Pular para o conteúdo principal

O que é Montanhismo?

Não restam dúvidas que a palavra Montanhismo seja aquela que mais utilizamos aqui no Blog e nas nossas redes sociais. Mas curiosamente talvez seja Montanhismo a palavra que menos compreendemos ou fazemos compreender aos nossos leitores...
Mas afinal de contas, o que é Montanhismo?



Construindo a Ideia...

Antes de compreendermos o que é Montanhismo é conveniente abordarmos a Montanha sob a ótica do Montanhismo. Diferindo um pouco da corrente majoritária das academias, a caracterização de uma montanha no Montanhismo dá-se basicamente pela sua altitude acima do nível do mar. Assim, altitudes de até 3000m englobam as baixas e médias montanhas; e acima de 3000m as altas montanhas. Mas é conveniente também destacar que é mais comum entre os praticantes considerar alta montanha somente altitudes acima de 4000m. 

Isto posto, conceitualmente Montanhismo é a ação individual ou coletiva que visa alcançar o topo de uma ou mais montanhas. Entretanto, esta é uma definição por demais simplista; uma vez que podemos atingir o cume de uma montanha por diversas e distintas razões; e inclusive empregando recursos especiais e que nos exigiriam mínimos esforços.

Pode-se subir uma montanha para instalar ou proceder manutenção em equipamentos diversos; realizar pesquisas científicas; proceder medições topográficas; realizar observações astronômicas; coletar dados de estações meteorológicas, proceder rituais de fé e manifestações etc.

Se observarmos essas diversas razões listadas acima, tecnicamente todas estariam conformes a definição simplista de Montanhismo. Entretanto, isto não é verdadeiro. Por isso, para melhor conceituar Montanhismo seria necessário preguntarmos qual a motivação e objetivo que nos leva a subir ao topo de uma montanha.

A resposta mais aceita pela comunidade de praticantes a essa pergunta é aquela que, por opção, sobe-se até o cume de uma montanha puramente por prazer, contemplação e realização pessoal. Inclusive estes foram os argumentos que marcaram o início do Montanhismo da forma como o conhecemos até os dias de hoje.

Definindo Montanhismo

Portanto, Montanhismo é a prática voluntária de atividade física individual ou coletiva que visa subir ao topo de uma ou mais montanhas mediante esforços próprios; puramente para contemplação ou realização pessoal; seja através da caminhada, escalada ou outro meio próprio.

É importante ressaltar que a expressão ‘esforços próprios’ deve ser levado a sério no Montanhismo. Até porque o isolamento e autonomia são condições primordiais dessa prática, afinal se estará nas Montanhas. É por isso que a prática do Montanhismo requer constante aprendizado.

Também a partir da definição de Montanhismo podemos concluir que esta é uma atividade que inclui diversas modalidades de atividades físicas, como a caminhada, a escalada, o rapel, o canionismo, dentre outras. Dentre estas modalidades, a caminhada e a escalada são consideradas as suas modalidades básicas e principais.

Mas nem sempre todas essas modalidades serão consideradas práticas do Montanhismo. Muito embora todas possam ser praticadas em diversos lugares, fora da montanha não há que se falar em Montanhismo. Também é conveniente excluir do Montanhismo atividades que visem competição ou que, embora seja realizada em Montanha não leve em consideração uma série de princípios éticos e ambientais que ao longo do tempo tornaram inerentes ao Montanhismo.

Isto quer dizer que o Montanhismo não é um mundo à margem das outras práticas junto à natureza; onde cada um faz o que bem quer. Há regras de conduta no Montanhismo! Embora não constituam regras fixas e possam variar conforme a localidade e tipo de Montanha, atitudes como respeito à natureza, animais e regras locais; convivência harmônica entre parceiros e locais; e interferência mínima no espaço natural são as boas práticas aceitas, adotadas e desejadas por Montanhistas no mundo inteiro. 

Outros Termos relacionados ao mundo do Montanhismo

Alpinismo, Andinismo e o Himalaísmo
Como vimos, o Montanhismo caracteriza as Montanhas pela sua altitude. Assim, as atividades praticadas nas baixas e médias montanhas (altitudes de até 3000m) são simplesmente denominadas de Montanhismo. Acima da altitude de 3000m passamos a considerar altas montanhas; muito embora seja prática entre os Montanhistas convencionar como alta montanha apenas altitudes acima dos 4000m. Nesse contexto é que surgem os outros três importantes termos utilizados no mundo do Montanhismo: o Alpinismo, o Andinismo e o Himalaísmo. Estes se aplicam a regiões onde há a presença de picos nevados.

O Alpinismo tem origem nos Alpes e caracteriza pela prática das diversas modalidades do Montanhismo em altitudes que podem atingir até pouco mais de 5000m. O Andinismo tem origem nos Andes e caracteriza pela prática das diversas modalidades do Montanhismo em altitudes que podem atingir até em torno de 7000m.  Já o Himalaísmo tem origem no Himalaia e caracteriza pela prática das diversas modalidades do Montanhismo em altitudes que podem atingir até acima de 8000m.

As atividades do Alpinismo, Andinismo e o Himalaísmo exigem esmerado preparo físico; domínio preciso das diversas técnicas; além do uso de equipamentos especiais. É altamente recomendável praticá-las nos moldes de expedição; sempre acompanhados por guias experientes em cada setor. Englobam etapas de preparação, aclimatação e ataque; sendo considerada uma atividade de alto risco.

Trekking e Hiking
São dois termos estrangeiros que na nossa Língua Portuguesa e na prática diária significam simplesmente caminhar no meio natural ou em Montanhas. Muito utilizados no mundo das aventuras, apresentam nas suas essências o mesmo significado. Tentar estabelecer diferença significativa entre esses termos nada mais é que um preciosismo tupiniquim. Ocorre que as diferenças se dão mais por questões linguísticas e costumes regionais nos locais de origem dos termos que em estilo de atividade. É caminhar, ca-mi-nhar, entendido?

Lightweight
Termo em inglês que caracteriza a prática de atividades no meio natural ou em Montanhas de modo mais leve possível. É uma prática já consolidada no exterior e por hora uma tendência também observada no Brasil.

Excursionismo
Termo atualmente pouco utilizado que caracteriza a formação de grupos específicos para realização de viagens visando a prática de atividades no meio natural ou em Montanhas. Era uma prática bastante comum e proveitosa nos clubes de Montanhismo em décadas passadas no Brasil.

Campismo
Termo e prática mais comum em países do Norte que caracteriza viagens normalmente em família em período de férias ou em feriados visando acampar em pontos estruturados junto à natureza. É fator tradicional e de grande peso na formação da cultura do Montanhismo.

Travessias
Caminhada no meio natural ou em Montanhas com início e término em pontos distintos; podendo durar um ou mais dias.

Circuito
Caminhada no meio natural ou em Montanhas com início e término em um mesmo ponto; podendo durar um ou mais dias.

Turismo Ecológico
Classificação oficial que caracteriza os diversos tipos de atividades físicas quando praticadas junto à natureza. A prática do Montanhismo é também uma atividade turística; oficialmente embarcada pelo chamado Turismo Ecológico. 

Entretanto, ao longo dos anos o próprio mercado do Turismo acabou dando ao chamado Turismo Ecológico uma ‘caricatura’ cada vez menos aventureira. Talvez isto tenha ocorrido visando atrair e atender um público que deseja experimentar estar na natureza; porém não deseja ou ainda não está disposto a abrir mão de certos confortos; tampouco tem a experiência suficiente para a prática do Montanhismo. Outro aspecto importante a considerar nesse processo de suavização é que, enquanto o praticante do Montanhismo tem foco nos serviços logísticos; o turista ecológico tem foco na hospitalidade; e isto o torna mais atrativo do ponto de vista econômico!

De todo modo, o procedimento que privilegia o aspecto menos aventureiro difere em alto grau da prática das atividades do Montanhismo; que são basicamente caracterizadas pelo isolamento e a autonomia de estruturas e ações; pois na maioria das vezes o praticante desse tipo de atividade estará por um ou mais dias em pontos remotos nas montanhas. Para esse praticante, cama confortável, energia elétrica, internet ou abrigo com paredes não fazem o menor sentido; ao contrário, na quase totalidade o seu desejo é estar longe de tudo isso.

Conclusão

Definir Montanhismo torna-se importante porque nos esclarece o que praticamos ou o que queremos praticar. Também desmistificam práticas que porventura se passam por atividade do Montanhismo; uma vez que o Montanhismo goza de bom trânsito na comunidade aventureira. Também nos estabelece diferenças, ajudando a entender que, nem sempre um caminhante; um escalador ou praticante de rapel e canionismo está praticando Montanhismo; ou é um Montanhista. Logo, Montanhismo não é sinônimo de nenhuma dessas práticas; mas uma ou um conjunto delas aplicadas em ambiente de montanha, capitaneadas por rígidos procedimentos de conduta.

Bons Ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos.

Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.
Esta é a segunda postagem da série de duas em que procurarei oferecer uma noção básica sobre o modelo de Navegação Manual com Carta Topográfica e Bússol…

Ponta da Joatinga e Cachoeira do Saco Bravo: impossível não se apaixonar...

Localizada no município de Paraty, litoral sul do Rio de Janeiro a Ponta da Juatinga é repleta de encantos. Mata atlântica exuberante, praias desertas e paradisíacas e nativos expressivos sempre com uma boa história pra contar. Sem estradas, caminhos e trilhas são testemunhas do vai e vem de alguns moradores e em especial de caminhantes.

Tornou-se ao longo do tempo uma rota clássica para o Montanhismo Brasileiro, em especial àqueles que gostam de caminhadas à beira mar... É daqueles lugares que fisgam o coração do aventureiro, e com razão é uma região pra se ir mil vezes...
Atendendo à essa conquista sentimental, na semana santa de 2015 retornamos ao lugar. Fizemos a rota tradicional, com início na Praia do Pouso da Cajaíba e término em Laranjeiras. Porém dessa vez, não fizemos à pé o trecho Martin de Sá a Ponta Negra; optamos por barcos; e com isto ganhando tempo para visitar a Cachoeira do Saco Bravo sem correrias, um dos pontos inusitados e mais espetaculares da famosa Juatinga...…

Pedra Grande em Igarapé: beleza e resistência!

Diferentemente do agito do carnaval de 2012, esse ano de 2013 decidi que era tempo para o sossego. Por outras circunstâncias também não programei trilha nenhuma. Mas depois de três dias em casa comecei a ficar incomodado... Recebi um convite pra dar um pulo em Ipoema, masjá saído de casa a coisa mudou...

Assim decidi no estalo que iria à Pedra Grande, na cidade de Igarapé, um lugar próximo à Belo Horizonte que há muito não visitava! Localizada na divisa dos municípios de Igarapé e Itatiaiuçu, a Pedra Grande é o ponto culminante dos municípios, com aproximadamente 1.400m de altitude. Do seu cume é possível ver grande parte da Região Metropolitana de Belo Horizonte...
► Leia também nosso relato de outra visita à Pedra Grande pela Rota Sul
A pequena cidade de Igarapé está situada às margens da BR 381, sentido Sul (para São Paulo), distante aproximadamente 60 km de Belo Horizonte.  A Pedra Grande fica logo após a cidade, no alto da Serra de Igarapé. Além de permitir ascensão ao seu cume,…