sábado, 12 de setembro de 2015

Petrópolis a Teresópolis: Perguntas e Respostas

Imagem clássica da Travessia Petrô-Terê ou Terê-Petrô
A Travessia Petrópolis-Teresópolis é um clássico do Montanhismo brasileiro. Não há estatísticas comparando realização de travessias pelo Brasil, até porque, ao contrário do que ocorre na maioria dos países mais avançados na prática do Montanhismo, a maioria das travessias brasileiras se dão fora de áreas protegidas. E mesmo entre as unidades protegidas, desconheço algum levantamento específico nesse sentido. Mas é seguro afirmar que a Petrô-Terê é uma das travessias mais realizadas no Brasil. O grande chamativo dessa travessia é o apelo visual. Sem dúvidas, é uma das mais belas do País. Como recebo um bom número de pedidos de informações sobre esta rota, elaborei algumas Perguntas e Respostas, visando esclarecer algumas dúvidas, bem como demonstrar meu ponto de vista quanto à Travessia Petrópolis a Teresópolis. Tendo um tempinho, peço que leia. E continuo à disposição para quaisquer outros esclarecimentos ou informações.

Travessia Petrópolis a Teresópolis - FAQ

1► O que é e onde se desenvolve a Travessia Petrópolis a Teresópolis?

É um trekking de aproximadamente 30 km que percorre através de trilhas a parte alta do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, que também é conhecido como Parnaso. O Parque abrange áreas nos municípios de Petrópolis, Teresópolis, Guapimirim e Magé.
Esta Travessia pode ser feita tanto no sentido Petrópolis a Teresópolis (formato mais usual e tradicional) quanto no sentido Teresópolis a Petrópolis (neste caso há a desvantagem de caminhar de costas para o visual mais belo da Travessia).

2► É possível uma descrição passo a passo da Travessia Petrópolis a Teresópolis no seu modo mais usual?

Da Portaria Petrópolis ao Açu:

Até a bifurcação da Gruta Presidente trilha em leve aclive e sombreada, com alguns pontos de água e margeando o Rio Bonfim. Nas proximidades da Gruta Presidente (sinalizada, cerca de 100m à esquerda da trilha) há o último ponto de água antes de começar a subida mais íngreme, que levará primeiramente à Pedra do Queijo. Após, continuação da subida com um discreto declive; para subir novamente pelo Morro da Samambaia; chegando até o Ajax (ponto de água). Após, forte subida da Isabeloca, finalizando no Mirante Graças a Deus. Seguem trechos em leves aclives ou planos pelo Chapadão do Açu até o Castelo do Açu, incluindo alguns lajeados sem inclinações.

Do Castelo do Açu até o Abrigo 4:
Há 6 declives e 6 aclives maiores, com desnível médio de pouco mais de 100 metros e pouquíssima sombra. Saindo do Camping do Açu há o primeiro declive em lajeado e subida até o Morro do Marco. Nova descida rumo ao Vale da Luva (ponto de água, que estava mirrado em set 2015). Passagem por mata nebular e subida descampada até o Morro da Luva. Descida rumo à Cachoeirinha (ponto de água) e subida do Elevador. Descida em lajeado rumo ao vale que antecede leve aclive no Morro do Dinossauro. Descida com trechos em lajeado até o Vale das Antas (ponto de água). Subida entre mata nebular passando pelo Dorso da Baleia. Descida rumo ao Mergulho. Subida pela canaleta da Pedra do Sino. Por fim, leve declive até o Abrigo 4.

Do Abrigo 4 até a Barragem em Teresópolis:
Trata-se de um longo trecho em declive com trilha ampla e sombreada por mata atlântica em 90% do trecho. Aproximando da Barragem há trecho em calçamento antigo em estilo pé de moleque, irregular e com presença de lodos e buracos em vários pontos. Há riscos de quedas; uma vez que, o final da Travessia está próximo e normalmente relaxamos e tendemos a ficar mais desatentos.

Da Barragem à Portaria Teresópolis:
Há uma via de aproximadamente 3 km com calçamento em Paralelepípedos. Sempre que possível, é recomendável evitar caminhadas por este trecho, pois é cansativa e escorregadia em alguns pontos devido ao sombreamento da mata atlântica, que resulta em lodo em alguns pontos.

3► Quais os camping existentes na rota da Travessia Petrópolis a Teresópolis? Posso pernoitar fora desses pontos?

Os camping estão no Castelo do Açu e na base da Pedra do Sino (Abrigo 4).
Em situação normal não são permitidos acampamentos fora desses pontos. Há fiscalização e proibição expressa quanto a este procedimento.

4► Qual o tempo ideal para realizar a Travessia Petrópolis a Teresópolis?

O modo tradicional são 3 dias (Leia nosso relato de três dias, clique AQUI).
No primeiro dia percorre-se da Portaria Petrópolis ao Castelo do Açu (aprox. 8 km).
No segundo dia percorre-se do Castelo do Açu ao Abrigo 4 que também é conhecido como Abrigo da Pedra do Sino (aprox. 7 km).
No terceiro e último dia percorre-se do Abrigo 4 à Barragem de Teresópolis (aprox. 9,5 km).
Mas é perfeitamente possível realizá-la em dois dias, com apenas um pernoite obrigatoriamente no Castelo do Açu (Leia nosso relato de dois dias, clique AQUI)
Também é possível realizá-la em apenas 1 dia em estilo alpino; sem pernoite.
► As diferenças de quilometragem referem-se ao ataque à Pedra do Sino (aprox. 1,5 km ida e volta); além de aprox. 3 km finais da Barragem à Portaria Teresópolis; além de circulação pelo Castelo do Açu.

5► Há pontos na Travessia Petrópolis a Teresópolis que merecem atenção especial?

Sim, existem pontos que merecem atenção redobrada. São eles:
► 1) Elevador, após a descida do Morro da Luva e Cachoeirinha, uma via ferrata mas de fácil transposição;
► 2) Lajeado mais inclinado na descida do Morro após o Elevador (antes do Dinossauro), que quando molhado oferece riscos de escorregões e quedas;
► 3) Mergulho, grota que antecede a subida da canaleta da Pedra do Sino; que pode exigir ou não o uso de cordas para apoio e quando molhada oferece riscos de escorregões e quedas;
► 4) Cavalinho, na canaleta da Pedra do Sino, que pode exigir ou não o uso de cordas para apoio, cuja lateral esquerda sentido Açu-Sino é um precipício;
► 5) Degrau imediatamente após o Cavalinho, que se transpõe por força e apoio inferior, cuja lateral esquerda sentido Açu-Sino é um precipício.

6► Basicamente o que é necessário para uma pessoa realizar a Travessia Petrópolis a Teresópolis de modo independente?

► Possuir bom condicionamento físico e boa saúde;
► Ser praticante de trekking;
► Possuir equipamentos para trekking e estar habituado a transportá-los em cargueiras;
► Possuir conhecimento na lida em acampamentos.

7► Tenho boa saúde e bom condicionamento físico; sou praticante de trekking; faço travessias e transporto equipamentos em cargueiras. Mas tenho dificuldades em orientação e navegação. É possível fazer a Travessia sozinho?

Nunca.
Procure algum grupo e junte-se a ele; ou contrate um guia.
Isto porque em casos de neblina (chamado ruço no linguajar local) os riscos de desvios da rota são reais. Ou então procure estudar sobre Navegação Manual e somente depois de exercitar bem realize a Travessia. É possível realizá-la com GPS, porém jamais confie exclusivamente em GPS, ou em aplicativos presentes em smartphone, cujos aparelhos são menos sensíveis e instáveis.

8► Tenho boa saúde e bom condicionamento físico. Mas não sou praticante de trekking; não possuo equipamentos e não tenho experiência no uso de cargueiras. Posso realizar a Travessia?

Sim.
Porém recomendo que primeiramente treine caminhadas de um ou mais dias inteiros no meio natural, incluindo rotas com aclives e declives. Depois recomendo a contratação de empresas que realizam a rota no estilo expedição, isto é, ofereçam equipamentos, carregadores e cozinheiros durante a Travessia. Você certamente pagará um preço mais elevado por esses serviços mas é o modo mais seguro.

9► Já ouvi dizer ou li em algum lugar que a Travessia Petrópolis a Teresópolis é dificílima, com pontos perigosíssimos. Isto é verdadeiro?

Os conceitos de difícil e perigoso variam de pessoa para pessoa e conforme a experiência de cada um. Mas levando-se em consideração uma pessoa praticante de trekking e em boas condições físicas, pode-se afirmar que se trata de uma Travessia de nível mediana sobretudo devido aos aclives, declives e trechos que exigem força e flexibilidade para transposições.
Obviamente que, assim como na maioria das trilhas em montanha, há pontos que merecem atenção. No caso da Petrópolis-Teresópolis, em alguns pontos eventuais erros de transposição podem resultar desde acidentes simples e até a morte.
Se você tem pouca experiência em aventuras no meio natural, procure praticar mais e somente vá realizar esta travessia (ou outra qualquer) acompanhado por pessoas mais experientes. Só não deixe de ir, pois a Serra dos Órgãos é um lugar espetacular!

10► Já ouvi dizer ou li em algum lugar que a Travessia Petrópolis a Teresópolis é facílima, que qualquer um é capaz de realizá-la sem problemas. Isto é verdadeiro?

Vá por mim:
Desconfie sempre de conceitos particulares extremos; em especial no trekking.
De um modo geral, esta Travessia não é para marinheiro de primeira viagem; tampouco exige esforço hercúleo para realizá-la. Pratique trekking regularmente e evite comparações, pois cada pessoa é única e cada situação única!

11► Como chegar à Portaria Petrópolis de ônibus?

O modo mais fácil é desembarcar na Rodoviária de Petrópolis e embarcar em coletivo da linha 150 para o Terminal Corrêas. Neste terminal há duas opções: embarcar no coletivo da linha 611 Bonfim e desembarcar no ponto final a 1 km da Portaria e seguir à pé; ou embarcar no coletivo da linha 616 Pinheiral e desembarcar próximo à Escola Rural, ponto mais próximo à Portaria Petrópolis e seguir à pé. Confirme essas informações com o cobrador.

12► Como retornar ao final da Travessia em Teresópolis de ônibus?

O modo mais fácil é seguir para a rodoviária de Teresópolis e desta para sua cidade; ou para Petrópolis, que é a maior cidade da região e com mais opções de ligações via ônibus.

13► Quais os serviços oferecidos pelo Parque?
São gratuitos?

O Parnaso disponibiliza através de empresa terceirizada barracas para locação; banho quente, pernoite em bivaque ou beliche no Castelo do Açu e no Abrigo 4. Estes serviços são cobrados e possuem valores diversos.
Confira no site www.parnaso.tur.br os preços e disponibilidade de vagas.
Os serviços de banho frio e uso de sanitário são gratuitos em ambos os locais de pernoite.
(Obs.: por tempo indeterminado no Castelo do Açu está disponível apenas a locação de barracas - set 2015).

14► Como comprar ingressos e os serviços oferecidos pelo Parque?

Através do site www.parnaso.tur.br, que é autoguiado.
Também é possível comprar entradas e serviços nas Portarias do Parque.
Procure comprar as entradas e serviços com antecedência pois as vagas costumam ser disputadas, em especial nos feriados e fins de semana, principalmente no inverno.

15► Tenho que comunicar à Portaria do Parque quando do término da realização da Travessia Petrópolis a Teresópolis?

Sim, por favor!
Isto é importante porque evita eventuais esforços em buscas e facilita o controle de entrada e saída de pessoas do Parque.

16► Há algum ponto comercial na rota da Travessia Petrópolis a Teresópolis?

Não.
Por isso leve seus alimentos, suficientes para a realização da rota no modo planejado.

17► Há sinal de telefonia móvel na rota da Travessia Petrópolis a Teresópolis?

Sim.
Porém de algumas operadoras e em alguns pontos, principalmente no início e final da Travessia.
No alto da serra não há sinal constante.
Mas por favor, não vá afiançado nesses sinais; normalmente são inconstantes!

18► Há rotas de fuga pela Travessia Petrópolis a Teresópolis?

Não.
Partindo de Teresópolis, a opção é o retorno se estiver nas proximidades do Açu. Partindo de Teresópolis, a opção é o retorno se estiver nas proximidades do Sino. Estando em um ponto central é necessário avaliar o motivo da interrupção da caminhada para definir qual sentido se deslocar.

19► Como proceder em casos de acidentes graves durante a Travessia Petrópolis a Teresópolis?

Primeiro se acalmar a si próprio. Segundo acalmar e socorrer a vítima. Terceiro, tentar se comunicar com o Parque e com o Corpo de Bombeiros visando eventual resgate.
Pode ser que tenha que amparar e deslocar com a vítima até algum ponto mais acessível. Portanto, procure estudar e conhecer um pouco de primeiros socorros, não somente para esta, mas para a realização de qualquer atividade em meio natural.

20► Há outros atrativos no Parnaso além da própria Travessia Petrópolis a Teresópolis?

Sim.
Nos pontos mais baixos do Parque encontram-se espalhados pelos arredores das Portarias Petrópolis, Teresópolis e Guapimirim. São cachoeiras, poços e trilhas de curta distância; além é claro de alguns picos tidos como ícones do montanhismo brasileiro; em especial na Sede Teresópolis, que é a maior e mais bem estruturada de todo o Parque.

Na parte alta do Parque e com acesso partindo da trilha principal da Travessia está o Portal de Hércules, com início à direita a partir do Morro do Marco. É uma trilha pouco utilizada com final próximo a precipício, por isso recomenda-se cautela. Possibilita visual marcante da Serra dos Órgãos. Já o acesso ao Morro da Cruz dá-se a partir das proximidades do Castelo do Açu através de curta trilha marcada pelo pisoteio. E para visitar o topo da Pedra do Sino há um curto trecho de trilha marcada pelo pisoteio a partir da trilha principal Açu-Sino (ou Sino-Açu no sentido contrário da Travessia) após a subida (ou antes da descida, no sentido contrário da Travessia) da Canaleta da Pedra do Sino. Percorre alguns lajeados que não oferecem dificuldades. Ainda na parte alta há outros pontos interessantes que podem ser atingidos por trilhas, como o Papudo, Garrafão, Simon etc etc.

Além destes atrativos, em vários pontos do Parque há diversas vias de escaladas.

▬ ▬ ▬ ▬ ▬ ▬ ▬

►Importante

► Estas 20 perguntas são referentes àquelas dúvidas que recebo com mais frequência. Se tiver alguma dúvida não abordada por aqui, por favor, mantenha contato.

► Leia o relato da Travessia Petrópolis a Teresópolis realizada em 3 dias.

► Leia o relato da Travessia Petrópolis a Teresópolis realizada em 2 dias.

► Confira mais informações sobre o Parque Nacional da Serra dos Órgãos na página do ICMBIO, clique AQUI


Bons ventos, boas trips!

Navegação Manual

FAQ