Pular para o conteúdo principal

Cozinha nas trilhas: vez dos fogareiros e utensílios


Modelo XGK EX - quinta geração da fabricante estadunidense  MSA (Mountain Safety Research): 
Não tem escapatória, se formos para uma aventura com pernoite é importante que nos alimentemos bem. E isto requer uma janta; ou um almoço, embora almoçar durante as trilhas não seja algo comum! E já foi o tempo em que o improviso dominava as trilhas; levando-nos a fazer fogueiras e fogões arcaicos; ou utilizar latas para cozinhar os alimentos.

Não que o improviso seja um mal em si; ocorre que hoje em dia há equipamentos adequados que facilitam as nossas vidas. Se empregados corretamente possibilitarão que nos dediquem mais à atividade fim, que é trilhar, trilhar, trilhar... Mas qual tipo ou modelo desses equipamentos são os mais indicados? Nesse post procuraremos responder a isto de modo simples e direto!

Fogareiros

Existem dois tipos básicos:

1 ► Fogareiros a combustível líquido: 
Utilizam combustíveis diversos, como gasolina, benzina, querosene e em alguns modelos pode-se usar até diesel. As vantagens principais são a constância e força da chama, que possibilita cozinhar em poucos minutos; além da durabilidade do equipamento. Como desvantagem está na necessidade do transporte do combustível, que não possui bom cheiro e normalmente provocam sujeiras e resíduos; além do manuseio do equipamento.

Esses fogareiros podem ser utilizados em praticamente qualquer lugar do mundo; quente ou frio; com ou sem vento. Entretanto, em altas altitudes acima da faixa dos 6.000m seu desempenho pode ser reduzido, pois há pouco oxigênio na atmosfera, prejudicando a chama.

Modelo Pocket Rocket da MSR, a gás. Fonte: MSR
2 ► Fogareiros a gás:
Apresentados em vários modelos, utilizam o propano e butano já envazados em pequenos botijões. As vantagens principais são a facilidade no manuseio, pois o acendimento é rápido e/ou automático; além de não provocar grandes sujeiras em equipamentos. Como desvantagem está na dificuldade de se encontrar o combustível a gás em lugares mais distantes; além da fragilidade da chama.

Esses fogareiros oferecem melhor desempenho em ambientes com temperaturas mais agradáveis e em locais com pouco vento, como o Brasil. Apesar de funcionar relativamente bem em altas altitudes, temperaturas extremas podem esfriar a mistura combustível e o vento pode até apagar a chama, pois esta não é vigorosa como a dos fogareiros a combustível líquido.

Então, qual modelo comprar?

Se o objetivo do aventureiro é trilhar pelo Brasil ou regiões similares, um fogareiro a gás é o ideal. São mais leves, compactos e práticos. Mas não será necessário vender um rim e adquirir um robusto fogareiro a gás; ou buscar marcas de "grife"! Podemos inclusive usar esses modelos "genéricos", praticamente um "pocket" que utilizam cartuchos de gás rosqueáveis; e que são facilmente encontrados no mercado, com valores bastante acessíveis.

Se o objetivo é trilhar por lugares mais exigentes, como a Patagônia, lugar de muito vento, não podemos abrir mão do fogareiro a combustível líquido; pois será mais fácil encontrar combustível por lá. Veja bem, o querosene pode ser encontrado em praticamente qualquer lugar do mundo!

► Atenção: se você for pra Alta Montanha, não se preocupe com isto! Certamente o chefe da sua expedição terá os dois tipos, certamente das marcas e modelos mais robustos!!! Além disso, terá panelas com radiadores que potencializam as calorias; ou pelo menos saberá fabricar/improvisar algo similar... Alta Montanha normalmente não é lugar para atividades solo, a não ser que sejas especialista no ramo... 

Utensílios & Vasilhames

Nesse quesito vale a criatividade do aventureiro. Muito embora o mercado ofereça utensílios fabricados em diversos materiais, na prática isto fará muito pouca diferença. Só vale uma regra: só carregar panelas, talheres, pratos e copos que sejam indispensáveis. Devemos carregar o estritamente necessário e não uma cozinha gourmet. Se a panela é de alumínio; anti-aderente ou de titânio; se os talheres são flexíveis, levíssimos e "projetados pela NASA"; cabe ao usuário avaliar o custo benefício desses equipamentos.

Sugerimos carregar uma ou duas panelas de tamanho médio (1 litro mais ou menos); uma colher; uma faca pequena ou canivete; uma colher de chá de cabo longo e um copo plástico de aproximadamente 200 ml. Levar também um prato, que deve ser de plástico. Se uma das panelas tiver tampa, prato é dispensável! E providenciar um pegador de panelas, pra não queimar a mão. Pronto, certamente não precisaremos de mais que isto. Nada de panela de pressão; caçarolas imensas; cafeteiras ou algo similar! Além disso, atente-se para o peso: quanto mais leve for o vasilhame, melhor!

Para transportar alimentos, nada de vasilhame. Utilize sacos plásticos ou pequenas embalagens reutilizáveis. Para limpar vasilhames utilize pequenos panos tipo perfex ou guardanapos de papel. Se precisar usar sabão, prefira sabão de coco: leve um pedaço apenas, pois apresenta bom rendimento!

Considerações Finais

► Fique atento ao adquirir um fogareiro a gás. Observe e prefira os rosqueáveis, pois há alguns modelos que se conectam ao botijão através de furos; que não permitem reutilizar o gás ou desenroscar o fogareiro. Isto pode provocar perda de combustível, pois a embalagem não é reutilizável. 

► Cuidado ao transportar combustíveis líquidos. Requer cuidados especiais; inclusive evite transportá-los em embalagens plásticas comuns, pois alguns combustíveis corroem ou derretem plástico, se misturando com o material derretido; e com isso podem danificar o fogareiro. Somente transporte em garrafa plástica se tiver certeza de que o combustível não provocará a sua corrosão! Nesses casos, para evitar dor de cabeça, prefira as embalagens metálicas específicas para esta função. Inclusive algumas são rosqueáveis e adaptam à mangueira do fogareiro. 

► Fogareiro a combustível líquido requer limpezas periódicas. Mas somente faça a limpeza se conhecer o equipamento, do contrário poderá danificá-lo. Siga as instruções de cada fabricante. 

► Alguns combustíveis líquidos possuem elevada carga de chumbo. Na maioria das vezes isto é prejudicial à vida útil do fogareiro. Se usar gasolina, prefira a gasolina branca. 

► Nem abordamos por aqui a velha e conhecida espiriteira. Ainda amada por muitos montanhistas, trata-se de um fogareiro primitivo, que funciona com álcool ou outro combustível, similar àquelas gambiarras que utilizamos para esquentar marmita em lugares sem fogão. A razão da não abordagem é porque manipular uma espiriteira pode se tornar um procedimento perigoso. Álcool é um dos combustíveis que percentualmente mais provocam queimaduras em usuários. Além disso, a chama da espiriteira é fraca, inconstante e apaga-se com facilidade. Então, sugerimos que se possível esqueça esse modelo de fogareiro!
Bons ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Cachoeira de Congonhas: um complexo belíssimo do ParnaCipó!

O Parque Nacional da Serra do Cipó é grandioso sob todos os aspectos. Localizado a aproximadamente 100 km ao norte de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, conta com atrativos naturais espalhados por toda a sua área. Inúmeras espécies vegetais e animais integram um ambiente extraordinariamente harmonioso e belo, cujos afloramentos rochosos fazem a mente do aventureiro viajar.

Rico em recursos hídricos, em sua parte alta e oriental, nas proximidades da rodovia MG 10, está localizada a Cachoeira de Congonhas, uma joia do ParnaCipó. Formada pelas águas do Ribeirão Congonhas, consiste em 3 principais quedas d'água, que despencam em direção ao vale da Bocaina, parte baixa do ParnaCipó. Foi nesse lugar espetacular que estivemos no último dia 12 de abril.
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc(incluída em Mar 2016) Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphon…

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…