Pular para o conteúdo principal

Pedra da Campina em Alagoa, MG: matando saudades!

Visual leste desde o topo da Pedra da Campina: erras do Ouro Fale e Mitra do Bispo
O pequeno município de Alagoa está localizado no Sul de Minas Gerais, a 435 km da capital BH, bem próximo à divisa dos Estados de SP e RJ. Encrustado na Serra da Mantiqueira, nos arredores do município estão as terras do famoso Parque Nacional de Itatiaia, bem como do Parque Estadual da Serra do Papagaio, que inclusive engloba parte do município. É o núcleo urbano mais elevado das Terras Altas da Mantiqueira, sendo o primeiro a ser banhado pelas águas do Rio Aiuruoca, cujas nascentes se encontram no Planalto do Itatiaia. Baseado nessa localização dá pra imaginar um terreno fértil para o Montanhismo...

Em seus domínios estão pontos conhecidos no meio do Montanhismo como a Mitra do Bispo e o Pico do Garrafão. Mas em meio à esses atrativos mais falados, há muitos outros pontos de particular interesse, que embora menores guardam segredos e belezas. Um desses atrativos é a Pedra da Campina, uma rocha que apesar da baixa altitude, possibilita visualizar grande parte do município devido à sua estratégica localização.

Foto anterior: Pedra da Campina vista da estradinha Alagoa-Aiuruoca. Ao fundo, a Serra do Paiol, divisa com Baependi
A Pedra da Campina é uma rocha irregular, com falhas, de onde brotam árvores, arbustos, bromélias, orquídeas, samambaias e uma infinidade de capim gordura. Foi nas proximidades dessa rocha que passei minha infância e adolescência. Como morador da localidade, lembro-me do terror que alguns moradores mais velhos nos pregavam quando ainda éramos crianças; dizendo que um dia aquela pedra iria “deitar” sobre todo o vale, matando a todos nós!!!

Lembro-me ainda de certa ocasião em que houve um grande incêndio na região, resultado da queimada de um roçado para plantação. O fogo subia feito raio pelo capim gordura presente na face rochosa. A Pedra cuspia fogo, literalmente. Fazia um barulho estrondoso e foi um fato marcante pra mim. Suspeito estar aí as origens da minha aversão às fogueiras nas trilhas... Foi terrível! Apesar da proximidade e de várias vezes durante o ano estar na região, havia uns 20 anos que não botava o pé no topo da minha amada Pedra da Campina... 

Relato do Trekking

Estando na região no mês de julho de 2012, resolvi tirar uma tarde de domingo para revisitar a Pedra da Campina. Era o dia 29 de julho, um lindo dia de inverno, daqueles em que o sol se mostra de verdade. Vizinho da rocha, saí de casa por volta de 13h00, após o almoço, apenas com uma mochila de ataque, levando água e uns petiscos.

A fácil e tranquila trilha de acesso se inicia na estradinha de terra Alagoa-Aiuruoca bem em frente e à esquerda da escolinha rural (hoje desativada), de nome Escola Municipal Monoel Olímpio Monteiro. Foi nesta escolinha há mais de trinta anos que eu aprendi a ler e a escrever com minha Mãe e minha primeira professora.

A trilha segue fácil e demarcada, à beira da velha cerca de arame farpado, muito nítida no pasto, com uma fila de araucárias à direita, que inclusive as vi crescer. Uns 200 metros adiante atravesso uma porteira e junto a ela um rego d’água, que costuma secar no inverno.

A trilha continua um pouco desgastada e poucos metros adiante atravesso mais uma cerca de arame. Ao atravessar essa cerca já é possível sentir a energia da Pedra, grandiosa e imponente bem à sua frente. À esquerda, há sinais de um antigo mangueiro de criação de porcos; uma bela moita de bambu gigante e um pé de jabuticabeira mais adiante.

Já bem próximo à Pedra
Uns 500 metros adiante atravessei outra cerca de arame farpado e ainda levei um arranhão. Atravessando-a cheguei a uma trilha bem maior e mais larga, que hoje passa até automóvel e é um caminho de acesso a vários sítios na região e a uma outra localidade chamada Campina de Cima. Tomei então essa estradinha à direita e segui por cerca de uns 500 metros.

Cacho de amora: bem docinha
Após uma pequena subida, defronte à um sítio do lado direito, virei 90 graus à esquerda numa subida um pouco mais íngreme, inclusive alguns tijolos foram colocados no piso da estradinha, certamente para facilitar a passagem de veículos. A trilha-estradinha segue margeando a borda norte da Pedra da Campina. Vejo ao lado esquerdo um pé de amora espinheira, com um cacho madurinho. Não resisti e foi saboreá-lo. Nesse ponto, há um curral com um rancho à direita.

Voltei à caminhada e já quase no final da subida, onde há sinais de uma antiga porteira aproveito para descansar um pouco e me hidratar. Fico por mais de meia hora contemplando as serras da região e o belo vale, quando retomo a caminhada, subindo à esquerda!

Hora do descanso: Serra do Ouro Fala ao fundo. É possível ver a estradinha na curva da Dona Lurdinha à direita
Logo cheguei a uma casinha, antiga residência do Sr. Zé Moreira, já falecido. Me lembro que esse Senhor fazia aqueles pilões de madeira e era especialista em trabalhar legítimos cabos de ferramentas em madeira guatambu! Atualmente é uma residência de fim de semana. Antigamente, nesse local havia muitos pés de jabuticaba.

Passada esta casinha, desci um lance de uns 100 metros por uma trilha bem demarcada que leva à algumas residências acima, nas localidades chamadas Morro e Brejo Grande. Cruzei um rego d'água, último ponto de água antes do topo da rocha. Nesse ponto, a face leste e mais conhecida da Pedra da Campina já ficou para trás. Já estou atrás da pedra, na face oeste, por onde atacaria o seu topo.

Logo após o rego d'água, deixei a trilha entrando à esquerda, cruzei uma cerca de arame e passei a caminhar sob bonitas araucárias; ou pinheiros como são conhecidas na região. Segui morro acima, numa subida íngreme, em linha reta pelo pasto, sem trilha demarcada. E assim, após 40 minutos de caminhada desde casa (descontadas as paradas), cheguei ao seu topo, no seu lado mais ao norte.

Nordeste: Serras da Guapiara, Tamanduá e Nogueira à Nordeste. Ao centro, arraial de Campina - Aiuruoca
Norte: Serra da Campina, PE da Serra do Papagaio
Por uns cinco minutos permanecei apenas contemplando o visual espetacular e tão familiar. Não pensei em nada. O silêncio do lugar, quebrado apenas pelos cantos dos passarinhos e pelo vento suave nas árvores e no capim rasteiro.

Pouco depois caminhei no sentido sul em direção ao ponto mais elevado para melhor apreciar as serras da região. O topo da rocha é relativamente plano. Curiosamente, em cima da Pedra da Campina não há rocha aparente; apenas pasto. À leste sobressaem os cumes da Serra do Ouro Fala: Morro do Gambá ou Mandiocal, Coquista e Toca Grande. Mais à direita destaca a Mitra do Bispo, com seus quase 2.200m de altitude.

Sudeste:Serra do Grafite, Pedra do Juquinha e Serra do Condado
A nordeste, contemplei as serras do Nogueira, Tamanduá e Guapiara. A norte os morros do Goulart, que tem o formato de um coração e a noroeste a Serra da Campina. Todas ficam no vizinho município de Aiuruoca. A oeste, imponente estava a Serra do Paiol, um rochoso muito bonito, com altitude próxima a 2.000m, e que divide os municípios de Alagoa e Baependi. Mais ao Sul e Sudeste, por entre as árvores, observei as serras do Paiolzinho, Borges, Condado, Pedra do Juquinha e Serra do Grafite, já no município de Alagoa. 

Oeste: Serra do Paiol, limites do Parque Estadual da Serra do Papagaio
Permaneci no topo por mais de uma hora. O visual estava perfeito! Explorei a região, em especial a extremidade sul onde há uma mata bem formada. Constatei o que me disseram algum tempo atrás que havia ocorrido um grande incêndio naquele trecho. As árvores ainda apresentavam carvão nas suas cascas.

Por volta de três da tarde deixei o topo da Pedra da Campina tomando o rumo Sul. Fiz uma descida curta, leve e suave pasto abaixo, sem trilha definida. Passei pouco acima de uma residência antiga que pertence a D. Conceição, lugar que quando criança costumava frequentar. Dessa vez não fui até lá.

Exemplar de guatambu
Logo após atravessar uma cerca de arame, e depois mais uma, interceptei uma trilha bem marcada que na verdade é um atalho para aqueles que se dirigem da região para a cidade de Alagoa. Tomei a esquerda e caminhando por cerca de 500 metros sai no topo de uma ladeira, onde cruzei um quebra corpo. Estava próximo ao Morro da Canjerana,  bem à minha direita.

Desse ponto pude observar com clareza todas as Serras localizadas ao Sul/Sudeste. Sobressaem ao fundo cumes do Parque Nacional do Itatiaia. Em nível mais baixo destacam a Serra do Paiolzinho, Borges, Condado, Pedra do Juquinha e Serra do Grafite, já na divisa com Bocaina de Minas. A leste, a Mitra do Bispo.

Parcial do lado leste: Serra do Ouro Fala e Mitra do Bispo. Lados de Santo Antonio do Rio Grande
Exemplar de candeia em floração
Desci a ladeira e ao chegar em uma bifurcação, tomei rumo à direita, passando logo abaixo de uma casinha que hoje se encontra fechada. Me lembro que quando criança frequentei essa casinha. Me dirigi pela trilha de vaca no meio do pasto e logo adiante encontrei um local propício ao descanso, embaixo de uma árvore e próximo a um velho cupinzeiro.

De frente para o leste e mesmo com o sol indo embora e a temperatura caindo, fiquei por cerca de uma hora admirando o vale! Aliás, belos exemplos de jacarandás, candeias, guatambus e muitas outras espécies circundam a região.  Notei a presença de muitos passarinhos... Tudo com a Mitra do Bispo à minha frente. Lá embaixo, no fundo do vale, o tranqüilo Rio Aiuruoca!

Parcial do Planalto de Itatiaia (zoom): Pedra Furada no destaque
Depois de uma hora mais ou menos voltei à trilha embaixo da casinha de meu amigo de infância e fui descendo. Após algumas fotos, cruzei por um quebra corpo, onde à esquerda há um curral com gado e uma residência. Me dirigi à direita, no sentido da estradinha logo abaixo, tomando-a à esquerda para voltar à base da Pedra da Campina.

Descendo a estradinha, passei à esquerda de um outro sítio, com um curral, silos e uma espécie de chalé mais acima. Nesse local só existia pasto quando eu era criança! Não parei e continuei a caminhada, passando por uma matinha rala, onde antigamente havia muito barro preto daqueles que atolam e grudam, várias pés de ingá e minas d’água temporárias. Hoje é uma estradinha, ideal para 4x4.

Cheguei então à base da Pedra da Campina. Fiquei observando a imponência da rocha, com aquela grande quantidade de pedra de vários tamanhos e formatos no meio do pasto, como que se em priscas eras foram lançadas lá de cima. Há várias e diferentes orquídeas no meio de matéria orgânica e pedras. Vários cliques, vou descendo e logo chego no ponto de deixar a estradinha, cruzar a cerca de arame à direita e tomar o caminho de volta pra casa pela mesma trilha do início, lá chegando por volta de 17 horas.

Muito mais do que um ponto geográfico relevante, a Pedra da Campina é como se fosse parte da minha família. Desde que me vi por gente, ela estava lá, à minha frente. Então, voltar à esse lugar foi um resgate pra minha alma, um exercício para a minha memória. Voltei de lá mais leve, após 7 km de caminhada!

Serviço

A Pedra da Campina localiza-se no bairro rural de mesmo nome, 4 km ao norte da cidade de Alagoa e às margens da estradinha que liga Alagoa à Aiuruoca. Trata-se de uma rocha de uns 600 metros de comprimento e uns 130-140 metros de altura. Sua altitude gira entre 1.300 e 1.400m. Em seu lado Sul, apresenta uma pequena, mas robusta mata na íngreme encosta; além do grande vale que a separa da sede do município; emoldurado ao fundo pelas Serras do Condado, Borges, Paiolzinho, Negra e Planalto do Itatiaia. Em sua base leste, o terreno é “forrado” por pedras menores, de tamanhos e formas variadas; seguido de outro vale por onde corre o Rio Aiuruoca, tendo a Serra do Ouro Fala e Mitra do Bispo ao fundo. À oeste, terras superiores sentido sopé da Serra do Paiol na divisa com Baependi. Ao norte, mais um vale a separa da Serra da Campina, no vizinho município de Aiuruoca.  

Seu topo é relativamente plano, de onde é possível observar praticamente todo o município de alagoa e parte do município de Aiuruoca. O acesso é muito fácil a partir da escolinha desativada do bairro rural da Pedra da Campina. A trilha até o topo perfaz aproximadamente 3 km; e o retorno pode ser feito pelo mesmo caminho da ida; ou então, contornando a rocha pelo lado sul. É um excelente lugar para um bate e volta desprentensioso.

A Pedra da Campina se destaca no visual da região, principalmente por quem caminha ou transita pela estradinha de chão batido que liga a cidade de Alagoa à Aiuruoca. Ao despontar nesta estrada, na chamada curva do Zé Monteiro ou da D. Lurdinha (no interior de Minas, os acidentes geográficos costumam ter nome, normalmente o do morador mais próximo), vindo de Alagoa, o impacto visual é grande. Impossível não se impressionar com a sua imponência e beleza, apesar da baixa altitude.

Cidade/Região

Alagoa é uma cidadezinha de 3 mil habitantes e aproximadamente 160 km² de área localizada no Sul de Minas Gerais, a aproximadamente 435 km da Capital Belo Horizonte. Economicamente vive da agropecuária, sendo famosa pelo seu queijo tipo parmesão, o Queijo de Alagoa. Seu comércio é básico, bem como a sua rede de saúde e de serviços. Não há hotel de grande porte no município, apenas algumas pousadas simples. Essa deficiência é compensada pela receptividade e simplicidade de seus moradores. 

Alagoa é o município que possui a maior média de altitude da Região conhecida como Terras Altas da Mantiqueira. Destaque para os Picos da Mitra do Bispo (2.200m de altitude) e o Pico do Garrafão ou de Santo Agostinho (2.359m de altitude, 29° do Brasil, segundo lista do IBGE). De ambos é possível observar boa parte o do Planalto de Itatiaia, Pico do Papagaio, Serra Fina e até o Marins-Itaguaré. Além desses, destaque para outras serras, como a do Paiol, Capoeirão, Condado-Paiolzinho-Grafite e Pico do Chorão, que é uma bela formação vista inclusive da sede.

Mesmo com toda essa riqueza natural, o turismo, em especial o turismo de aventura, ainda é incipiente na região. Talvez pela proximidade do Parque Nacional do Itatiaia que polariza as atenções na região, bem como pelo acesso difícil, especialmente no período das chuvas. Não há estrada asfaltada ligando a sede aos municípios vizinhos. A rodovia que liga a Itamonte está em obras a quase dez anos e mesmo assim, mais ou menos 6 km ainda são de terra batida...

Com a 'descoberta' de alguns pontos naturais na região a partir de fins da década de 80, como o Matutu, em Aiuruoca; bem como a implementação da rota Caminho dos Anjos, um número maior de aventureiros passou a navegar pela região. Apesar disso, o número é ainda pequeno. Uma das iniciativas interessantes visando o desenvolvimento do Turismo na região é a Associação Terras Altas da Mantiqueira, que faz excelente trabalho em prol das cidades da região.

Alagoa abriga também algumas cachoeiras, porém todas de pequeno porte. É a primeira cidade banhada pelo Rio Aiuruoca, famoso por ter sua nascente nos domínios do Parna Itatiaia. Importante salientar que o inverno é bastante rigoroso na região, sendo comuns temperaturas negativas ou próximas à zero.

Distâncias Aproximadas

Belo Horizonte: 435 km 
Rio de Janeiro: 270 km 
São Paulo: 350 km

Hospedagem e Alimentação

Pousada Fazenda Corguinho
Estrada Alagoa x Bocaina de Minas - km 3 - Bairro Corguinho
Telefone: 35 3366-1399

Hospedaria Pedra da Mitra
Bairro do Mato Dentro - Mitra do Bispo
Telefone: 35 99877-9878

Pousada Pica Pau
Rua Antero Lopes de Siqueira, 344 - Pedra Furada
Telefone: 35 3366-1221

Pousada Casarão
Estrada Alagoa x Itamonte – km 7 - Bairro Engenho
Telefone: 35 99809-8644

Camping Pedra do Gavião
Estrada Alagoa x Aiuruoca - km 6 - Bairro Campina de Cima
Telefone: 35 99918-5605

Como chegar e voltar - De ônibus

Cidade referência: BH
Opção 1: Expresso Gardênia até Caxambu → Viação Sandra até Aiuruoca → Viação Souza Aguiar (35 3366-1260) até Alagoa
Opção 2: Viação Útil até Capivari, Distrito de Pouso Alto, próximo a Itamonte → Viação Delfim (35 3366-1260) até Itamonte → Viação Souza Aguiar (35 3366-1260) até Alagoa

Cidade referência: SP
Viação Cometa até Itanhandu ou Capivari → Viação Delfim (35 3366-1260) até Itamonte → Viação Souza Aguiar (35 3366-1260) até Alagoa

Cidade referência: RJ
Viação Cidade do Aço até Itamonte → Viação Delfim (35 3366-1260) até Itamonte → Viação Souza Aguiar (35 3366-1260) até Alagoa

► Há outras rotas possíveis pra chegar em Alagoa, referenciei as mais fáceis.
► Confira os horários e frequências dos ônibus contatando as empresas; pois são normais alterações sem prévio aviso.
► Ao comprar passagem da Viação Útil para a região, adquira o trecho BH - Cruzeiro. Faça isto com antecedência, inclusive o retorno, pois não há postos de venda na região, nem vendem-se passagens nos ônibus.
► A Viação Delfim que faz a linha Itamonte-Capivari-Itanhandu é administrada pela Viação Souza Aguiar.
► Em Aiuruoca quando do retorno é possível embarcar em ônibus da Viação Santa Cruz e desembarcar em Três Corações ao invés de Caxambu. Isto costuma agilizar eventual retorno para Belo Horizonte.

Como chegar e voltar - De carro

Cidade referência: BH
Rodovia Fernão Dias até Campanha → BR 267 sentido Juiz de Fora até o trevo de Aiuruoca → Entrar à direita, passar por Aiuruoca → Alagoa (32 km estrada de terra).
A localidade de Pedra da Campina fica 4 km antes de Alagoa.

Cidade referência: SP
Rodovia Pres. Dutra até Cruzeiro → SP 052 e MG 158 até BR 354 em capivari →  BR 354 até Itamonte → LMG 881 até Alagoa (há 6 km em terra batida)
A localidade de Pedra da Campina fica a 4 km sentido Aiuruoca.

Cidade referência: RJ
Rodovia Pres. Dutra até Resende → BR 354 até Itamonte → LMG 881 até Alagoa (há 6 km em terra batida).
A localidade de Pedra da Campina fica a 4 km sentido Aiuruoca.

Considerações finais

► Há água logo no início da trilha, pouco acima da escolinha desativada. Porém, na estiagem essa água costuma secar. Há outros pontos de água, como nas imediações da antiga casa do Sr. Zé Moreira, Dona Conceição; ou mesmo se fizer o contorno sul há água ao final da descida. Inicie abastecido.

► É possível acampar no topo da Pedra da Campina; mas a área é particular e fonte de água está um pouco distante do topo.

► Ao transitar na região, mantenha as porteiras fechadas e não corte eventuais cercas de arame; nem espante as criações.

► Há sinal de telefonia móvel no topo da Pedra da Campina (operadora Vivo).

► Carta topográfica da região IBGE: Alagoa

► Outras informações sobre Alagoa nos sites da Prefeitura Municipal e da Associação Terras Altas da Mantiqueira

► Confira algumas Dicas Básicas de Segurança para a prática de Atividades Outdoor

►Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto


Bons ventos a todos!
Última Atualização: Nov 2017

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.