Pular para o conteúdo principal

Transmantiqueira: Conhecendo a Mantiqueira

O Complexo da Mantiqueira
Localizado na região Sudeste do Brasil, o Complexo da Serra da Mantiqueira abrange áreas dos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. Com várias serras de denominações locais, mais da metade do complexo encontra-se no Estado de Minas Gerais; resultando no conhecido "mar de morros" do Sul de Minas. Tem direção predominante Sudoeste-Nordeste (SW-NE) e separa o Vale do Rio Paraíba paulista e fluminense do Planalto Sul Mineiro, dominado pela Bacia do Rio Grande. Tem como extremidade oeste-sudoeste a região de Atibaia-Extrema, na divisa de São Paulo e Minas Gerais; e leste-nordeste na região de Barbacena e arredores, também em Minas Gerais. De modo ampliado, ramifica-se em direção ao leste de Minas Gerais, atingindo a região da Serra do Brigadeiro.


Confira as postagens da Série Transmantiqueira clicando nos links:
2 ► Transmantiqueira: Conhecendo a Serra da Mantiqueira (Este)
3 ► A Transmantiqueira (em breve)
4 ► A 'nossa' Transmantiqueira (em breve)
5 ► Diário: De Piquete à Passa Quatro: Marins-Itaguaré (em breve)
6 ► Diário: De Passa Quatro à Garganta do Registro: Serra Fina (em breve)
7 ► Diário: Da Garganta do Registro à Itatiaia: Ruy Braga (em breve)
8 ► Considerações Finais


O Quadro Natural

A Pedra do Picu em Itamonte, MG: há 3 séculos referenciando uma região
A Mantiqueira possui relevo movimentado, com encostas escarpadas e grandes desníveis altimétricos. A altitude média situa-se entre 1.000 e 1.600m (IBGE), cujo ponto culminante é a Pedra da Mina, com 2.789m (IBGE). As extremidades sudoeste e nordeste são mais baixas, porém é na sua região central que se encontram as maiores serras e elevações.

Destaque para as regiões da Serra Fina e do Planalto de Itatiaia. Por ali estão além da Pedra da Mina, o Pico dos Marins; o Pico do Itaguaré; o Pico dos Três Estados; o Pico do Itatiaiuçu; o Morro do Couto; a Pedra do Sino de Itatiaia; todos entre os mais elevados do Brasil. Também destacam as Prateleiras; a Pedra do Picu; o Pico do Papagaio; todos curiosos por suas formações rochosas; além do Alto do Capim Amarelo; o Pico do Garrafão e a Mitra do Bispo, formações elevadas e curiosamente discretas. Grande parte desses acidentes geográficos são referências não somente para o Montanhismo; mas são marcos históricos da região e referências desde a época das Bandeiras.

Mata de Araucárias no PE Serra do Papagaio, em Baependi, MG
Quanto a vegetação, predominam na região a mata atlântica e os campos de altitude; com reminescências de matas de araucárias. Já o clima é o tropical de altitude; com duas estações bem definidas: chuvosa de outubro a março; e seca de abril a setembro; sendo comum a ocorrência de geadas no inverno; e tempestades no verão.

Hidrograficamente margeiam ou serpenteiam a Mantiqueira dois grandes rios, o Paraíba do Sul nos lados paulista e fluminense; e o Rio Grande na porção sul mineira. Há porém, uma infinidade de outros cursos d'água menores; fato que segundo historiadores influenciou no batismo da região. Na língua Tupi, os primeiros habitantes da Mantiqueira, a região era chamada de Amantikir; que conforme os linguistas significa a serra que chora!


A ocupação

O processo de ocupação 'recente' da Mantiqueira deu-se à medida que as conhecidas Bandeiras avançavam para o interior do País, sobretudo quando da descoberta do ouro na região das Minas em fins do século XVII e com maior intensidade no século XVIII. É dessa época a origem da maioria das atuais cidades da região. Sendo uma região de passagem e de posição geográfica estratégica, fortaleceram desde então as fazendas de suprimentos; com destaque para a produção leiteira e do café. Essa característica econômica rural persiste até os dias atuais, especialmente em Minas Gerais. Já a partir da segunda metade do século XX desenvolveu-se grandes áreas industriais nos arredores da Mantiqueira, em especial no Estado de São Paulo; fato também observado mais recentemente em alguns pontos do sul de Minas e fluminense.

Nos pontos mais isolados é comum encontrar hábitos peculiares
Estratégica no passado e no presente, atualmente circula na região da Mantiqueira grande percentual do PIB brasileiro, sendo o coração das três maiores regiões metropolitanas do País (SP - RJ - BH). Calcula-se que aproximadamente mais de 1/4 da população brasileira vivam em áreas de influência direta ou indireta da Mantiqueira!

Apesar desse aspecto cosmopolita, a região ainda guarda fortes contrastes, que vão desde a esse frisson desenvolvimentista de médias e grandes cidades com todas as suas problemáticas; até a vida pacata das pequenas localidades; chegando até mesmo ao relativo isolamento nas áreas montanhosas. Fatos pitorescos do cotidiano, modas e modos rurais de períodos mais antigos ainda são rotineiros, especialmente em pequenos municípios de Minas Gerais. 


O Sistema de Proteção

Região de riqueza ambiental incalculável, a Mantiqueira abriga diversas espécies relevantes da fauna e flora brasileira; sendo que algumas áreas são consideradas reservas da biosfera. Devido a essa importância, a região concentra diversas áreas de proteção, dentre APA's; RPPN's; Florestas e Parques Nacionais, Estaduais e Municipais, totalizando mais de 1 milhão de hectares de áreas protegidas ou com restrições de uso. Destaques para o Parque Nacional do Itatiaia (MG e RJ) e o Parque Estadual da Serra do Papagaio (MG); que são as maiores áreas de proteção permanentes na região; além da Floresta Nacional de Passa Quatro (MG); importante pelo seu significado histórico e de proteção à Floresta de Araucária. Apesar de poucas referências, poderíamos acrescentar como integrantes da Mantiqueira o Parque Estadual do Ibitipoca e o Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, duas importantes unidades de conservação localizadas no extremo norte/nordeste da Mantiqueira, também em Minas Gerais.

Paisagem de Alagoa e Aiuruoca, MG
Mesmo com todas estas áreas protegidas, a região da Mantiqueira ainda sofre intensamente as consequências da sua ocupação desordenada durante mais de três séculos. Isto fez com que se perdessem grandes áreas de cobertura vegetal, reduzindo e isolando populações de animais e vegetais.

Desde fins dos anos 90, alguns estudos vem sendo realizados na intenção de interligar de modo protegido as diversas UC's já existentes. O reconhecimento do Mosaico da Mantiqueira é um dos resultados desses estudos. Há ainda projetos e ações de reflorestamento de sucessos, como aquele atualmente desenvolvido na região de Extrema (MG). Porém, apesar de alguns resultados positivos, estes ainda são pontuais. Na prática há ainda muito que se fazer. Conciliar fatores e interesses econômicos, culturais, históricos e ambientais de uma região tão complexa como a Mantiqueira não é tarefa fácil!

É neste complexo cenário natural, social e econômico que reina absoluta a Mantiqueira. É grandiosa natural e culturalmente! Por tudo isto pode-se considerar natural que a Mantiqueira tenha se tornado o mais importante centro do Montanhismo no Brasil. Num panorama desses, referir-se à existência de um "Mundo Mantiqueira" não soaria nada absurdo...


Bons ventos a todos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.