Pular para o conteúdo principal

Cachoeira Farofa de Cima: joia reservada do ParnaCipó

Cachoeira Farofa de Cima
O Parque Nacional da Serra do Cipó localizado na região central do Estado de Minas Gerais, no conglomerado do Espinhaço é daqueles lugares que encantam. Não é novidade que seja uma das unidades mais procuradas por pesquisadores em todo o Brasil, pois possui rica e variada fauna e flora. Atrativos naturais não faltam; especialmente cachoeiras magníficas, ideais para banho e natação. Muito embora grande parte da área do Parque esteja fechada à visitação pública, o que é uma pena, alguns recantos podem ser visitados, desde que se tenha autorização para isto! É o caso da Cachoeira da Farofa de Cima, uma bela queda d’água com fundo poço para banho.

Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc
Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que possibilitem uma aventura mais segura.
Quanto melhor for o seu planejamento, melhor será o seu aproveitamento.
Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto

Powered by Wikiloc
Atualização Fev 2016
Esta rota para a Cachoeira da Farofa apresentada acima é via Portaria do Retiro, que é um ponto mais próximo da cachoeira que a rota utilizada neste relato, que iniciou na Portaria Areias.
Portanto, desejando visitar esta cachoeira (e outras como as Cachoeiras do Gavião, Andorinhas e Tombador), dê preferência em utilizar a Portaria do Retiro: é mais perto!
A gravação inicia na rodovia MG 10, no miolo do Distrito da Serra do Cipó,
favorecendo a identificação e localização

Tida como mais recatada e escondida que sua badalada irmã Cachoeira da Farofa (a mais visitada do Parque), a Farofa de Cima tem esse nome porque se localiza em um ponto mais alto do mesmo curso d’água. De ambos os locais, não é possível ver um ou outro, isto é, da Farofa não se pode ver a Farofa de Cima; e vice-versa; fazendo com que muitos visitantes nem saibam da sua existência. Possui aproximadamente 25 metros de queda, com volume centralizado, formando um poço mais fundo que o das cachoeiras da Farofa; ou aquelas do Vale da Bocaina (Andorinhas, Gavião e Tombador). Em sua parte superior possui um mirante, de onde é possível contemplar parte considerável do ParnaCipó, como o Vale dos Mascates lá embaixo.

O acesso a esta cachoeira se dá através do Vale da Bocaina. Partindo da portaria Areias, toma-se o destino da Portaria do Retiro (2 km). Após a portaria do retiro, seguindo por uma estradinha interna, toma-se sentido do lugar chamado Bambuzal (2 km) ao lado do Rio Cipó. Até então é o mesmo caminho que leva às cachoeiras das Andorinhas, Gavião e Tombador. Desse ponto em diante, após cruzar o Rio Cipó, o caminho toma ruma diferente, transformando-se em trilha marcada à margem esquerda do Rio e assim permanece até pouco após cruzar o córrego do Caramba (1,5 km). Desde as portarias, seja Areias ou Retiro até esse ponto, a caminhada é praticamente plana, existindo apenas pequenos desníveis no trecho de estradinha antes do Bambuzal.

Vista do Vale da Bocaina desde a subida do Caramba
Pouco após cruzar o Córrego do Caramba e antes de uma matinha, há uma bifurcação e deve-se dar uma guinada de 90 graus para o sentido leste, começando assim o único trecho de subida da caminhada. Fique atento, pois a bifurcação é discreta e o caminho da subida é menos marcado do que a trilha que segue em linha reta. A subida logo após a bifurcação é longa, com cerca de 3,5 km. É a chamada subida do Caramba, que se manterá até as proximidades da Cachoeira da Farofa de Cima. Logo no início da subida após um pequeno platô cruza-se novamente o Ribeirão Caramba. Após e seguindo sempre em subida rapidamente chega-se ao Poço Escondido, que é pequeno, porém belíssimo e está localizado à esquerda da trilha, escondido entre árvores. Fique atento, pois é comum passar despercebido por ele. O poço possui uma pequena queda e é ótimo para um refresco. Vale a pena parar aqui, pode acreditar!!!

Poço Escondido
Após o Poço Escondido, a trilha torna-se mais íngreme e assim segue por entre matações e campos limpos até o topo do morro. Após passar por algumas minas de água um pouco brejentas, chega-se ao final da subida, de onde se descortina à frente e após um vale a bela Cachoeira da Farofa de Cima. É um ponto para parada obrigatória para fotos; pois permite visual belíssimo da queda d’água! Aqui encontra-se a bifurcação para ataque à parte baixa da Farofa de Cima. Também desse ponto, à direita basta caminhar alguns metros em direção às pedras para se chegar a um mirante, de onde se descortina o Vale dos Mascates.

Farofa de Cima vista desde a bifurcação de acesso
Para ir ao poço da Cachoeira, inicia-se uma trilha em descida mais íngreme (menos de 500m), passando por uma erosão (natural, causada por enxurradas) e segue em direção ao fundo do vale. Cruza-se o ribeirão pulando pedras, para subir novamente um trecho de 20 metros. Após descer um lance de cascalho e adentrar na mata, chega-se ao poço da Farofa de Cima. O lugar é rodeado por grandes rochas e requer atenção e cuidado em algumas, pois com o respingo da água em queda tornaram-se escorregadias! Aí é só aproveitar o poço, que é pequeno, porém profundo e possui algumas pedras próximas a uma queda secundária, permitindo um banho massageador!

Poço da Cachoeira
Vista da parte superior da Farofa de Cima:
Cânion antes da Farofa, Vale dos Mascates e Serra Caetana ao fundo
Da parte baixa da Farofa de Cima não se tem acesso direto via trilha à sua parte alta. Para acessar o topo da cachoeira deve-se retornar à bifurcação na trilha de acesso à parte baixa após o ribeirão. De lá seguir em subida por trilha marcada em zigue zague. Logo se chegará a um platô, com a parte alta da Farofa à frente. O lugar vale pela vista, pois o ribeirão em si não possui poços para banhos, apenas para refresco básico. Porém a vista desde o mirante é sensacional e vale o esforço. Nesse mirante costuma ter sinal de telefonia móvel (TIM).

Foi neste atrativo que botamos os pés no início de fevereiro de 2014. Foi um dia lindo, de abundante sol e calor. Fizemos ida e volta sem percalços, apenas demorando um pouco para chegar à Cachoeira devido ao calorão. Deixamos BH por volta de 6h30 e chegamos na Portaria Areias às 8h30. Utilizamos a Portaria Areias porque a Portaria Retiro que seria mais próxima do atrativo encontra-se fechada para obras. Começamos a caminhada em torno de 9h00 e somente chegamos à Farofa de Cima por volta de 12h30.
Nós e a cachu ao fundo
Ficamos por lá até 14h30, quando inciamos retorno; passando novamente pela Portaria Areias em torno de 17h00. Depois da curtição na cachoeira e da pernada, embarcados em van deixamos o Parque. Paramos na Serra do Cipó para uns comes e bebes e depois voltamos non stop para Belo Horizonte, aonde chegamos por volta de 21h00.


Serviço

Travessão ao funo, imagem captada na volta
Localizada no ParnaCipó, a Cachoeira Farofa de Cima é um recanto escondido e belo do Parque, situada acima e à leste do conhecido Vale da Bocaina. Com queda de aproximadamente 25 metros e poço mais profundo, é pouco visitada devido à distância. Desde a portaria Areias perfaz aproximadamente 19 km de distância (ida e volta); além de existir uma grande subida em seu acesso. O trajeto é a pino, ou seja, sem sombras, como é comum pelo Espinhaço.
Recomenda-se solicitar autorização para visitá-la!

Como chegar - Cidade referência: Belo Horizonte

De ônibus: 
Embarcar em Belo Horizonte em ônibus da Viação Saritur (que vai para Santana do Riacho) ou da Viação Serro (que vai para Conceição do Mato Dentro). Desembarcar na altura do Hotel Veraneio, próximo à ponte estreita na entrada da Vila da Serra do Cipó (ou Cardeal Mota). Dali, entrar à direita em uma estradinha de terra entre o Hotel e a ponte. Caminhar por cerca de 3 km até a portaria Areias do ParnaCipó.

►► Atualização fevereiro 2016: Com a reabertura da Portaria do Retiro do Parque Nacional da Serra do Cipó, desça no miolo do Distrito de Cardeal Mota, um pouco antes da Polícia Militar (se informe com o motorista, diga que irá ao Parque do Cipó, Portaria do Retiro, o ponto é muito fácil e conhecido). Subir à direita pela rua calçada; no final da subida entrar à esquerda e passar por uma espécie de condomínio. Em declive você chegará na Portaria Retiro. Há alguma sinalização na rota. Você economizará uns 7 km de pernada (ida e volta)

► A volta é através do mesmo trajeto e pelas mesmas empresas de ônibus. Lembre-se que descerá e embarcará em rodovia (MG 10), portanto fique atento! Confira nos sites das empresas frequências e horários.

De carro:
Tomar a Rodovia MG 10 sentido aeroporto Internacional de Confins. Entrar à direita no trevo de Lagoa Santa passando por esta e prosseguir até a Vila da Serra do Cipó; entrando à direita ao lado do Hotel Veraneio; prosseguindo pela estrada de chão até a portaria Areias do ParnaCipó..
A volta é pelo mesmo trajeto. Há estacionamento na sede do Parque. 

►► Atualização fevereiro 2016: Com a reabertura da Portaria do Retiro do Parque Nacional da Serra do Cipó, dirija até o miolo do Distrito de Cardeal Mota, um pouco antes da Polícia Militar (se informe com locais, diga que irá ao Parque do Cipó, Portaria do Retiro, o ponto é muito fácil e conhecido). Subir à direita pela rua calçada; no final da subida entrar à esquerda e passar por uma espécie de condomínio. Em declive você chegará na Portaria Retiro. Há alguma sinalização na rota. Você economizará uns 7 km de pernada (ida e volta)

Importante:
► Atualmente (fevereiro 2014) a Portaria do Retiro do ParnaCipó encontra-se fechada para obras de melhorias; por isso foi apresentado acesso somente através da Portaria Areias.
►►Atualização fevereiro 2016: O acesso à Cachoeira via Portaria Retiro já se encontra liberado desde meados de 2015.

Distâncias aproximadas

Belo Horizonte - Distrito da Serra do Cipó: 100 km
MG 10 (Cipó Veraneio) à Portaria Areias: 3 km
MG 10 (Miolo do Distrito) à Portaria do Retiro: menos de 2 km

Considerações finais

► Apesar de a distância ser em torno de 19 km aproximadamente (ida e volta desde a portaria Areias), recomenda-se seguir o mais cedo possível ao atrativo, pois possui uma subida de aproximadamente 3 km. Através da Portaria do Retiro o acesso diminui em aproximadamente 7 km (ida e volta).

► Tenha cuidado no poço desta Cachoeira. Diferente de sua irmã Farofa ou daquelas do Vale da Bocaina, o poço é bastante fundo e para adentrá-lo é necessário saber nadar. 

► Não deixe de fazer um pit stop no Poço Escondido situado ainda na subida do Caramba, à esquerda de quem sobe a trilha. Trata-se de um lugar belíssimo e aconchegante. De profundidade rasa, propicia um banho seguro e refrescante. 

► Não é necessário transportar grande quantidade de água pela trilha, pois há água para reabastecimento pelo trajeto. Basta meio litro; ou no máximo 1 litro para os mais exigentes! 

►Ao visitar o atrativo prefira utilizar calças compridas, pois no trecho após o Rio Cipó a trilha segue em meio a capim que normalmente acabam arranhando as pernas do aventureiro. Além disso, prefira camisa com mangas compridas, pois há pouca sombra no trecho.

Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto


Bons ventos a todos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.