Pular para o conteúdo principal

Travessias pelo Brasil: equipamentos e materiais básicos sugeridos

Resumão: clique na imagem para ampliar
Atendendo a alguns pedidos elaborei uma lista de Materiais e Equipamentos básicos para a realização de Travessias no Brasil. Obviamente que toda lista possui componentes pessoais, e um ou outro item foi incorporado ou excluído conforme a sua utilidade; mas de um modo geral, esta lista é bem próxima do mais usual e útil. E é claro, com a experiência do aventureiro e com o passar do tempo, cada um acabará elaborando a sua própria lista; atendendo às suas expectativas pessoais.


Considerações importantes: fique atento a peso e volume

Alimentação: Reforce sua atenção quanto ao item alimentos, pois eles costumam pesar bastante. Uma recomendação é dividir as porções por dias, para se evitar exageros. Saiba também que em travessias normalmente não há almoço; apenas o jantar! Leve pães e biscoitos; pó de café ou leite em pó; ou suco em pó para café da manhã e lanche à tarde. Queijos duros (tipo parmesão ou provolone) e salaminho também são boas opções de acompanhamento. Leve sementes (granola, passas, castanhas etc); barras de cereais; chocolate ou outro tipo de doce para petiscos rápidos. Leve feijão e arroz; ou macarrão e alguma carne/gordura para o jantar (bacon, lingüiça, carne seca). A comida liofilizada é uma boa pedida e possibilita boas combinações. 
Vestuário e afins: Para diminuir peso-volume em trekking, uma dica é sair de casa já vestido com a roupa que usará na caminhada, sempre que isto for possível. O outro par de roupa ficará para dormir e para a volta para casa. Saiba também que a toalha pode ser substituída por panos tipo perfex. Nada de levar um "armário" de roupas para as trilhas. Enfim, prefira utilizar itens múltiplos e com várias funções. Use a criatividade! 

Equipamentos: Quando se viaja em grupos, alguns equipamentos como barraca; utensílios de cozinha e alguns materiais de uso pessoal, como primeiros socorros podem e devem ser compartilhados; diminuindo o peso/volume individual. Garrafas pet são ótimas embalagens para transporte de água: são leves, resistentes e se vazias podem ser amassadas ocupando menor espaço na cargueira.
Por último, saiba que a lista acima é apenas sugestiva, porém é bem próxima ao necessário e útil para uma travessia pelo Brasil (Alta Montanha é lugares inóspitos é outra história). Lembre-se que o importante é que cada um leve o que melhor se adaptar e conforme o seu costume! Mas nunca exagere no peso e na quantidade dos itens! Se quiser ler um pouco mais sobre Equipamentos, Modas e Modos no mundo trekking, visite a seção Dicas Trekking aqui no Blog e confira essas temas de forma mais detalhada. Periodicamente novos assuntos e temas são abordados por lá!


Bons ventos a todos!!!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.