Pular para o conteúdo principal

Os incêndios nossos de cada ano... É desanimador!

Área do ParnaCipó atingida por queimadas em 2014: Recuperação lenta e perda incalculável...
Durante a estação mais seca em todos os anos as notícias são sempre as mesmas: incêndios devoram áreas imensas de particulares e de Unidades de Conservação em Minas Gerais e no Brasil. Já entrou para o rol das notícias clássicas dos meios de comunicação nessa época do ano. Lamentos, pedidos de socorro, imagens bizarras e mais um sem número de fatos chegam ao conforto das nossas casas através dos nossos modernos smartphones. É uma choradeira triste e sem fim robustecida pela velocidade da internet!

Porém, passado o auge das ocorrências tudo volta à normalidade! Uma chuvinha aqui e outra acolá se encarrega de extinguir as últimas faíscas que escaparam da labuta de brigadistas e voluntários; dispersam a fumaça dos incêndios e espalham a falsa ideia de tranquilidade nos campos e nas cidades... E assim, como que num fingimento treinado e combinado tudo e todos ficamos bonitos e vamos levando na maré mansa; à espera do replay no ano próximo... Haveriam culpados?

É claro que este mundo é muito diverso para haver culpado único pelos incêndios que assolam Minas e o Brasil na época mais seca do ano; todos os anos. Sabe-se que alguns desses incêndios tem causas naturais. Mas a maioria deles tem origem e causa em ações equivocadas, descuidadas ou criminosas do homem.

Mas no Brasil surgiu e cresce a cada ano a cultura da ausência total de culpabilidade perante os diversos fatos e ocorrências. É assim na educação deficitária, na saúde inoperante, na violência crescente... Ninguém tem a ombridade de assumir sua parcela culposa e tornamos todos uma horda de Pilatos!

E não poderia ser diferente na área ambiental, em especial frente aos grandes incêndios em áreas naturais. Porém, sem eximir a parcela de culpa de uma sociedade isolada, deseducada e inerte; sem receios pode-se afirmar que os governos (e suas estruturas) são os principais culpados pelos grandes incêndios que se repetem a cada ano no País como se fossem datas comemorativas!

Veja reportagem do jornalístico MG TV, da TV Globo Minas; Clique Aqui
A reportagem deixa clara a incompetência dos nossos governantes;e das suas significativas parcelas culposas; mesmo em casos mais simples.E isto é apenas uma amostra do que acontece Brasil afora!

No âmbito particular, os governos não tiveram e não tem a competência de informar e formar cidadãos e agricultores conscientes; e nem ao menos fomentar essa formação! Os pequenos agricultores em sua maioria de origem humilde e sem cash na mão, quase sempre pela ignorância agrária ainda utilizam o fogo para limpar pastagens e preparar a terra para cultivo de subsistência; algo como um de 'volta ao passado' de séculos atrás!

Aonde estão os órgãos públicos encarregados de esclarecer e apresentar novas (quer dizer velhas) técnicas agrícolas a estes sofridos cidadãos, cujo Estado constitui a sua última esperança? E aonde estão os órgãos públicos formadores e fiscalizadores encarregados de educar, investigar e punir àqueles que, mesmo sabendo dos riscos do fogo insistem em empregá-lo; seja de modo descuidado, criminoso, ou lucrativo?

No âmbito das UC's a situação é ainda mais grave. O que esperar de governos que há 20, 30, 40 ou até mais anos não conseguem nem ao menos realizar a tão falada regularização fundiária das áreas protegidas? E o que dizer daqueles gestores de UC's que personalizam os governos localmente; e muitas vezes tratam (ex)moradores ou vizinhos com desdém?

Sejamos realistas; as UC's no Brasil, sejam federais, estaduais ou municipais estão em frangalhos. Falta tudo: de clips a enxadas; de veículos a arcaicos abafadores; de material de limpeza a equipamentos de EPI... além de uma elevada dose de responsabilidade! E ainda falta mão de obra, em qualidade e quantidade.

Os casos da escassez de mão de obra nas UC's; bem como de profissionais bombeiros; ou ainda de incentivos à formação de brigadas anti-incêndios por parte dos governos são casos que 'clamam aos céus'! Assim, frente às emergências governos e seus representantes nas UC's ecoam desesperados gritos de socorros a voluntários; que em sua maioria são pessoas sem formação adequada seja para frente de batalha; seja para a elaboração e efetivação de planos emergenciais de combates aos incêndios.

A busca por voluntários chega a ser ridícula; muitas vezes com apelos sentimentais e raramente profissionais; algo absolutamente improvisado! Sabemos que voluntariado é um ato nobre e digno de louvor; porém seu emprego deve ser criterioso e cuidadoso, de modo a oferecer todos os recursos materiais necessários e evitar desmotivar os envolvidos; muito menos colocar vidas em risco! 

Com raríssimas exceções, pode-se afirmar categoricamente que por essas e por outras tantas mais, não há por parte dos governos planos de ações de prevenção e combate a incêndios que sejam sérios e eficazes; sejam em UC's e nos seus arredores; sejam em áreas particulares! Se houvessem não ocorreriam incêndios como os que vimos em vários pontos de Minas e do Brasil ao longo dos anos!

Mas temos que ter fé! Há de chegar o dia em que governantes e seus gestores subordinados venham a público para assumir suas culpas, suas grandes culpas; suas máximas culpas; e se livrem de assessores maquiavélicos e burocratas sem utilidades! Porém, para nos entristecer ainda mais, há uma última e clamorosa constatação: Baseado no quadro e situação atuais, lamentavelmente esse tão desejado dia parece estar distante... Como dizem os sábios matutos do interior, é de "desacorçoar" qualquer um! Enquanto isso, aguardemos o ano que vem...

Bons ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…

Alto Palácio a Serra dos Alves: Conheça a primeira Travessia Oficial do ParnaCipó

Localizado a aprox. 100 km ao norte de Belo Horizonte, Minas Gerais, o Parque Nacional da Serra do Cipó foi criado em setembro de 1984. Desde então a Unidade recebeu algumas benfeitorias e ações, como uma nova sede mais próxima ao Distrito da Serra do Cipó, portarias e a abertura à visitação de alguns dos seus muitos atrativos naturais; além é claro de ações reguladoras.

Conquistou importante posição no âmbito da pesquisa; bem como grande número de visitantes que a cada ano procuram conhecer e desfrutar das suas belezas naturais. Como uma área de beleza singular, desde há muito tempo o sonho de conhecê-lo de forma mais aprofundada através da realização de travessias nunca deixou as cabeças de muitos montanhistas; pois como sabemos, é à pé que verdadeiramente se conhece um lugar. Porém, foram necessárias mais de três décadas de espera para que este sonho começasse a se tornar realidade...

Atualização Agosto 2017:
As reservas para esta Travessia passaram a ser feitas através do ECOBOOKIN…