Pular para o conteúdo principal

Calçados para trilha: prefira sempre a segurança!

Bota de EPI da fabricante Marluvas:
Uma opção que pode ser utilizada em trilhas.
São resistentes, confortáveis, bonitas e muito mais baratas
que aquelas de famosas marcas outdoor!
Eu arriscaria a dizer que o calçado é o item mais importante quando se trata de trilhas. O raciocínio é muito simples: é ele que protege o que nos mantém de pé!!! É uma peça tão significativa que, em caso de uma escolha equivocada pode por fim a uma aventura. Mesmo atualmente, não raras vezes ouvimos ou ficamos sabendo de histórias mal sucedidas com calçados; algumas delas incrivelmente vindas de pessoas esclarecidas e até experientes! Muitas vezes são resultados de escolhas ou uso inadequados do modelo! Claro, ninguém está imune a isto, mas hoje podemos minimizar esta possibilidade!

Apesar da importância desse item, não quer dizer que precisamos "vender um rim" para adquirir um calçado adequado e técnico. Muito menos é necessário cair na onda de modismos! O mercado atual oferece uma gama variada de modelos e marcas, a maioria importadas, porém já é possível adquirir produtos nacionais com qualidade satisfatória e preços justos! Portanto, é possível afirmar que não mais se justifica sofrer por uma peça dessas! Mas é claro que há uma relatividade nesse assunto, e o bom senso e a adaptação por parte do usuário devem sempre prevalecer!

Bota ou Tênis?

Pergunta básica e a regra é unânime: tênis é para uso em academia; caminhada ou corrida em locais com pisos regulares. Portanto, para caminhadas em pisos irregulares ou de média e longa distância devem-se usar botas.

►Mas por que usar botas, se estas são mais pesadas que os tênis?
A resposta principal baseia-se em segurança. Uma bota tem solado frisado que dificulta derrapagens; possui reforço na biqueira para amortecer eventuais tropeços; cano mais longo que possibilita proteção para os tornozelos em casos de torções; e sistema de amarração múltipla que possibilita regulagens diversas. E os materiais empregados tornam-se mais leves a cada novidade!

Além disso, ao contrário dos atuais tênis, as botas são em sua maioria impermeáveis, que visa manter o pé do caminhante seco, proporcionando maior conforto. Muitas delas são também respiráveis, isto é, permitem que o suor dos pés se evaporem com maior rapidez. Nesses casos, o uso do Goretex © (espécie de trama impermeável e respirável) é a bola da vez. Ademais, já se foi o tempo em que as botas eram calçados desconfortáveis. Atualmente as botas são fabricadas com ampla gama tecnológica, com materiais que primam pelo conforto. Enfim, com todas estas qualificações, a supremacia da bota sobre o tênis é inquestionável quando se vai percorrer uma trilha irregular. 

►Mas não se pode usar tênis de jeito nenhum? E as papetes?
Claro que pode, desde que a trilha seja plana, regular e já tenhamos experiência em caminhadas por pisos irregulares. Já as papetes seriam mais indicadas para praias, prática de rafting, uso casual etc. Para resumir a história e ser mais didático, os tênis e as papetes se equivaleriam a um carro de passeio; já as botas a um 4 x 4. É isso e ponto final!


Então, qual calçado adquirir?

No mundo trekking tudo depende do objetivo e desejo do aventureiro. E a regra para aquisição de um calçado não fugirá à essa máxima. E repetimos: Se o foco do aventureiro for trilhas em parques urbanos; ou trilhas amplas e regulares no meio rural, um tênis poderá atender com eficiência. Já se pretende se aventurar por trilhas e ambientes irregulares, caminhar com mochilas cargueiras, subir serras e montanhas, uma bota é indispensável. 

Quanto a marcas de botas, há várias opções, nacionais e importadas. Porém é muito difícil avalizar 100% alguma delas. Sempre ficamos sabendo de reclamações e elogios sobre todas as principais marcas do mercado adventure, sejam nacionais ou importadas. E nem sempre é fácil discernir a razão da emoção! Por outro lado, hoje é muito comum se "parecer resistente", mas na verdade não ser isto o que se propõe!

Um parâmetro razoavelmente seguro para escolher marcas é basear na tradição e histórico do fabricante no mercado outdoor e em seu relacionamento com os clientes. E ficar atento às falsificações e cópias de marcas mundialmente famosas. Por isso, pesquise bastante antes de eventual compra e troque ideias com outros aventureiros e fabricantes, afinal calçado técnico não é produto que se compra todo dia...


Calçado EPI: Uma opção barata, confiável e confortável

Grande parte de nós conhecemos aqueles calçados de segurança (calçado para EPI) utilizados em plantas industriais; ou mesmo em construção civil. Pois saiba que alguns dos modelos de calçados de segurança são botas; e podem ser utilizados com eficiência no mundo das trilhas. Atualmente estes calçados são leves, alguns são de material sintético, apresentam biqueiras rígidas, excelente solado e conforto espetacular! E nem poderiam ser diferentes, pois possuem utilização no mundo do trabalho, passando por testes rigorosos para obtenção dos famosos CA's (Certificados de Aprovação). Eu mesmo já utilizei botas dessa linha e não tive decepções!

Oferecem ainda uma durabilidade considerável; alguns deles bem superiores a botas de famosas marcas outdoor. E veja, muitos modelos desses calçados são bonitos. Aquela imagem de peça quadrada, pesada e feia que tínhamos a cerca dos calçados de EPI ficou para trás faz um bom tempo! Além de todas essas qualidades, seus preços são bastante acessíveis; muitas vezes não chegando a 1/3 das botas mais baratas disponíveis no mercado outdoor.

Portanto, visite sem compromisso uma loja de EPI's; ou mesmo algum site de fabricantes de calçados EPI's. Você poderá se surpreender; e pode ser que o seu calçado ideal para as trilhas esteja por lá...


Cuidados e Dicas 

►Nunca saia para uma trilha sem amaciar a sua bota. Amaciamento refere-se ao tempo necessário para que o calçado adapte ao seu pé, tomando as suas formas. Esse tempo é variável conforme uso, modelo, ambiente etc. Mas tenha em mente que, ao calçar uma bota para sair à trilha, caso sinta que a bota não esteja bem amaciada, não pense duas vezes: vá com a bota velha! 

►Fique atento à numeração. Experimente antes de comprar, preferência calçado com meias. A regra é a seguinte: nunca compre uma numeração em que suas unhas encostem na biqueira, mesmo que seja o seu número habitual. Compre uma mais folgada, mas sem exageros, nada de dois números acima, pois isto não dará estabilidade ao seu pé dentro do calçado! A regra para numeração é aquela em que, calçado com meias fique confortável, nem apertando, nem folgada. O resto é com o amaciamento... 

►Tenha cuidado com meias. Evite utilizá-las molhadas, pois além de encharcar a sua bota, podem permitir que seus pés se movimentem internamente, podendo ocasionar lesões! 

►Atualmente as botas em couro legítimo são muito pouco usadas. Xodó dos aventureiros mais antigos, pois garantem boa resistência à água e grande durabilidade, estas botas apresentam um grande problema: a demora no amaciamento e não raras vezes lesionam os pés do caminhante com maior facilidade, especialmente se estiverem molhadas internamente. Além disso, quando molhadas demoram muito mais para secar; e se guardadas por algum tempo exigem cuidados especiais para evitar o seu ressecamento! Além disso, são mais pesadas que aquelas de tecido sintético. 

►Os materiais mais usados atualmente são a cordura, kevlar ou nylon, revestidos internamente por membranas acolchoadas, impermeáveis e transpiráveis! O couro quando usado foca em detalhes e pontos para reforços! A maioria dos solados são do tipo Vibram©, que proporcionam maior aderência e conforto. 

►Botas podem e devem ser lavadas sempre que necessário. Mas leia as recomendações do fabricante e evite usar produtos químicos concentrados ou escovas duras, pois diminuem a vida útil do material. Para se evitar cheiros indesejáveis, há no mercado produtos que combatem esse mal com bastante eficiência.

►Por fim uma dica definitiva: não caia na tentação do chinelo e do tênis para fazer trilhas mais exigentes: prefira sempre as botas e não fique inventando modas. Verás que o investimento valerá cada centavo gasto! Deixe o chinelo para descansar os pés; e o tênis para a academia ou algo mais leve, certamente eles até terão vida mais longa!!! E não se esqueça de que esse post se baseia na realidade brasileira. Alta montanha; ou lugares extremos é outra história!

►►►Este artigo foi originalmente publicado em outubro de 2013. Realizamos uma atualização do lay-out em fevereiro de 2016; quando optamos por substituir as imagens que estavam no layout antigo, pois apresentava produtos que deixaram de ser fabricados.


Boas trips, Bons Ventos!
Última Atualização: Fev 2016

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.