Pular para o conteúdo principal

Barracas: algumas dicas para aquisição da sua casa móvel!

Barraca: item básico de proteção nas atividades outdoor
"Quem casa quer casa", já diz o ditado popular. Logo, quem quer sair por aí a caminhar vai precisar de uma casa, ou melhor, de uma barraca. Ela será a sua casa móvel e fiel companheira. Por isso, terá que atender às suas expectativas e sobretudo, lhe garantir segurança. Mas qual modelo de barraca comprar? Preciso ter várias barracas? Quais cuidados devo ter com uma barraca?

Responder a todas estas perguntas não é tão simples como se parece. Isto porque uma barraca que se usa para ir à praia certamente não servirá para ir a um local frio e montanhoso. E vice-versa. Mas então, quer dizer que terei que ter uma barraca para ir à praia; outra para a montanha; outra para a alta montanha; outra para visita a camping estruturado? Bem, a grosso modo seria por aí mesmo... Mas na prática isto não é necessário. Pode-se chegar a um meio termo satisfatório. Mas como?

Ao pensar em comprar uma barraca, antes de se aventurar no comércio real e virtual, é importante responder as perguntas acima tendo em vista os objetivos que se pretende alcançar. Normalmente, esses objetivos devem ser pensados a médio e longo prazo, isto é, em período de tempo acima de um ano (de preferência bem acima de 1 ano). Porque barraca não é equipamento que se compra toda semana!

Importa saber para onde se quer ir, se o local é mais quente ou mais frio; ou ainda se é inóspito. Saiba também o seu peso corporal, sua altura e qual o peso que consegue transportar por períodos mais longos sem lhe incomodar. Verifique também se irá se aventurar sozinho ou acompanhado... Estes são os questionamentos mínimos necessários a uma boa aquisição!

Respondidas estas e outras questões particulares, você saberá se irá comprar sua barraca em um supermercado ou em uma loja especializada! Como por aqui retrato a experiência e gosto relacionado ao trekking e não ao acampamento estruturado (local onde normalmente vamos de carro, adentrando ao local propriamente dito) detalharei a seguir algumas características que ao meu ver são fundamentais quando pensamos em adquirir nossa casa móvel visando a prática do trekking pelo Brasil.

Características de uma boa barraca

►Formato: prefira o formato túnel, são mais resistentes a ventos, comuns em áreas de montanhas. São as famosas semi-geodésicas, cujas varetas de sustentação se cruzam, formando um arco, resultando em menor obstáculo às correntes de ar, proporcionando maior estabilidade em ambiente com ventanias! 

Autoportante: são aquelas que mesmo montadas podem ser mudadas de lugar sem que haja necessidade de desmontá-las. Isso é importante em emergências e até na hora da limpeza. 

Três estações: os padrões técnicos dos principais equipamentos de aventura são definidos por normas europeias, cujo clima é mais severo que o brasileiro. Estas normas são aceitas em todas as partes do mundo. Baseado nesta normatização, podemos afirmar que uma barraca três estações (primavera, verão e outono) é mais que suficiente para se navegar pelo Brasil inteiro e mais meio mundo por aí. Só não vai servir para viagens à lugares de frio extremo, como em altas montanhas! Nesses casos, o mais adequado seria uma barraca quatro estações. 

►Com avanço: é uma espécie de varandinha particular, separada do dormitório, onde se pode guardar equipamentos que não são agradáveis para estarem ao lado do saco de dormir, como aquelas botas sujas de lama; ou ainda aquelas panelas que ficaram para serem lavadas no dia seguinte. O avanço também serve para cozinhar sem se molhar quando está chovendo ou sem correr o risco de colocar fogo na barraca!!! E serve para mais uma série de outras coisas, vale a criatividade! 

►Paredes: prefira as paredes duplas com teto e sobre-teto, pois fazem diferença: Na chuva aumentam a proteção e no calor, facilitam a evaporação, diminuindo a condensação, pois permitem a existência de janelas no quarto da barraca para circulação do ar! E prefira que o material seja de um tal de rip-stop (rip, significa rasgar; stop significa parar; logo rip stop seria algo como 'um rasgo que não continua') que é um tipo de nylon mais leve e resistente, que se ocorrer um furinho, o dito cujo não virará um grande rasgo, que inutilizaria a sua barraca!

E fique atento, há barracas que possuem um "saiote" externo, sendo por isso apropriadas para neve. Estas, ao serem usadas em clima tropical, como no Brasil, onde não ocorre formação significativa de neve, podem diminuir a circulação interna de ar, favorecendo a condensação no interior da barraca. Mas isto pode ser minimizado dobrando essas abas, fixando-as com clips, por exemplo. Por fim, observe a coluna d'água do sobre-teto: quanto mais alto, melhor será a capacidade de vedação contra água.

►Varetas: prefira as de alumínio às de fibra de vidro, pois são mais resistentes e mais leves. Simples assim! 

►Capacidade: para dois lugares. Isto porque com mais espaço pode-se abrigar mais alguém em uma viagem, que inclusive poderá ajudar no transporte da barraca, dividindo o peso a transportar. Além disso, normalmente barraca para uma só pessoa não apresenta boa relação custo-benefício; pois isto se conseguiria com uma rede; ou então com equipamentos no estilo bivak! Porém, recomendamos evitar barracas enormes, com capacidade para mais de duas pessoas, pois são trabalhosas, volumosas e pesadíssimas; ideais somente para camping estruturado! 

► Peso: isto é pessoal, porém uma boa barraca deveria pesar no máximo 2 kg aproximadamente. Há hoje no mercado nacional barracas levíssimas, porém são todas importadas. 

Bem, isto posto, afirmamos que se você observar a maioria dos detalhes acima, certamente fará uma aquisição honesta, duradoura e mais adequada. E encontrará produtos nacionais ou importados capazes de satisfazer as suas necessidades e o seu bolso.

Mas não se preocupe. Nem sempre é possível adquirir um produto com as características listadas acima, principalmente em se tratando de "primeiro imóvel". Normalmente produtos com estas características custam um pouco mais e são na quase totalidade importados, de famosas marcas. Para a felicidade geral da nação, há no mercado brasileiro algumas marcas que produzem (ou importam) barracas de nível intermediário, com custo e benefício razoáveis. 

Só não recomendo de forma alguma gastar o suado dinheirinho com aquelas barracas xing-ling, normalmente encontradas em supermercados e lojas de departamento, cuja origem e durabilidade são deveras duvidosas. Deixe-as para o acampamento das crianças no quintal de sua casa, porque certamente, no primeiro embate de verdade no meio do mato, ela lhe deixará na mão! E segurança deve vir sempre em primeiro lugar! Definitivamente não vale a pena! Mas o que importa mesmo é que, ao comprar a sua barraca, seja ela simples ou mega tecnológica, você realmente saberá o que significa um "lar, doce lar"! É uma alegria similar à aquisição do primeiro imóvel! 

Considerações finais

► Cuidar da barraca: ao montar acampamento, procurar limpar o solo. Não precisa carpir o local, é claro. Retirar pedras pontudas, pedaços de madeira, eventuais espinhos. Isto além de zelar pela maior durabilidade do fundo da barraca, irá proporcionar um melhor descanso. 

► Evitar adentrar na barraca calçado com as botas, isto pode danificar o piso, pois é comum os solados manterem pedrinhas nos frisos, que se soltarão dentro da barraca. Com o atrito, podem causar minúsculos furinhos no piso.

► Procurar também utilizar alguma forração, o chamado footprint. Mas ou utilizar os originais ou então uma lona de tamanho exato à barraca. Nada de deixar sobras, pois em caso de chuva a barraca poderá ser alagada! 

► Evitar também cozinhar dentro da barraca. Usar o avanço. É claro que há situações emergenciais, em que não se pode ficar sem comer somente por não cozinhar dentro da barraca. Ou ainda, se a barraca não possui avanço. Bom, nesse caso, organizar bem o processo de cozinhar. Deixar tudo que vai utilizar à pronto, à vista e ao alcance das mãos. Somente depois acender o fogareiro. Preferir nesses casos alimentos de rápido cozimento. E redobrar a atenção: nada de ficar quatro pessoas mais o fogareiro dentro de uma barraca pequena! 

► Examinar a barraca ao retornar de uma viagem. Limpar com água e sabão neutro. Se estiver muito suja, lavar, mas nunca a colocar em máquinas de lavar. Limpa, deixá-la aberta em local arejado e somente guardá-la após completamente seca. Guardá-la molhada, certamente apresentará mofo e ficará com um cheiro horrível!. 

► Ter cuidado com as costuras e vedações. Se perceber desgastes, contatar o fabricante antes de tomar providências (aliás, contatar o fabricante sempre que houver algum problema; evitar ‘invencionices’). Normalmente eles oferecem assistência e fornecem dicas interessantes. Somente aplicar algum tipo de selador depois de esgotadas outras possibilidades. 

► Por último, lembro que não existe barraca perfeita. O que há são modelos que no conjunto apresentam qualidades que nos favorecem e por isso nos adaptamos mais facilmente. Mas isto não quer dizer que sejam perfeitas! Problemas como espaço, peso, impermeabilização, tecidos respiráveis, selagem de costuras... seja em menor ou maior escala estão presentes em todos os modelos! Então podemos nos desencanar logo disso, se existisse barraca perfeita não chamaríamos 'barraca'! Então, ao adquirir sua casa móvel, minimize expectativas, combinado? 

Boa sorte, boas compras, bons ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos.

Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.
Esta é a segunda postagem da série de duas em que procurarei oferecer uma noção básica sobre o modelo de Navegação Manual com Carta Topográfica e Bússol…

Ponta da Joatinga e Cachoeira do Saco Bravo: impossível não se apaixonar...

Localizada no município de Paraty, litoral sul do Rio de Janeiro a Ponta da Juatinga é repleta de encantos. Mata atlântica exuberante, praias desertas e paradisíacas e nativos expressivos sempre com uma boa história pra contar. Sem estradas, caminhos e trilhas são testemunhas do vai e vem de alguns moradores e em especial de caminhantes.

Tornou-se ao longo do tempo uma rota clássica para o Montanhismo Brasileiro, em especial àqueles que gostam de caminhadas à beira mar... É daqueles lugares que fisgam o coração do aventureiro, e com razão é uma região pra se ir mil vezes...
Atendendo à essa conquista sentimental, na semana santa de 2015 retornamos ao lugar. Fizemos a rota tradicional, com início na Praia do Pouso da Cajaíba e término em Laranjeiras. Porém dessa vez, não fizemos à pé o trecho Martin de Sá a Ponta Negra; optamos por barcos; e com isto ganhando tempo para visitar a Cachoeira do Saco Bravo sem correrias, um dos pontos inusitados e mais espetaculares da famosa Juatinga...…

Pedra Grande em Igarapé: beleza e resistência!

Diferentemente do agito do carnaval de 2012, esse ano de 2013 decidi que era tempo para o sossego. Por outras circunstâncias também não programei trilha nenhuma. Mas depois de três dias em casa comecei a ficar incomodado... Recebi um convite pra dar um pulo em Ipoema, masjá saído de casa a coisa mudou...

Assim decidi no estalo que iria à Pedra Grande, na cidade de Igarapé, um lugar próximo à Belo Horizonte que há muito não visitava! Localizada na divisa dos municípios de Igarapé e Itatiaiuçu, a Pedra Grande é o ponto culminante dos municípios, com aproximadamente 1.400m de altitude. Do seu cume é possível ver grande parte da Região Metropolitana de Belo Horizonte...
► Leia também nosso relato de outra visita à Pedra Grande pela Rota Sul
A pequena cidade de Igarapé está situada às margens da BR 381, sentido Sul (para São Paulo), distante aproximadamente 60 km de Belo Horizonte.  A Pedra Grande fica logo após a cidade, no alto da Serra de Igarapé. Além de permitir ascensão ao seu cume,…