acampando. Lembremos que nessas situações, o que realmente faz a diferença é obter mais com menos! Ademais, analisando estas minhas dicas e procedimentos, vocês poderão descobrir meu estilo despojado e até franciscano de praticar essas atividades! 


Modas & Modos à Chico Trekking


1 ► Vestuário e acessórios

►►Calças: 
Já tive várias e de vários fabricantes, inclusive manufaturas made in 'estrangero', que custaram verdadeiras fortunas. Eram estilosas, confortáveis, cheias de bolsos (alguns nem sabia quais suas finalidades), mas confesso que acabava ficando cheio de dedos com elas. E no mato não há chance para muito esmero. É um galho espinhoso daqui, um esbarrão numa pedra acolá; um "bundanhismo" ocasional e pronto, lá se iam embora os 300 contos da estilosa calça. Ficavam espetados num galho de amoreira ou na ponta de um bambuzinho! E calça de cordura, bem eu não gosto daquele tecido grosso me prendendo pela encruzilhada! Pois bem, como não sou todo tolo, voltei às velhas calças de tactel. São dessas que encontramos em lojas populares dos centros de qualquer cidade Brasil afora: são baratas, leves, confortáveis, secam rápido e se rasgarem, rasgam no máximo 20/30 contos e não 300 de uma ultra mega estribada calça importada. A desvantagem é que você não vai ficar lindo na foto (risos)!!!

►►Camisetas: 
Este item é daquele que digo que não vale a pena inventar moda. Esqueça as de algodão, pois demoram a secar, retém suor, são pesadas, volumosas e sujam pra caramba. Melhor investir logo numa mais tecnológica. Há alguns fabricantes nacionais muito bons nesse quesito! E dê preferências para as de mangas longas; o motivo nem preciso escrever...

Para viagens com pernoites ou travessias curtas, levo apenas duas mudas de calça e camiseta (inclusive uma dessas camisetas poderá ser de algodão, porque apenas dormirei com ela). Uma muda para dia, outra para a noite reduz em muito o volume na cargueira. À noite, você deixa a roupa que usou durante o dia por um tempo no sereno, ventilando. Isso vale para as meias também! Faz milagres, inclusive contra eventuais cheiros...

►►Proteção da cabeça: 
Pode ser boné, chapéu de tecido ou similar, qualquer um está valendo. Se bem que boné não é muito vantajoso, devido à pequena área sombreada que o dito faz! Mas lembra dos caipiras com chapéu de palha? Eles não são tolos! Os chapéus de palha são ótimos, não esquentam a cabeça, fazem boa sombra, são leves e há uns modelos que mesmo dobrando não se danificam!

►►Tênis:
Isto é artigo pra academia. Utilizo botas, nem que seja aquelas botinas usadas na roça. Elas protegem o tornozelo contra eventuais torções. E à noite, coloquemos alguma coisa dentro do seu calçado. Pode ser um pedaço de pano, uma bola de papel etc. Nunca jamais coloque as meias, pois podem potencializar eventuais cheiros! Mas protegendo a entrada do seu calçado, evita-se que insetos venham se alojar em seu interior. E de manhã, sacuda o calçado antes de enfiar o pé!

►►Chinelos: 
Se tiver espaço, nada como ter um chinelinho para deixar o pé livre quando se chega ao acampamento. Eles agradecem! Ou então, improvise um utilizando a fórmula perfex + silvertape!

►►Óculos de sol:
Isto não é íten de luxo; muito menos frescura. Os óculos protegem os olhos dos raios solares e de quebra de algum eventual inseto, galho, pedrinha etc. Prefira aqueles modelos que não caem do seu rosto quando você se abaixa.


2 ► Equipamentos e Cia

►►Tela de nylon ou de mosquiteiro:
Muitos caminhantes levam consigo um pedaço de lona pra forrar o chão onde se vai armar a barraca. Até alguns fabricantes recomendam. Outros fabricantes mais sofisticados, já mandam junto com a sua barraca uma peça sobressalente, o famoso “footprint”; ou o contra-piso (e cobram por isso, é claro). Sim, é uma boa! Mas eu costumo substituir isto por uma tela de nylon, dessas usadas para mosquiteiro. São leves, pouco volumosas e fazem diferença. O que ela não protege certamente uma lona também não protegerá. Além disso, ela não acumula água embaixo da barraca em caso de chuva, fato comum com lonas. Também evitam que ciscos e folhas fiquem presos ao fundo da barraca. Se as telas molharem, secam rápidamente e são de fácil limpeza. Por outro lado, a tela pode ser esticada para se assentar no momento de descanso, virar travesseiro, cobrir o sujeito para evitar mosquito etc etc. E na hora de guardá-la faz um volume muito leve e pequeno! Enfim, é um luxo!!!

►►Bastões para caminhada: 
São importantes, mas eu mais me atrapalho do que me acerto com eles, sobretudo quando não estou usando. Sem falar nos vários que já esqueci pelas trilhas. Assim, se estou em uma trilha e sinto que preciso de um apoio, procuro no decorrer do caminho algum pedaço de madeira, que seja resistente e firme. Testo sua resistência, altura, pegada e pronto, está feito o meu bastão. Se a pegada estiver ruim, basta enrolar uma tirinha de silvertape e estará ok! A vantagem é que ao sentir que não preciso mais dele, posso descartá-lo, sem a necessidade de carregar mais um peso na cargueira (lembrar de tirar o silvertape se este foi usado)!

►►Isolante térmico: 
Este é sempre uma peça incômoda. Não por causa do peso, mas pelo volume. Sim, hoje há os reduzidos isolantes infláveis! Mas vou te contar, já tive sérios problemas com eles que nem os reparos específicos ou mesmo silvertape resolveu! Então, aproveitei que meu peso beira as 4 arrobas e meia (um pouquinho mais, é verdade) e voltei aos isolantes de EVA. O problema é que colocar o bendito na cargueira não é fácil. E eu não gosto de nada fora da cargueira. Nada, nada mesmo! No máximo um paninho de perfex pra secar o suor! Já tentei colocar o isolante enrolado por completo, ou dobrado dentro da cargueira, mas sempre ficava ruim. Até que achei uma posição mais interessante: enrolar as duas pontas do isolante, colocando na parte de trás dentro da cargueira. Diminui e distribui melhor o volume e faz uma proteção a mais para as costas! Mas se a mochila for menor, aí não tem jeito, é dobrar mesmo...

►►Paninhos Perfex: 
Depois que inventaram esses panos minha vida mudou. Compro nos supermercados aqueles rolinhos que vem com 30 unidades. Rendem que é uma barbaridade. E uso para praticamente tudo: limpar as mãos, lavar utensílios, secar materiais e equipamentos, secar o suor durante as caminhadas; uso como toalhas de banho, chinelo improvisado (feito com silvertape) e até para substituir lenços umedecidos em caso de locais onde não há água pra se tomar banho (ou estou com preguiça rs). E a cada dia descubro novas possibilidades. Enfim, é outro luxo!!!

►►Prendedores de fotografia: 
Uso para uma infinidade de coisas, como pendurar lanterna na barraca, roupa para secar, enfim, precisou pendurar, eles resolvem!

►►Sacos plásticos: 
Bem, não quero nem posso concorrer com os sacos estanques! Eles são geniais! Mas afirmo que os sacos plásticos, especialmente uns que encontramos em sacolões, que são maiores e resistentes podem ser usados para embalar as roupas, saco de dormir, isolante térmico e mais uma infinidade de coisas. E sabendo fechá-los, fazem milagres, água alguma molhará seus pertences! Além disso, servirá para você acomodar o lixo! Utilizo muito também sacos que vem com arroz, aqueles de 5 kg. Alguns estão comigo a bastante tempo! Engraçado que 'antigamente', os sacos tipo ziploc eram muito bons, mas hoje não sei porque cargas d’água são fininhos e rasgam à toa. Então não servem!

►►Cordões extras e abraçadeiras de nylon: 
São úteis para amarrar desde um ponto extra na barraca até para içar cargueiras em locais mais complicados (se tiver tamanho e resistência maior). Mas não exagere, não precisa ser 50 metros de cordim! Igualmente as abraçadeiras, são úteis para comprimir ou afixar algum produto! Leve algumas de tamanhos variados, que você mesmo faz em casa, basta comprar as tiras e ajustes em casas especializadas!

►►Silvertape: 
Esse é um item que não pode faltar na vida do aventureiro. Com ele você faz milagres. Pode inclusive remendar aquela sua calça, camisa, barraca, isolante, chapéu e outros aparatos de última geração que rasgou ou danificou! Já viram remendos em câmaras de ar? São arredondados, não é mesmo? Entao, se furar algo, arredonde dois pedaços de silvertape, cole em ambos os lados e pronto, sua peça vai durar por bons anos!!! Inclusive, pode ser usado para evitar assaduras, colando-o sobre a pele! Mesmo se você for peludo, afirmo que colado de manhã, no fim do dia não vai ser tão complicado retirá-lo. Nossa pele é um espetáculo e produz uma espécie de gordura+suor que ajudarão na retirada do adesivo! Ademais o silvertape é um ótimo exercício para a sua criatividade. Não fique sem ele!

Cabo e pegador
►►Panelas I: 
Ah, as panelas, que item difícil. Já conheci pessoas que passavam a biscoitos no mato só pra não carregar panelas! Mas creio que isso é passado! Hoje em dia há panelas pra todos os gostos, inclusive de titânio. Pena que custam os olhos da cara! Uma opção simples e barata é comprar nas lojas de 1,99 (existem ainda rs) e retirar o cabo, para que fiquem mais fáceis de serem acomodadas na cargueira. E do cabo da batalhadora, faça um pegador de panelas. Se bem feito costuma funcionar bem...

Panelas com encaixe perfeito
►►Panelas II: 
Compre panelas que se encaixam, assim você diminui no volume na cargueira. E também aproveita o calor quando está cozinhando, economizando gás. Como? Se for utilizar duas panelas, prepare os alimentos. Acenda o fogo, coloque a primeira panela. Ao invés de utilizar tampa, coloque a outra panela por cima! Pronto! Quando o alimento primeiro já estiver pronto, certamente o outro já estará fervendo! Mas certifique-se antes que o fundo da sua panela esteja limpo e em boas condições; e se o alimento pode ser cozido tampado ok? Antes de comprar as panelas, faça os testes de encaixe!
Invertendo a panela para cozinhar

►►Panelas III: 
Para lavar panelas, nada melhor que areia ou cinza! Na roça, as panelas de ferro da minha mãe ficavam impecáveis, todas lavadas com areia ou cinza! Mas atenção, faça com cautela e não danifique cursos d’água ok? Nem vá fazer fogueiras só pra ajuntar cinza! Juízo rapaz!

►►Colherzinha pequena:
São daquelas que encontramos nas padarias e lanchonetes do dia a dia. Tenha uma de cabo comprido em sua cozinha campeira. São práticas e funcionais!

►►Tesoura: 
Tenha também uma tesourinha pequena, de bom corte. Servem para abrir embalagens de plástico, cortar um barbante e itens diversos; ou até aquela couve/cebolinha/salsinha que você ganhou de presente do morador próximo ao seu acampamento! Mas lembre-se de protegê-la bem quando guardá-la, senão ela fará um furo na sua cargueira ou em outros produtos!

►►Garrafa Pet: 
Muitas vezes precisamos carregar água em maior quantidade em nossas aventuras! Já utilizei vários equipamentos apropriados e de diversas marcas. Era um problema, a mesma coisa que carregar ovo! Inclusive tenho histórias de estouros dos benditos dentro da cargueira. Que estrago! Então, nada melhor que a velha garrafa pet. São resistentes, fáceis de manusear e encaixar na cargueira. Então deixe a sua mochila de hidratação para quando você for fazer caminhada simples (Hiking) ou pedalar. Aí sim, são imbatíveis!


3 ► Alimentos

►►Refeição principal/Jantar:
Hoje há a praticidade das comidas liofilizadas. São leves, bem acondicionadas e ocupam pouco espaço na cargueira! Eu adoro o feijão e o arroz, que tenho sempre comigo e recomendo. Assim, preocupo só com os acessórios. Dentre esses acompanhantes, o bacon ocupa lugar de destaque porque é um alimento agregador! Dá um gostinho especial na comida, além de produzir gordura para fritar outras coisas. Também gosto muito de umas seletas de legumes, facilmente encontradas em supermercados!
Mas se você é adepto ao macarrão instantâneo e utiliza daquelas embalagens com copinho, uma dica pra reduzir volume é transferir o produto para sacos plásticos, desde que estes estejam limpos e tenham resistência. Só lembre-se de ter consigo uma embalagem para fazer o macarrão ok? Pronto, sua cargueira agradecerá! E esqueça de vez os perecíveis para trilhas longas! 

►►Café da manhã/dia:
Pelo amor de Deus, não deixe de fazer o seu café da manhã. Ele que vai forrar o seu estômago! Se possível, levante até mais cedo e coma direito, preferência sem pressa, mastigando bem os alimentos. Dependendo da situação, quando eu tenho tempo, faço um arroz, feijão e algum acompanhante logo pela manhã! Isto é importante, porque em trilhas, almoço nem pensar! Só jantar mesmo! No decorrer do dia me alimento de tempo em tempo! Evito excesso de petiscos doces. Aumentam a sede! 

►►Variedades:
Eu sei que muitos aventureiros são esmerados na cozinha. Para se ter uma ideia, são capazes de fazer doces e pratos múltiplos quando estão no mato. Assam pizzas inclusive! Bem, aplausos para os experts, mas vou ser sincero: eu não acho isso nada prático, até pela grande variedade de ingredientes que se tem que carregar! Então, perdoe-me os guias de cozinha na trilha!!! Quanto mais prática for a cozinha, maior as facilidades! E lembre-se que, inventar moda nesse caso não necessariamente traduz em qualidade na alimentação. Imagina uma panela de brigadeiro? Haja água na trilha!!!

►►Sal e açúcar: 
Não se esqueça de levar sal e açúcar para sua viagem. Já vi muito cara comendo sem sal nenhum ou tomando café sem adoçar! Não que sejam cidadãos retos e exemplares quanto à alimentação, mas por esquecimento mesmo. Uma dica é utilizar aquelas embalagens das balas “tic-tac” para transportá-los. Funcionam que é uma maravilha. Só identifique de alguma forma o que é o açúcar e o que é o sal. Também já vi cidadão xingando por não fazer isso eheheh!


4 ► Outras dicas

►►Papel e Caneta: 
Não se esqueça de levá-los para sua viagem. Você poderá anotar fatos importantes para depois passar para outros aventureiros, como dicas, referências, distâncias, telefones de contatos para informações etc. Será útil se for escrever um relato sobre a viagem! Também montará um arquivo, que seus netos colocarão em um museu em sua homenagem no futuro (risos!). Mas leve um caderninho pequeno, que caiba num bolsinho qualquer. Também não precisa importar um legítimo Moleskine italiano! Você pode até fazer um caderninho estilo "xing-ling" com folhas A4, cortadas em 4 partes iguais e grampeá-las. Chegando em casa, na volta, perfure-as e guarde-as em um ficheiro. Ficam ótimas! Mas durante a viagem não esqueça de protegê-las, colocando-as dentro de um saco plástico!

►►Cartão de visitas: 
Se você é mais sociável, leve contigo um cartãozinho contendo seu nome, telefone, cidade de origem e e-mail para você trocar com pessoas que você conhecer na trilha! Mantenha-o sempre ao seu alcance durante a caminhada. É bem prático e você faz em casa mesmo, não precisa encomendar para gráfica do Vaticano fazer não!

►►Aviso-Família:
E por último, não se esqueça de avisar seus familiares ou alguns amigos sobre sua viagem; preferência escreva em um papel e deixe em lugar visível. Nunca avise somente uma pessoa; avise pelo menos duas pessoas! Diga onde estará e também se poderá ser contactado em casos de emergência! Se estiver já na viagem e tiver que mudar os planos, avise novamente a família. Tá no mato? Tá difícil? Olha, se vira, hoje em dia há jeito para tudo nesse mundo! Tudo bem que somos loucos por aventuras, mas ninguém poderá sofrer por nossa causa, especialmente nossas famílias. Pelo amor de Deus, um pouco de juízo não fará mal a ninguém...

■ ■ ■ ■ ■ ■

Bem, teria muitas outras coisinhas, mas já escrevi demais. Certamente estas 'tranqueirinhas' descritas acima podem não ser novidades pra muitos, porém podem ser para outros. E se me ajudam, podem também ajudar a outros. Porém, lembro a todos que são apenas algumas dicas. Por favor, se gostou de alguma, adapte à sua realidade. Se quiser e puder, compartilhe conosco suas experiências "inovadoras". É assim que aprendemos juntos e sempre!


Bons ventos a todos!


Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.