Pular para o conteúdo principal

Transmantiqueira: Primeiros Passos

Vista parcial da Rota Clássica da 'Transmantiqueira'
Não se sabe ao certo, pelo menos de nossa parte, como surgiu o emprego do nome Transmantiqueira para denominar a realização de caminhadas de longo curso pela Serra da Mantiqueira. Este trekking ampliado, seja de forma completa ou parcial, é realizado fazendo uso de variadas trilhas e estradinhas existentes na Serra da Mantiqueira desde há muito tempo. Sim, trata-se de um nome pomposo; porém à altura da grandiosidade e significado desse conglomerado de serras localizado no sudeste brasileiro; no limite dos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro...



Apesar da pompa nominal, até o presente não existe uma Rota Oficial da chamada Transmantiqueira; quer seja um ponto de partida; quer seja um ponto final; ou mesmo quais variantes a utilizar. Há apenas esboços e algumas unanimidades. Ocorre que, para se afirmar que realizou a Transmantiqueira seria necessário percorrê-la desde a região de Atibaia, em SP; até pelo menos a região de Barbacena, em MG. Então, até o momento, a única certeza quando se fala em Transmantiqueira é na constatação de que pouquíssimos caminhantes no Brasil ousou realizá-la, mesmo que parcialmente. E devido a esta oficiosidade e pouca prática, sabe-se que cada caminhante que parcialmente a realizou procurou traçar sua própria rota e empregar o seu próprio estilo!

O amigo de longa data EduPontes nas pirambas da Maringuaré
E foi isto que eu e meu amigo paulista EduPontes fizemos na segunda quinzena do mês de agosto de 2015. Estabelecemos nosso próprio plano, com o trecho-rota a percorrer conforme o tempo que dispúnhamos; e conforme nossa visão em relação à essa Grande Rota. Empregamos o estilo trekking tradicional em uma caminhada de Piquete à Itatiaia, percorrendo as travessias Marins-Itaguaré, Serra Fina, Rui Braga e suas respectivas ligações por estradinhas, um trecho que sem dúvidas é fundamental e o mais empolgante do que seria a Transmantiqueira.

Durante 9 dias percorremos totalmente à pé aproximadamente 130 km. Num primeiro momento parece-nos muito pouca quilometragem diária; mas levamos em consideração o desejo por fazer esse trecho sem pressa, aproveitando os momentos e curtindo o trajeto. Fizemos então o que chamamos de Rota Clássica ou Rota Alta da Mantiqueira; que seria uma parcial da Transmantiqueira em seu trecho mais expressivo. Foi a primeira parte de um projeto que visa percorrer a Mantiqueira no estilo trekking tradicional desde a região de Atibaia até as proximidades de Barbacena.

Um dos 8 por do sol que presenciamos...
Por todos aqueles dias pudemos desfrutar das grandes montanhas centrais da Mantiqueira no seu modo mais genuíno. As condições climáticas foram amistosas: caminhamos sob tempo firme por todo o percurso! A única ameaça de chuva foi quando estávamos na Pedra da Mina!

A temperatura também esteve agradável; apesar de estarmos em pleno inverno! A noite mais fria foi aquela que passamos no Abrigo Massena, no Parque Nacional do Itatiaia; porém nada extremo! Ademais, os ângulos diversos das conhecidas montanhas; os desfiladeiros, a vegetação típica; as noites límpidas ou parcialmente nubladas; nascer e por do sol... Tudo foi incrivelmente bonito!

Conhecemos novos aventureiros; reencontramos outros... Lembro-me de cada um que de algum modo nos ajudou pelo trajeto; ou do aceno dos moradores locais; ou ainda o espanto de outros... Apesar de conhecer bem a Mantiqueira, foi um período de incrível aprendizado! Uma comprovação do que afirmamos há muito tempo: "a cada volta em um lugar haverá sempre algo novo; basta estar de coração aberto"...

Visando melhor compreensão, publicaremos uma série de postagens sobre a região e nossa realização parcial da Transmantiqueira. Apesar da caminhada ter acontecido a 1 ano e meio atrás, achamos oportuno publicar estes relatos. Visa demonstrar que não é necessário possuir equipamentos de última geração; ou algo extraordinário para realizá-la; algo que pode ser compensado com um pouco mais de disposição! Desse modo torcemos para que no futuro mais pessoas possam se animar e realizar este trekking; mesmo que parcialmente; e desse modo contribuir para uma Oficialização da Rota.


Confira as postagens da Série Transmantiqueira clicando nos links:

1 ► Transmantiqueira: Primeiros Passos (Este)
3 ► A Transmantiqueira (em breve)
4 ► A 'nossa' Transmantiqueira (em breve)
5 ► Diário: De Piquete à Passa Quatro: Marins-Itaguaré (em breve)
6 ► Diário: De Passa Quatro à Garganta do Registro: Serra Fina (em breve)
7 ► Diário: Da Garganta do Registro à Itatiaia: Ruy Braga (em breve)
8 ► Considerações Finais


Bons ventos a todos!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.