Pular para o conteúdo principal

Pedra Grande de Igarapé pela Rota Sul: um jardim em pleno inverno!

Face sudeste da Pedra Grande
A Pedra Grande de Igarapé constitui de um rochoso localizado nas dividas dos municípios de Igarapé e Itatiaiuçu, ambos na região metropolitana de Belo Horizonte, a aproximadamente 60 km da Capital, sentido BR 381 Sul (São Paulo). A rocha que se assemelha a um leão descansando (ops!!! minha visão ok?) quando vista do seu mirante próximo possibilita fácil acesso ao seu cume. Em sua face norte possui várias vias de escalada, dentre outros pontos. É um recanto sossegado, que proporciona amplo visual da região, especialmente ao nascer e por do sol e é facilmente identificada por todos que transitam pela movimentada BR 381 nas proximidades das cidades de Igarapé e Itatiaiuçu. Atendendo a um convite da Sol Brumadinho, estivemos por lá em 23 de agosto último: Juntamente com Mateus e James, uma pernadinha mansa e básica num lugar que gosto muito...

Beirava as sete da manhã quando encontrei com o James na altura do Bairro Padre Eustáquio e nos dirigimos sentido BR 381 sul. Paramos na cidade de Igarapé para um cafezinho básico e a Sol e Mateus já nos ligava, estando à nossa espera nas proximidades da MMX na BR 381, alto da Serra de Igarapé, pois vieram de Brumadinho. Nos apressamos e beirando 8 da manhã nos juntamos no alto da Serra de Igarapé. Descida a Serra, na altura do km 529,5, pouco antes do trevo da cidade de Rio Manso entramos à direita por uma estradinha inicialmente asfaltada que liga a BR ao lindeiro bairro dos Vieiras, município de Itatiaiuçu. Rapidamente chegamos ao Restaurante Pedra Grande, onde ficaram estacionados os carros.

Rota Sul: caminho das flores
Por volta de 9h00 da manhã iniciamos a caminhada pela estradinha de terra sentido Pedra Grande. Em aclive deixamos as últimas casas do bairro e seguimos pela estrada ladeada de eucaliptos e outras árvores. Passamos por uma cancela de proibida entrada (que estava levantada) e seguimos. As margens da estradinha de mineração parecia um jardim. Impressionava a quantidade de quaresmeiras floridas e macelas, flores que no interior se usam para fazer travesseiros. O tempo estava límpido e o sol já ardia na cabeça. Tempo perfeito que permitia ver a elegante face sul da Pedra Grande bem próxima.

Fomos subindo pela estradinha que vai serpenteando a encosta à sudeste da Pedra sem dificuldades. Entramos em uma terraplanagem que nos levou ao nada. Preguiçosos e não querendo varar matos, voltamos e prosseguimos pela estrada. Um pouco acima pegamos um curto atalho e adiantamos uma curva da estrada e rapidamente emergimos na crista do morro. Visual maravilhoso para o sul e para o norte. Nesse ponto, os acessos norte e sul se encontram. Topamos com alguns motociclistas trilheiros e paramos um bom tempo fotografando flores, tamanha a variedade no local.

A Pedra Grande desde o Mirante
Chegamos ao Mirante da Pedra Grande. Parada para fotos e sem delongas adentramos na trilha mais à esquerda, descemos em direção ao vale e rapidamente subimos a encosta final da Pedra Grande. Topamos com alguns aventureiros que desciam do topo. Passamos pelo trecho mais íngreme, pelas pedras estreitas e por volta de 11h00 estávamos no topo da Pedra Grande. Ao chegar, encontramos um sujeito tomando sol no topo da Pedra Grande completamente sem roupas: ele levou um susto tremendo (rsrsrs)...

Nossa sombra no retorno: Eu, Mateus, Sol e James
Fizemos uma boquinha, exploramos o topo, fotografamos, um tempo inteiro dedicado ao ócio e outras bobeirinhas mais! Por volta de 13h00 retornamos sentido saída do topo e ficamos por mais de meia hora tirando um cochilo nas rochas e sob as sombras das árvores... Depois começamos a volta. Não fomos na gruta nem na base da Pedra: descemos non stop sentido bairro dos Vieiras, pelo mesmo caminho da ida. Passava das 14h30 quando chegamos novamente no estacionamento. Paramos no restaurante, uma coca gelada e partimos...

Entardecer nos caminhos de Brumadinho
Nosso destino agora seria Brumadinho, onde encheríamos nossas panças no doce lar da Sol: uma lasanha já estaria à nossa espera... Após curto trecho da BR 381 na subida da Serra de Igarapé sentido BH, entramos à direita próximo à MMX e em estrada de terra seguimos para Brumas. Aproximando da cidade, ainda tivemos um outro prêmio: curtir o entardecer sobre o Rio Paraopeba, uma visão incrível. Pé na estrada e chegamos ao restaurante particular dos Frigulhas. Nos fartamos até não querer mais e na miúda, sem pagar a conta zarpamos para BH. Cheguei na Pampulha pouco depois das 18h00.

Foi um passeio light, mais marcante. Primeiro o visual da Pedra Grande, que é espetacular; segundo o jardim natural da serra, que estava belíssimo; e por último, o acesso sul, que eu fiz pela primeira vez! Foi um dia feliz!!! Registro meus agradecimentos à Sol e família, Mateus e James: obrigado pela companhia alegre e descontraída; e principalmente pela paciência em me aturar... eheheh


Serviço

Com pouco mais de 1.440 m de altitude, a Pedra Grande localiza-se na divisa dos municípios de Igarapé e Itatiaiuçu, região metropolitana de Belo Horizonte, a 60 km da Capital. É um conhecido ponto de escalada e trekking na região, proporcionando visual de 360 graus à sudoeste de BH. Do seu topo é possível avistar as principais elevações do entorno: Serra do Elefante, Pico Três Irmãos de Brumadinho; Serra da Moeda; Serra do Rola Moça. Serra do Curral, Pico Belo Horizonte e a Serra da Piedade.

A Pedra Grande pode ser acessada por duas vias principais:

A rota Sul no GE
A rota sul que fizemos nesta ocasião tem início no km 529,5 da BR 381 no lado sul da Serra de Igarapé, altura do Bairro Vieiras. Percorre-se a estradinha principal do Bairro podendo seguir de carro até o Restaurante Pedra Grande Vieiras. De lá, sobe-se a pé pelas estradas antigas de mineração, até encontrar a rota norte na altura do Mirante da Pedra. Desse ponto, apenas um pequeno vale separa o Mirante da Pedra, cuja trilha pode ser vista por completo.

Já a rota norte tem com início na curva da Ferradura da BR 381 no lado norte da Serra de Igarapé. Essa variante percorre estradas de mineração e em seu trecho final se escolhe: ou sobe a pé sentido Mirante da Serra; ou prossegue pela estrada e acessa diretamente a base da Pedra, caminhando por 1 km de trilhas. Leia aqui neste Blog o relato que trata do acesso norte à Pedra Grande de Igarapé!


Como chegar ► cidade referência Belo Horizonte

De ônibus: 
No centro de Belo Horizonte próximo à rodoviária tomar algum ônibus coletivo que vá para as cidades de Itaguara, Itatiaiuçu ou Rio Manso no sentido da BR 381 Sul (sentido para São Paulo). Outra opção é pegar o metrô no centro de Belo Horizonte e descer na Estação Eldorado, em Contagem. Lá descendo embarcar em algum dos coletivos citados acima. Inclusive na Estação Eldorado há mais partidas dos coletivos para estas cidades que em Belo Horizonte. 

Já no ônibus (embarcado em Belo Horizonte ou na Estação Eldorado), peça ao motorista para descer na entrada do Bairro Vieiras, pouco antes do Trevo de Rio Manso. Entrar à direita na rua em frente, seguindo pela principal do Bairro que inicialmente é asfaltada. Passar pelo Restaurante Pedra Grande e seguir por estradinha de terra até o mirante da Pedra. São aproximadamente 4,5 km. A volta se dá pelo mesmo caminho. 

Antes de ir, consulte os números das linhas, e seus respectivos horários, valores e trajetos no site do Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais - DER-MG

De carro: 
Seguir pela BR 381 Sul sentido São Paulo até o km 529,5. Pouco antes do Trevo de Rio Manso entrar à direita e seguir por dentro do Bairro Vieiras até o Restaurante Pedra Grande. Lá deixar o carro estacionado (é seguro) e seguir por estradinha de terra até o mirante da Pedra. São aproximadamente 4,5 km. A volta se dá pelo mesmo caminho.


Considerações finais

► A Pedra Grande é um local belíssimo que vale a visita, especialmente para o nascer e por do sol. 

► O acesso sul é mais seguro para quem vai de carro que o acesso norte, uma vez que o veículo ficaria estacionado na imediações do Restaurante Pedra Grande. 

► Não deixe lixo no lugar. Se possível, até traga algum que achar por lá. Como o local é bastante visitado, é comum as pessoas deixarem lixo no topo e nas trilhas de acesso. 

► Atenção aos motociclistas trilheiros que circulam na região: são educados e atenciosos, mas fique atento, porque surgem inesperadamente!

► Confira algumas Dicas Básicas de Segurança para a prática de Atividades Outdoor

► Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto

Importante - Informe julho 2017:

Em princípio do mês de julho de 2017 recebemos um relato de um casal residente na cidade de Betim nos informando que; visitando a Pedra Grande de Igarapé pelo acesso Norte, em julho de 2017; estando na trilha pouco acima da estrada ouviram barulhos de vidros sendo quebrados. O marido foi em direção ao veículo estacionado e foi recebido por marginais armados. O casal conseguiu correr de volta a trilha e se escondeu, enquanto os bandidos gritavam a sua procura. Posteriormente, os marginais fugiram do lugar. Ela sofreu escoriações e torções enquanto corria para se esconder. Felizmente fato mais grave não ocorreu; porém foi um grande e perigoso susto; informou o casal!
Portanto, informamos aos aventureiros que ao visitar a Pedra Grande de Igarapé estejam atentos. Evitem visitas solo; ou em poucas pessoas; ou mesmo pernoite no lugar. Prefira ir em grupos maiores e se possível, entre em contato com autoridades locais informando da atividade. Nosso objetivo não é provocar alarde; mas sim informar; uma vez que, concretamente este é o primeiro e até então único relato dessa natureza que temos notícia na Pedra Grande de Igarapé. Como sabemos, infelizmente casos dessa natureza não são raros em trilhas muito próximas a centros urbanos. Assim, visitando locais com essas características esteja sempre alerta!


Bons ventos!!!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.