Pular para o conteúdo principal

Nautika Day: aventura por uma ilha dos sonhos!

Foto oficial - Divulgação
No último dia 06 de maio a Nautika Distribuidora realizou em sua sede em Guarulhos, Estado de São Paulo, o evento Nautika Day, uma oportunidade para estreitamento de laços com o mercado consumidor através das ações de blogueiros do mundo outdoor. Fiquei surpreso pelo convite, até porque o Blog Chico Trekking é voltado para relatos de aventuras e isto anda meio fora de moda ultimamente... Bem, uma oportunidade desta não poderia perder, afinal iria conhecer as instalações da empresa que fabricou alguns dos meus primeiros produtos para aventura. E olha que isto faz tempo... Então, pra não fugir ao estilo do Blog, lá vai o relato dessa "pernada" diferente...

Mineiro não perde o trem, então cheguei ao lugar um pouco antes do início do evento. Algum tempo depois chegaram outros blogueiros, todos de São Paulo e membros da Rede de Blogs Outdoor RBO. "Pé nas escadas" fomos conhecer o Show Room da Nautika onde fomos apresentados ao staff da Distribuidora. Me senti criança pelo amplo espaço, uma ilha dos sonhos para qualquer caminhante. Toda a linha de produtos distribuídos pela Nautika por lá. Fui conferir com aquela liberdade que nem sempre temos no comércio os principais produtos das marcas Deuter, Camelback, Seat to Sumit e Azteq; além é claro dos produtos Nautika e outros ligados a lazer e tática. Seria coisa para um dia inteiro, mas antes de perder a cabeça por causa dos objetos de desejo espalhados pelo Show Room, nada melhor que um 'cafezinho com duas mãos', ideal para nos trazer à realidade e deixar o playground... Era hora de passarmos a conversar sério!

Showroom Nautika
No próprio Show Room nos foram apresentadas algumas novidades que a Nautika está importando para o Brasil, com destaque para a marca Sea to Sumit, que é reconhecidamente uma das marcas outdoor que mais investe em inovação, valorizando a praticidade e qualidade dos produtos. Também tivemos uma aula sobre mochilas e sacos de dormir da marca Deuter, novidades da Camelback; além é claro de produtos similares de marca própria da Nautika. São itens a perder de vista, que servem de A a Z às necessidades de nós aventureiros. Foi uma conversa franca e pra lá de agradável, quando pudemos manusear os produtos, tirar dúvidas, apreender dicas interessantes, estabelecer comparativos e até dar sugestões!

Showroom Nautika
Depois fomos dar um giro pelo complexo da Nautika, um armazém realmente grandioso, com um estoque de produtos considerável. Visitamos os setores administrativos e claro, o setor de assistência técnica e reparos, ponto nevrálgico de qualquer empresa do ramo de aventura e lazer. Fiquei impressionado com o complexo, não só pelo tamanho, mas também pela organização! Ao fim do tour, e já com os estômagos 'fundos", almoçamos no próprio restaurante da Empresa, momento para reforçarmos contatos.

Showroom Nautika
Após o almoço, retornamos para o Show Room e continuamos nosso bate papo. Questões mercadológicas, troca de ideias, descobertas... E estava tudo tão agradável que nem notei o tempo passar... Por volta das 16h00 o evento foi encerrado. Um cafezinho rápido, despedidas finais e deixei o lugar para outras aventuras...


Direto ao Assunto

Fui participar do Nautika Day porque gostei do formato proposto. E dois aspectos a mim foram relevantes. O primeiro é que, muito mais que aprender sobre os produtos e conhecer as novidades, foi constatar que a empresa mantém uma boa relação com os consumidores; e mais ainda, pretende mantê-la, aprofundá-la e consolidá-la. Isto soa como música aos nossos ouvidos de consumidores. Senti confiança na palavra dos representantes e isto faz uma diferença imensa no concorrido mercado outdoor.

O segundo e interessante aspecto é a preocupação da Nautika em atender todas as faixas de consumidores de produtos outdoor e de lazer. Isto é um grande diferencial, uma vez que o mercado é diverso, com todas as suas peculiaridades. Conhecer esse mercado e nele manter-se focado é um desafio que se renova dia a dia, como todos sabemos. Porém, notei uma grande disposição por parte da Nautika não apenas em cumprir o escrito, mas sobretudo em fazê-lo com eficiência e com eficácia.


Considerações finais

Este post não é patrocinado. Me desloquei de BH até São Paulo por opção. E lanço um desafio a todos: ao adquirir produtos distribuídos pela Nautika, o faça sem receios! Em casos de algum problema, sobretudo de ordem técnica, além de contatar a Empresa, por favor me escreva. Serei o primeiro a cobrar da Nautika o compromisso de bom atendimento e acessibilidade nos apresentado por ocasião do evento. Porque boa relação comercial obrigatoriamente deve ser transparente!


Agradecimentos

Agradeço à Nautika Lazer e à Agência No Ar pelo agradável dia de convivência. Foi uma experiência incrível. Os comes e bebes estavam deliciosos; o cardápio do conhecimento não deixou por menos e foi surpreendente! Agradeço também aos amigos dos Blogs A Montanhista, Eu Vou de Mochila, Desviantes, Fé No Pé, Seu Mochilão, Agência Gente de Montanha e Portal Alta Montanha que aturaram a minha presença e enriqueceram ainda mais o evento; em especial ao Máximo Kausch que teve uma paciência incrível em dividir conosco nos intervalos alguns lances da sua vasta experiência no Montanhismo...

Bons ventos a todos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.