Pular para o conteúdo principal

Segurança nas Trilhas: Dicas básicas

A prática das atividades ligadas ao Montanhismo, como o trekking e acampamentos apresentam riscos diversos em graus e números; e são diretamente influenciadas pelas condições climáticas, tipo de terreno; uso, tipo e estado de conservação dos equipamentos; além das condições físicas e psíquicas dos praticantes. Por isso, medidas preventivas são fundamentais para que uma atividade de aventura possa ser realizada de modo mais seguro. Ao contrário que possamos imaginar, estas medidas não visam engessar uma atividade; muito menos eliminar completamente todo e qualquer tipo risco; mas sim minimizar chances de eventuais ocorrências desagradáveis; que como sabemos, algumas delas podem ser fatais.

Em se tratando de segurança nas trilhas há uma lista enorme em que se poderia enumerar, levando-se em consideração circunstâncias e fatores diversos; e muitas delas não são novidades. Porém, para os casos da prática do trekking, hiking e acampamento pelo Brasil em que condições extremas e inóspitas são bastante raras, as medidas de segurança são simples e básicas, porém suficientes para diminuir a maioria das chances de eventuais problemas mais comumente enfrentados pelos Trekkers locais. 

Por isso atente-se basicamente para os seguintes:
  • Conferir sempre suas condições físicas antes de praticar qualquer atividade. 
  • Comunicar ao seu médico antes de praticar qualquer atividade física caso faça uso de algum medicamento controlado. 
  • Procurar obter e reunir o maior número de informações sobre o lugar em que praticará a atividade, mesmo que vá em grupo ou que esteja acompanhado de um líder ou guia. Isto inclui logística de ida e regresso; eventuais rotas de fuga durante a trilha caso precisar abortar a missão; contatos de moradores e prestadores de serviços locais etc. Estude o mapa do lugar, identificando cidades, vilas e povoados nas redondezas. Confira ainda as previsões de tempo para o período. Leve tudo anotado e não confie exclusivamente em sua memória. As informações obtidas e organizadas são importantíssimas e evitam de antemão uma série de eventuais esforços desnecessários. 
  • Comunicar seus familiares ou amigos sobre sua atividade outdoor, deixando de preferência por escrito, em local de fácil acesso e a mais de uma pessoa as informações sobre o local onde estará; duração da atividade, e se possível, como poderá ser contatado em casos de emergências. 
  • Colocar em sua bagagem e levar consigo um cartão com seu nome completo, tipo sanguíneo, endereço, nomes e contatos de emergência. 
  • Organizar a bagagem com calma e antecedência. Vistoriar equipamentos previamente e evitar improvisações. 
  • Jamais sair para uma trilha sem lanterna, canivete, fósforos, agasalho e alimentos, por mais curta que esta possa ser. 
  • Organizar e levar um pequeno kit de primeiros socorros. 
  • Alongar-se antes de iniciar qualquer caminhada ou atividade física. 
  • Nunca utilizar um calçado sem amaciar; isto é, ao adquirir um calçado procurar utilizá-lo no dia a dia antes de realizar uma atividade mais longa; pois dessa forma o calçado adquire o formato dos pés evitando problemas futuros. 
  • Procurar caminhar em ritmo adequado e equilibrado, isto é, nem muito lentamente, nem apressadamente; pois isto minimiza eventual cansaço e problemas como cãibras e torções. 
  • Ao caminhar manter atenção constante onde pisar; onde colocar as mãos; ou ainda, onde sentar-se ou deitar-se para descanso.
  • Confira atentamente suas tralhas ao manuseá-las em acampamentos ou mesmo em paradas para descanso, pois é comum que insetos e animais peçonhentos sejam atraídos ou procurem abrigo nesses materiais; podendo causar acidentes.
  • Em acampamentos guarde toda sua tralha dentro da barraca. Proteja seu calçado; conferindo-os atentamente antes de calçá-los.
  • Em grupo jamais se afastar ou perder de vista o seu grupo, líder ou guia! Caso conheça o caminho a percorrer, avisar sempre seus parceiros sobre as suas intenções, que devem ser sempre consensuais; evitando dividir grupos e causar atritos. 
  • Somente praticar trekking de modo solo se conhecer a rota ou for suficientemente experiente na atividade; dominando inclusive técnicas de navegação. 
  • Procurar conhecer e levar para a trilha instrumentos de orientação e navegação, mesmo que esteja acompanhado por um líder ou guia. 
  • Antes de adentrar em uma mata sem trilha definida estudar a melhor rota para o seu objetivo. Após adentrar, deixar sinais visíveis em distâncias aproximadas, como uma pequena fita de algodão em cor viva amarrada em algum galho ou tronco de árvore. Isto pode ser útil em eventual retorno. Evitar fazer cortes em árvores, pois isto pode se tornar bastante confuso. 
  • Em casos de desorientações em alguma trilha, em especial no interior de matas, procurar manter a calma. Primeiro se alimentar. Depois tomar alguma decisão que objetivamente possa dar resultados. Vale subir em árvores ou em pontos mais altos para se orientar. Se escurecer, evitar circular e aguardar o amanhecer. Não faça fogo, você pode ser a vítima; exceto se estiver sob frio extremo ou precisar cozinhar algum alimento. Procurar contatar autoridades e familiares; na ausência desta possibilidade procure se dirigir para algum espaço aberto onde possa ser visualizado. Se você avisou seus familiares e amigos sobre suas intenções antes da aventura, certamente estes já deverão estar tomando providências visando a sua localização em caso de atrasos do seu retorno. 
  • Redobrar a atenção ao se aproximar de paredões rochosos, tocas e pequenas grutas; troncos de antigas árvores em pé ou caídos; além de locais pantanosos ou pontos de água. Esses locais são preferidos por animais silvestres ou mesmo peçonhentos; seja de modo contínuo ou pontual. 
  • Ao visualizar algum animal silvestre; ou insetos; evite ações bruscas ou gritos que possam assustar ou chamar atenção desses animais. Alguns deles podem não agradar e atacar o praticante, como alguns gambás, abelhas, marimbondos e até formigas. 
  • Jamais atentar contra um animal silvestre, a não ser em casos extremos e de sobrevivência. 
  • Redobrar a atenção ao se aproximar ou se afastar de fendas, abismos, despenhadeiros e locais escorregadios. 
  • Jamais tentar subir ou descer um paredão ou uma inclinação acentuada de terreno se não estiver com equipamentos específicos e saiba utilizá-los. 
  • Jamais tentar atravessar um rio durante enchentes ou com correntezas fortes, mesmo que seja um exímio nadador. Aguarde em ponto seguro as águas baixarem ou trace outra rota alternativa. 
  • Ao fotografar algum atrativo, jamais faça isto em movimento. Pare, fotografe, guarde a câmera e somente após volte a caminhar. A mesma regra vale caso precisar retirar ou colocar algo em sua mochila. 
  • Sob condição climática adversa como chuvas torrenciais, tempestades, ventanias etc; redobrar a atenção e procure se informar acerca das medidas de segurança no local; ou procure um lugar abrigado. Na ausência deste, se abaixar e ficar distante de objetos e acidentes naturais ou artificiais que possam deslizar, cair ou mesmo atrair descargas atmosféricas. 
  • Em cachoeiras redobrar os cuidados quanto a rochas escorregadias e somente adentrar em poços mais profundos se souber nadar perfeitamente. Se for o caso, levar consigo um colete salva vidas e não ter vergonha em utilizá-lo, mesmo que saiba nadar. A vida é infinitamente mais importante que qualquer eventual "gozação alheia" ou um pequeno peso extra. Há um ditado antigo e muito válido: “água no umbigo, sinal de perigo”! 
  • Jamais realizar pulos sejam acrobáticos ou não em poços de cachoeiras, rios ou lagos. Nos fundos desses locais submersos é comum existir rochas, galhos, fendas e uma série de outros obstáculos naturais ou não que na maioria das vezes não podem ser visualizados previamente e são causadores de inúmeros acidentes. 
  • Jamais armar acampamento em margens baixas de rios ou córregos; praias fluviais; debaixo de grandes árvores com galhos secos; debaixo de árvores frutíferas em produção; ou ainda em locais muito íngremes, totalmente desabrigados ou próximos à abismos ou fendas. Procurar preferencialmente um local abrigado e com boa capacidade de escoamento de água de chuva. 
  • Em praias evitar avançar em mar aberto e mantenha-se afastado de locais mais profundos. Jamais adentrar ao mar em casos de raios ou de mar revolto. 
  • Evitar a todo custo fazer fogueiras em ambientes naturais e somente o faça em casos de extrema necessidade. Saiba que grande parte dos incêndios começam com uma "inofensiva fogueirinha". 
  • Não se esquecer de hidratar e alimentar adequadamente antes e durante uma caminhada! 
  • Trazer sempre de volta o seu lixo! 
  • Nunca deixar de utilizar o bom senso e evitar ações que coloquem em risco sua vida e de outros, seja por qual motivo for! O bom senso é um balizador natural que todos nós temos e devemos desenvolvê-lo; fazendo seu uso sempre que necessário! 

Lembre-se: 

Estas são apenas dicas e não regras estabelecidas. Cabe a cada um, de acordo com a sua experiência adequá-las, adaptá-las ou até mesmo rejeitá-las. Todos somos livres para estabelecer e expressar o nosso modo de pensar e agir, desde que não prejudiquemos a coletividade. Antes de tudo defendemos a ideia de que não devemos classificar praticantes baseados somente em quesitos dessa natureza. Entretanto, salientamos que muitas dessas dicas aqui apresentadas são amplamente aceitas e utilizadas não somente no Brasil, mas também em várias partes do mundo, graças aos seus resultados positivos.

Por outro lado, é claro que nem sempre estamos aptos e capacitados para colocar em prática todas estas medidas básicas (sim, são básicas, há muitas outras muito mais sofisticadas e específicas). Mas é altamente recomendável que nos esforcemos para tal. E isto adquirimos com o tempo e a prática. Em suma, não esqueçamos que VIDA temos apenas uma; já os atrativos naturais, mesmo os naturalmente mais escondidos estarão sempre à nossa espera. Se em alguma ocasião não conseguirmos visitar tudo que pretendíamos em virtude de algum fato inesperado ou obstáculo, isto é ocasião para estudarmos, aprendermos e nos prepararmos melhor para uma próxima empreitada...


Bons ventos a todos!!!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.