Pular para o conteúdo principal

Os incêndios nossos de cada ano... É desanimador!

Área do ParnaCipó atingida por queimadas em 2014:
Recuperação lenta e perda incalculável...
Todos os anos durante a sua estação mais seca as notícias são sempre as mesmas: incêndios devoram áreas imensas de particulares e também de Unidades de Conservação UC's em Minas Gerais e no Brasil. Já entrou para o rol das notícias clássicas dos meios de comunicação nessa época do ano. Lamentos, pedidos de socorro, imagens bizarras e mais um sem número de fatos chegam ao conforto das nossas casas através dos nossos modernos smartphones. É uma choradeira triste e sem fim robustecida pela velocidade da internet! Porém, passado o ápice das ocorrências tudo volta à normalidade! Uma chuvinha aqui e outra acolá se encarrega de extinguir as últimas faíscas que escaparam da labuta de brigadistas e voluntários; dispersam a fumaça dos incêndios e espalham a falsa ideia de tranquilidade em campos e cidades... E assim, como que num fingimento treinado e combinado tudo e todos ficamos bonitos e vamos levando na maré mansa; à espera do replay no ano próximo... Haveria culpados?

É claro que este mundo é muito grande para haver culpado único pelos incêndios que assolam Minas e o Brasil na época mais seca do ano; todos os anos. Sabe-se que alguns desses incêndios tem causas naturais. Mas a maioria deles tem origem e causa em ações equivocadas, descuidadas ou criminosas do homem. Mas no Brasil surgiu e cresce a cada ano a cultura da ausência total de culpabilidade perante os diversos fatos e ocorrências. É assim na educação deficitária, na saúde inoperante, na violência crescente... Ninguém tem a ombridade de assumir sua parcela culposa e tornamos todos uma horda de Pilatos! E não poderia ser diferente na área ambiental, em especial frente aos grandes incêndios em áreas naturais. Porém, sem eximir a parcela de culpa de uma sociedade isolada, deseducada e inerte, sem receios pode-se afirmar que os governos (e suas estruturas) são os principais culpados pelos grandes incêndios que se repetem a cada ano no País como se fossem datas comemorativas!

Veja reportagem do jornalístico MG TV, da TV Globo Minas; Clique Aqui
A reportagem deixa clara a incompetência dos nossos governantes;e das suas significativas parcelas culposas; mesmo em casos mais simples.E isto é apenas uma amostra do que acontece Brasil afora!

No âmbito particular, os governos não tiveram e não tem a competência de informar e formar cidadãos e agricultores conscientes; e nem ao menos fomentar essa formação! Os pequenos agricultores em sua maioria de origem humilde e sem cash na mão, quase sempre pela ignorância agrária ainda utilizam o fogo para limpar pastagens e preparar a terra para cultivo de subsistência; algo como um de 'volta ao passado' de séculos atrás! Aonde estão os órgãos públicos encarregados de esclarecer e apresentar novas (quer dizer velhas) técnicas agrícolas a estes sofridos cidadãos, cujo Estado é a sua última esperança? E aonde estão os órgãos públicos formadores e fiscalizadores encarregados de educar, investigar e punir àqueles que, mesmo sabendo dos riscos do fogo insistem em empregá-lo; seja de modo descuidado, criminoso, ou lucrativo?

No âmbito das UC's a situação é ainda mais grave. O que esperar de governos que há 20, 30, 40 ou até mais anos não conseguem nem ao menos realizar a tão falada regularização fundiária das áreas protegidas; e muitas vezes tratam (ex)moradores ou vizinhos com desdém? Sejamos realistas; as UC's no Brasil, sejam federais, estaduais ou municipais estão em frangalhos. Falta tudo: de clips a enxadas; de veículos a arcaicos abafadores; de material de limpeza a equipamentos de EPI... além de uma elevada dose de responsabilidade! E ainda falta mão de obra, em qualidade e quantidade. Quer prova maior do descaso dos governos para com as UC's? Se nem para edificar uma cerca os governos são capazes, esperar que possam desenvolver ações eficazes para prevenir e debelar incêndios é querer demais...

Os casos da escassez de mão de obra nas UC's; bem como de profissionais bombeiros; ou ainda de incentivos à formação de brigadas anti-incêndios por parte dos governos são casos que 'clamam aos céus'! Assim, frente às emergências governos e chefias ecoam desesperados gritos de socorros a voluntários; que em sua maioria são pessoas sem formação adequada seja para frente de batalha; seja para a elaboração e efetivação de planos emergenciais de combates aos incêndios. A busca por voluntários chega a ser ridícula; muitas vezes com apelos sentimentais e raramente profissionais; algo absolutamente improvisado! Sabemos que voluntariado é um ato nobre e digno de louvor; porém seu emprego deve ser criterioso e cuidadoso, de modo a oferecer todos os recursos materiais necessários e evitar desmotivar os envolvidos; muito menos colocar suas vidas em risco! 

Com raríssimas exceções, pode-se afirmar categoricamente que por essas e por outras tantas mais, não há por parte dos governos planos de ações de prevenção e combate a incêndios que sejam sérios e eficazes; sejam em UC's e nos seus arredores; sejam em áreas particulares! Se houvessem não ocorreriam incêndios como os que vimos em vários pontos de Minas e do Brasil até o momento! Mas temos que ter fé! Há de chegar o dia em que governantes e seus gestores subordinados venham a público para assumir suas culpas, suas grandes culpas; suas máximas culpas; e se livrem de assessores maquiavélicos e burocratas sem utilidades! Porém, para nos entristecer ainda mais, há uma última e clamorosa constatação: Baseado no quadro e situação atuais, lamentavelmente esse tão desejado dia parece estar distante... Como dizem os sábios matutos do interior, é de "desacorçoar" qualquer um! Enquanto isso, aguardemos o ano que vem...


Bons ventos a todos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.