Pular para o conteúdo principal

Transmantiqueira: Primeiros Passos

Vista parcial da Rota Clássica da 'Transmantiqueira'
Não se sabe ao certo, pelo menos de nossa parte, como surgiu o emprego do nome Transmantiqueira para denominar a realização de caminhadas de longo curso pela Serra da Mantiqueira. Este trekking ampliado, seja de forma completa ou parcial, é realizado fazendo uso de variadas trilhas e estradinhas existentes na Serra da Mantiqueira desde há muito tempo. Sim, trata-se de um nome pomposo; porém à altura da grandiosidade e significado desse conglomerado de serras localizado no sudeste brasileiro; no limite dos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro...



Apesar da pompa nominal, até o presente não existe uma Rota Oficial da chamada Transmantiqueira; quer seja um ponto de partida; quer seja um ponto final; ou mesmo quais variantes a utilizar. Há apenas esboços e algumas unanimidades. Ocorre que, para se afirmar que realizou a Transmantiqueira seria necessário percorrê-la desde a região de Atibaia, em SP; até pelo menos a região de Barbacena, em MG. Então, até o momento, a única certeza quando se fala em Transmantiqueira é na constatação de que pouquíssimos caminhantes no Brasil ousou realizá-la, mesmo que parcialmente. E devido a esta oficiosidade e pouca prática, sabe-se que cada caminhante que parcialmente a realizou procurou traçar sua própria rota e empregar o seu próprio estilo!

O amigo de longa data EduPontes nas pirambas da Maringuaré
E foi isto que eu e meu amigo paulista EduPontes fizemos na segunda quinzena do mês de agosto de 2015. Estabelecemos nosso próprio plano, com o trecho-rota a percorrer conforme o tempo que dispúnhamos; e conforme nossa visão em relação à essa Grande Rota. Empregamos o estilo trekking tradicional em uma caminhada de Piquete à Itatiaia, percorrendo as travessias Marins-Itaguaré, Serra Fina, Rui Braga e suas respectivas ligações por estradinhas, um trecho que sem dúvidas é fundamental e o mais empolgante do que seria a Transmantiqueira.

Durante 9 dias percorremos totalmente à pé aproximadamente 130 km. Num primeiro momento parece-nos muito pouca quilometragem diária; mas levamos em consideração o desejo por fazer esse trecho sem pressa, aproveitando os momentos e curtindo o trajeto. Fizemos então o que chamamos de Rota Clássica ou Rota Alta da Mantiqueira; que seria uma parcial da Transmantiqueira em seu trecho mais expressivo. Foi a primeira parte de um projeto que visa percorrer a Mantiqueira no estilo trekking tradicional desde a região de Atibaia até as proximidades de Barbacena.

Um dos 8 por do sol que presenciamos...
Por todos aqueles dias pudemos desfrutar das grandes montanhas centrais da Mantiqueira no seu modo mais genuíno. As condições climáticas foram amistosas: caminhamos sob tempo firme por todo o percurso! A única ameaça de chuva foi quando estávamos na Pedra da Mina!

A temperatura também esteve agradável; apesar de estarmos em pleno inverno! A noite mais fria foi aquela que passamos no Abrigo Massena, no Parque Nacional do Itatiaia; porém nada extremo! Ademais, os ângulos diversos das conhecidas montanhas; os desfiladeiros, a vegetação típica; as noites límpidas ou parcialmente nubladas; nascer e por do sol... Tudo foi incrivelmente bonito!

Conhecemos novos aventureiros; reencontramos outros... Lembro-me de cada um que de algum modo nos ajudou pelo trajeto; ou do aceno dos moradores locais; ou ainda o espanto de outros... Apesar de conhecer bem a Mantiqueira, foi um período de incrível aprendizado! Uma comprovação do que afirmamos há muito tempo: "a cada volta em um lugar haverá sempre algo novo; basta estar de coração aberto"...

Visando melhor compreensão, publicaremos uma série de postagens sobre a região e nossa realização parcial da Transmantiqueira. Apesar da caminhada ter acontecido a 1 ano e meio atrás, achamos oportuno publicar estes relatos. Visa demonstrar que não é necessário possuir equipamentos de última geração; ou algo extraordinário para realizá-la; algo que pode ser compensado com um pouco mais de disposição! Desse modo torcemos para que no futuro mais pessoas possam se animar e realizar este trekking; mesmo que parcialmente; e desse modo contribuir para uma Oficialização da Rota.


Confira as postagens da Série Transmantiqueira clicando nos links:

1 ► Transmantiqueira: Primeiros Passos (Este)
3 ► A Transmantiqueira (em breve)
4 ► A 'nossa' Transmantiqueira (em breve)
5 ► Diário: De Piquete à Passa Quatro: Marins-Itaguaré (em breve)
6 ► Diário: De Passa Quatro à Garganta do Registro: Serra Fina (em breve)
7 ► Diário: Da Garganta do Registro à Itatiaia: Ruy Braga (em breve)
8 ► Considerações Finais


Bons ventos a todos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…

Alto Palácio a Serra dos Alves: Conheça a primeira Travessia Oficial do ParnaCipó

Localizado a aprox. 100 km ao norte de Belo Horizonte, Minas Gerais, o Parque Nacional da Serra do Cipó foi criado em setembro de 1984. Desde então a Unidade recebeu algumas benfeitorias e ações, como uma nova sede mais próxima ao Distrito da Serra do Cipó, portarias e a abertura à visitação de alguns dos seus muitos atrativos naturais; além é claro de ações reguladoras.

Conquistou importante posição no âmbito da pesquisa; bem como grande número de visitantes que a cada ano procuram conhecer e desfrutar das suas belezas naturais. Como uma área de beleza singular, desde há muito tempo o sonho de conhecê-lo de forma mais aprofundada através da realização de travessias nunca deixou as cabeças de muitos montanhistas; pois como sabemos, é à pé que verdadeiramente se conhece um lugar. Porém, foram necessárias mais de três décadas de espera para que este sonho começasse a se tornar realidade...

Atualização Agosto 2017:
As reservas para esta Travessia passaram a ser feitas através do ECOBOOKIN…