Pular para o conteúdo principal

Cachoeira da Lagoa Dourada: lugar para se visitar mil vezes...

Cachoeira da Lagoa Dourada
Já escrevi por aqui o quanto é bonita a região da Lagoa Dourada, situada nos arredores do ParnaCipó, região central de Minas Gerais. Não canso de afirmar que é uma das regiões mais belas de todo o Espinhaço. De frágil ecossistema, pelo vale serpenteia o Rio Jaboticatubas, cujas águas formam a Cachoeira da Lagoa Dourada. Abaixo a esta cachoeira, e caindo no Cânion do Jaboticatubas, as águas formam outra cachoeira de aproximadamente 100 metros de queda.

Além desta, na lateral do cânion há outra, oriunda de outras águas. O modo de acesso mais fácil à Cachoeira da Lagoa Dourada é através do Distrito de São José da Serra, até onde se pode chegar de automóvel. Chegando à boca da trilha, antes do Distrito, a caminhada direciona-nos à subida da serra e perfaz apenas 7 km, sendo perfeitamente possível efetivar um bate e volta no lugar. Foi através desse acesso a minha última visita por lá, quando estive juntamente aos amigos do Nice Trekking.

Deixamos Belo Horizonte rumo ao Distrito de São José da Serra (município de Jaboticatubas) pouco antes as 7h00. Não demorou a enfrentarmos congestionamento na rodovia MG 10, nos atrasando a viagem em pelo menos 1 hora. Chegamos próximos ao Distrito beirando 10 da manhã. Pensando nessa possibilidade, optei por pegar o atalho que segue rumo à trilha de subida da serra antes de adentrar ao arraial. Uma bobeada e de dentro da van só percebi que havíamos passado o atalho quando senti o declive da estradinha.

Já passado, tentamos seguir adiante e eu já pensava em subir pela estrada mesmo. Quase no ponto aonde deveríamos desembarcar, avistamos alguns homens e paramos para nos informar sobre o ponto de acesso. Alguém se identificou como proprietário do terreno e juntamente a outros estavam fincando estacas na estrada de acesso, bloqueando a passagem. O mesmo me disse que por ali nós não passaríamos. Sem discutir com o Senhor (sabe como é, melhor não criar caso), o jeito foi retornar ao local do atalho originalmente pensado pela mesma estradinha da ida, fingindo abandonar a aventura...

► Com esse episódio, é necessário uma explicação: Embora fora dos limites do Parque, a região da Lagoa Dourada costuma ser monitorada por moradores do Distrito de São José da Serra. Não rara vezes impedem a circulação de aventureiros por lá. Eu não sei sobre a legalidade dessa atitude de alguns moradores. Apenas afirmo que isto é no mínimo contraditório, uma vez que o gado corre solto pelo Vale da Lagoa Dourada, apesar da fragilidade natural do lugar... 

Vista Oeste que mostra o trecho da trilha já percorrida. Esse é um trecho de cascalho em forte aclive
Voltando à nossa aventura, ao retornarmos em direção à trilha atalho imaginada, logo a identifiquei, desembarcamos e iniciamos a caminhada, beirando uma cerca. Isto nos levou à bifurcação da estrada de acesso em um ponto mais acima, evitando a zona de conflito com o morador local. Não demorou e logo já adentramos na íngreme trilha de cascalho.

Cada um foi imprimindo o seu ritmo e surpreendentemente não demoramos a vencer o trecho. A trilha é muito bem marcada e o trajeto da subida é possível ser vista desde o seu início e dificilmente oferece chance de erro! O tempo estava parcialmente nublado e abafado. Pontos de chuva eram identificados para os lados de Santana do Riacho. Não demorou e os primeiros pingos da chuva nos alcançou no final da subida da Serra. E o tempo fechou de vez, com uma forte pancada acompanhada de alguns raios; sendo pelo menos um deles assustador! E nós no alto da serra...

Chuva pelo Vale da Lagoa Dourada
Com a trilha bem marcada iniciamos uma descida disfarçada pelo cume da serra, passando por uma porteira. Um suave aclive e rapidamente chegamos ao ponto mais alto da trilha. À nossa frente descortinava o belíssimo Vale da Lagoa Dourada: visual estonteante! Porém, às nossas costas uma forte neblina vinha a jato e logo fechou de vez o visual. Não se via 40 metros adiante... Que maldade, depois de tanto esforço será que não conseguiríamos nem ver a Lagoa Dourada???

Mas foi passageiro; a chuva diminuiu e logo passamos pela cerca de arame e chegamos ao casebre que existe nas proximidades da Cachoeira. Estavam vencidos os 7 km de caminhada da ida. Beirava as 13h00 e aproveitamos para fazer o lanche do dia. O casebre estava com as portas abertas e a maioria do grupo se abrigou em seu interior a despeito da quantidade de esterco que havia no local e nos arredores. Como dito, um grande número de gado vive no local!

Lagoa Dourada magrinha devido à seca...
Após o lanche o chuvisco diminuiu de vez e fomos então para a cachoeira. Havia várias barracas de aventureiros por lá; contei umas cinco. Fizemos a descida do barranco da cachoeira com cuidado, pois as pedras estavam escorregadias. Chegado ao poço, alguns corajosos não resistiram e pularam na água. Preferi (juntamente com mais dois corajosos) descer o leito do rio e ir até o ponto mais abaixo observar as quedas d'água! Aproveitei para mais uma vez contemplar a beleza daquele lugar...

Como o tempo não dava mostras que abriria, resolvemos iniciar a volta ao Distrito. Porém foi chegar ao topo da cachoeira (poucos metros acima) e o tempo já parecia abrir... e abriu! Mas a essa altura não dava para voltar e entrar na água novamente, pois tínhamos uma caminhada pela frente! Fomos então ao mirante registrar a visita em imagens. Belíssimo visual através do cânion, com o Distrito lá longe e abaixo! Pouco depois das 15h00 iniciamos a descida. Os planos eram ir a pé até o Distrito,o que aumentava a caminhada de retorno em cerca de 3 km, perfazendo um total de 10 km. 

Voltando para São José da Serra: Tempo já aberto...
A descida foi proporcionalmente mais lenta que a subida, também pudera, descer aquela trilha com cascalho úmido forçava por demais os joelhos. Findado o trecho da trilha, chegamos à estrada próximo aonde tínhamos sido barrados no início do dia. Por sugestão de alguns, tentamos manter contato com o motorista da van para solicitar que o mesmo fosse nos resgatar no local. Infelizmente sem sucesso, pois não havia sinal de celular que sustentasse uma ligação no local...

Oba, o jeito foi descer a pé. Adentrando ao Distrito, resolvi serpentear por dentro da vila, pois o trecho é mais curto que a estrada externa. Infelizmente não foi fácil vencer os míseros 3 km desde o final da trilha até o nosso ponto de encontro. Cada um imprimiu o seu ritmo; e alguns reclamaram bastante da situação. Mas isto é natural, pois a atividade havia sido intensa para alguns, apesar de estarem cientes. Ademais, quando caminhamos por estrada temos a esquisita sensação de que andamos muito mais do que na verdade foi percorrido!!!

Amigos no Mirante Oeste
No trecho final já dentro do Distrito, apressei o passo para ir de encontro ao motorista da nossa van. A intenção era solicitar que buscasse alguns de nós retardatários para adiantarmos o término da caminhada. Além disso, uma caminhante sentia um pouco mais os joelhos. Porém, levei um susto ao chegar ao ponto final combinado e não ter informações sobre a presença da van/motorista por lá. Retornei ao encontro do grupo para prestar ajuda e encontrei todos de carona em uma picape de um morador local já próximo ao ponto final combinado! Como que naturalmente as coisas se encaixavam...

Quanto a van, o jeito foi manter a calma! Mas logo depois a chefe do grupo acabou descobrindo que o mesmo nos esperava em outro local próximo; fruto daquele velho hábito de todos que vão por lá; que é marcar o ponto de encontro final sempre em um mesmo lugar; na Pracinha da Velha Igreja! Problema resolvido fomos coroar o sucesso da caminhada em uma deliciosa almojanta no Restaurante Mandacaru. Por volta de 19h00 deixamos o local e seguimos direto para Belo Horizonte. Apesar de uma rápida chuva na volta, não tivemos problemas; o trânsito estava bom! Pouco depois das 21h00 já estava na Pampulha! Foi uma bela caminhada, recheada de beleza natural e alguns imprevistos, o que tornou o passeio muito mais emocionante!

Serviço

Trajeto no GE
A Cachoeira da Lagoa Dourada é formada pelas águas do Rio Jaboticatubas e está localizada em um vale de nome homônimo, no município de Jaboticatubas, periferia do ParnaCipó. É uma queda singela, possui um bom poço para banho e permite inclusive estar sob suas quedas. Abaixo da queda principal, devido à declividade e a presença de muitas rochas, há uma série de quedas menores e variados pocinhos.

Com a continuação das águas no trecho pós queda da Lagoa Dourada, ocorre a formação de uma outra Cachoeira de aproximadamente 80 metros. Porém, não é possível se aproximar com segurança e sem equipamentos nem ao seu topo, nem ao seu poço. Quase de frente à essa última queda, há uma outra, oriunda das águas de um córrego que corre sentido norte-sul pelo vale acima. Abaixo dessas quedas há o cânion do Jaboticatubas, cujo acesso sem equipamentos somente pelo seu profundo leito.

Cânion do Jaboticatubas
O acesso principal a Cachoeira da Lagoa Dourada é através do Distrito de São José da Serra, localizado a 10 km da rodovia MG 10, em sua margem direita. O acesso até o distrito se dá a partir da MG 10 antes de Cardeal Mota, altura do km 87, após o Condomínio Estância do Cipó. Não há trevo no lugar, fique atento!

A estradinha de acesso é de terra, porém em boas condições. Ao se aproximar do Distrito, fique atento à placa que indica a Lagoa Dourada ao lado esquerdo, em uma bifurcação, ainda na estrada. Ao adentrar nesta estrada sentido à esquerda/reto, você terá duas opções: a primeira é ir até um mata burro, desembarcar e tomar o atalho à esquerda beirando uma cerca de arame (foi o que fizemos). A trilha encontra-se pouco utilizada. A outra opção é seguir até mais adiante, aonde há uma bifurcação também à esquerda na estrada. Desembarcar e por ali seguir sentido da serra (esquerda). Ambos os trajetos se encontrarão um pouco acima. A vantagem de utilizar o atalho é escapar de eventuais impedimentos, como o ocorrido conosco.

A partir desse ponto a trilha é bem marcada e sobe a serra. Há a presença de cascalho na trilha, porém não apresenta outras e maiores dificuldades. Não há água pelo trecho. Ao atingir o topo da serra, basta permanecer no sentido da trilha (sul), passar por uma porteira e pelo ponto mais alto da serra. Logo despontará à frente o Vale da Lagoa Dourada. A Cachoeira ficará na parte mais baixa do vale; à direita de quem chega.

Distâncias aproximadas

BH até a Entrada do Distrito de São José da Serra na rodovia MG 10: 90 km (asfalto)
MG 10 ao início da Trilha: 8 km (estrada de terra)
Início da trilha até a Cachoeira: 7 km

Como chegar e voltar - de ônibus
Cidade referência: Belo Horizonte

► Ida e Retorno: Viação Saritur ou Serro na rodoviária de BH → Desembarcar no acesso/trevinho à São José da Serra (SJS) na rodovia MG 10, km 87, após Condomínio Estância do Cipó → Seguir à pé até proximidades do Distrito e subir a Serra ou tentar combinar com algum resgate em automóvel

► O formato acima é o mais indicado. Também é possível chegar em São José da Serra Via Jaboticatubas. Há um ônibus que liga Jaboticatubas a São José da Serra; e faz o trajeto Jaboticatubas - São José de Almeida - Cipó Veraneio - Volta ao Trevinho de SJS e entra/segue para o Distrito. Mas os horários são escassos e pouco apropriados a quem quer chegar cedo no lugar.
► Confira horários, frequências e tarifas nas empresas de ônibus.

Como chegar e voltar - de carro
Cidade referência: Belo Horizonte

► Ida e Retorno: Rodovia MG 10 até o km 87 após o Condomínio Estância do Cipó → Entrar à direita na estrada de terra sentido São José da Serra → Ficar atento à placa indicativa de Lagoa Dourada.

► O inconveniente em ir de carro é lugar para estacionar o veículo. Recomendaria seguir até o Distrito e deixá-lo por lá; ou mesmo procurando alguma casa nos arredores do acesso; evitando deixá-lo isolado um pouco no acesso à trilha da Cachoeira, despertando a curiosidade das pessoas. Isto pode aumentar a caminhada, mas seria mais seguro!

► Além do acesso citado neste relato, há outras opções para chegar à Lagoa Dourada através de Trilhas: uma através da Travessia Altamira - Lagoa Dourada; a ou outra, através do Parque Nacional da Serra do Cipó.

Considerações Finais

► Evite atrito com moradores locais caso aconteça alguma tentativa de impedimento ao acesso à Lagoa Dourada. 

► Se estiver com tempo, aproveite para conhecer as cachoeiras do Sr. Dimas e a do Rala Bunda. Ambas localizam praticamente dentro do Distrito de São José da Serra. O acesso à esses locais é pago; e devido ao fácil acesso costumam ficar lotados em fins de semana e feriados.

► Cuidado ao se aproximar de mirantes nos arredores da Cachoeira Dourada.

► A cachoeira e seu poço no interior do Cânion do Jaboticatubas abaixo da Cachoeira da Lagoa Dourada tem sido atingido através de arriscada descida pelas rochas. De nossa parte, não aconselho descida pelo local sem auxílio de equipamentos. Como nos lembra aquela velha história, "seguro morreu de velho"... 

► A área para acampamento nos arredores da Cachoeira da lagoa Dourada é imensa! 

► Em São José da Serra há boa infraestrutura ao visitante, com pousadas, camping, bares, mercearia e restaurante.

► Jamais deixe seu lixo pelas trilhas; e evite fazer fogueiras. Mantenha as porteiras fechadas.

► Confira algumas Dicas Básicas de Segurança para a prática de Atividades Outdoor

► Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto

Bons ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Cachoeira de Congonhas: um complexo belíssimo do ParnaCipó!

O Parque Nacional da Serra do Cipó é grandioso sob todos os aspectos. Localizado a aproximadamente 100 km ao norte de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, conta com atrativos naturais espalhados por toda a sua área. Inúmeras espécies vegetais e animais integram um ambiente extraordinariamente harmonioso e belo, cujos afloramentos rochosos fazem a mente do aventureiro viajar.

Rico em recursos hídricos, em sua parte alta e oriental, nas proximidades da rodovia MG 10, está localizada a Cachoeira de Congonhas, uma joia do ParnaCipó. Formada pelas águas do Ribeirão Congonhas, consiste em 3 principais quedas d'água, que despencam em direção ao vale da Bocaina, parte baixa do ParnaCipó. Foi nesse lugar espetacular que estivemos no último dia 12 de abril.
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc(incluída em Mar 2016) Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphon…

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…