Pular para o conteúdo principal

Vestuário: como se vestir pelas trilhas no Brasil

Tabelinha prática do Vestuário para Trilhas no Brasil
O vestuário é um item democrático nas trilhas. Modelitos variados e infinitos detalhes fazem parte do cotidiano dos caminhantes. Naturalmente, com o passar do tempo e a experiência individual, cada um estabelece o seu estilo. Por isso, é muito comum depararmos com diferenças nesse quesito, desde aqueles aventureiros mais espartanos até aqueles assumidamente fashion e que não dispensam “a última moda", mesmo no mato!

Embora na prática o aspecto visual tenha pouca influencia; o mais importante a se observar quando referimos ao vestuário é a sua capacidade em facilitar a vida do aventureiro. E isto está ligado diretamente aos seus objetivos, que obviamente determina por quais regiões irá se aventurar.

De um modo geral, o mercado do vestuário para os aventureiros caracteriza-se pelo uso de materiais diversos, desde os mais simples até aqueles altamente tecnológicos, frutos de anos de pesquisas em laboratórios de grandes empresas. Independente disso, apresentam objetivos comuns: o bem estar dos usuários conforme seus objetivos.

Seguem a tendência da praticidade e do conforto, aspectos importantes para aqueles que normalmente tem pouco tempo para dispensar às suas roupas quando estão em ação. É o tão falado conceito easy care aplicado aos tecidos e ao vestuário (easy care = do inglês, literalmente significa ‘de cuidado fácil’)! 

Sem me apegar à terminologia técnica dos tecidos, que é bastante variada e cansativa para quem não seja especialista da área, procurarei descrever as principais peças básicas do vestuário de aventuras, suas finalidades e a tendência geral de vestimenta indicada para o clima brasileiro.

Para facilitar a leitura e o entendimento, relacionamos no quadro que ilustra a postagem os tipos básicos de vestuário com o clima; pois são as condições climáticas o principal fator que determina o que e como o aventureiro se vestirá; ou quais peças do vestuário levará consigo. Na sequência, irei descrever de modo mais simples as principais peças lançadas no quadro; além de opinar sobre cada uma delas.

Descrevendo as peças apresentadas no quadro

Calça para Trekking:
Aqui reina a democracia é a regra é única: essa peça deve ser de tecido sintético, porque estes são leves, pouco volumosos e possibilitam secagem rápida. Algumas variações são permitidas, como a presença parcial do tecido cordura. A cordura (que foi inventado pela Dupont muitos anos atrás) é um tecido mais grosso e resistente à abrasão e é indicado para uso em áreas em que se torna-se impossível evitar o atrito, seja em rochas ou em ambientes com vegetação ‘nervosa’ e espinhosa (caatinga, por exemplo). Quanto ao modelos das calças, estes são variáveis; desde aqueles mais "clean” até aqueles repletos de bolsos; com modelagens diversas.

Nossa opinião: 
Aqui vale experimentar; se você for mais fashion poderá adquirir modelos último grito em Paris; ou se é mais espartano, poderá então adquirir aquelas simples peças de lojas de comércio popular. Só não vale ir de calça jeans; pois o jeans não é confortável para caminhadas; além de pesado; caso venha a se molhar tornará um problema sério! Por outro lado, não entendo porque muitas marcas colocam aquela variedade de bolsos nas calças para trekking, afinal caminhar com itens nos bolsos, além de correr o risco destes ficarem pela trilha, é pra lá de desconfortável! Para carregar tralhas existem as mochilas. Quanto à calça de cordura, particularmente não gosto, especialmente aquelas 100% cordura, pois o tecido é grosso e limita os movimentos.

Camiseta ou camisa:
A regra é adquirir aquelas de tecido sintético, que secam rápido e resultam em pouco volume. Uma dica são aquelas de tecido tipo dry (dry = do inglês, significa secar; conceito aplicado aos tecidos, significa aqueles que secam rapidamente). Atualmente há disponível no mercado brasileiro uma linha tecnológica de tecidos para camisetas, inclusive com tratamento antibacteriano, que evitam por um tempo a presença de odores indesejáveis; além de apresentarem fator de proteção solar. Apesar de um pouco mais caras, vale a pena investir nestas peças. Prefira aquelas com mangas longas, pois protegem do sol e eventuais ranhuras causadas pela vegetação. Prefiram também aquelas que não possuem costuras nos ombros, pois as costuras favorecem o atrito com as alças das mochilas, podendo causar lesões. Por outro lado, as camisetas podem ser substituídas por camisas, que podem ser encontradas no mercado com tecidos também tecnológicos. Mas a opção por camiseta ou camisa é um gosto pessoal e não influenciam no resultado final!

Nossa opinião: 
Há coisas que são como sabão em pó: não vale a pena ficar inventando moda. Invista logo em uma peça específica, tecnológica e estamos conversados. Não que não possa caminhar com a camisa da pelada do fim de semana; mas vai por mim, não invente moda. E vá sempre de manga longa! Não irá se arrepender!

Segunda Pele:
A segunda pele ou a chamada Base Layer ( do inglês, literalmente significa a camada base) é uma peça importante e até comum no trekking; mas não é raro se fazer uma confusão com o Underwear Polar. Esclareço: enquanto a primeira tem a função de levar para fora a transpiração, mantendo a temperatura corporal; o segundo além de cumprir a função da transpiração, possui a capacidade de aquecer o corpo. Portanto tratam de peças com tecidos diferentes e o Underwear Polar é mais utilizado em temperaturas extremas. Quanto ao material, as principais composições dos base layer são o poliéster ou o polipropileno (como o Coolmax®), que são tecidos leves e de secagem rápida. Para os underwear normalmente são confeccionados em Power Stretch® (criação da Polartec); ou de outro material similar. Estas peças são feitas para serem usadas sobre a pele, embaixo da calça e/ou camisa/camiseta de trekking. Compõem a primeira camada de roupa do aventureiro e se faz necessária em ambientes mais frios, como o Sul do Brasil e Mantiqueira. E somente cumprirão seus papéis se forem peças ajustadas ao corpo! Nunca compre uma segunda pele de tamanho superior ao seu e que fiquem folgadas ao se vestir!

 Nossa opinião: 
Se você for se aventurar somente pelo Brasil, basta a aquisição de uma base layer. Em situações de clima agradável você somente a utilizará à noite e no máximo nas primeiras horas da manhã! Caso faça mais frio, farão diferença na caminhada, pois realmente tem a capacidade de transferir o suor para longe do seu corpo!

Agasalho Fleece:
Inventado há aproximadamente 30 anos por uma empresa norte americana que o batizou com o nome de Polartec® (o nome foi tão forte que hoje a fabricante chama-se Polartec), esse tecido confeccionado à base de poliéster não retém água, é leve, pouco volumoso, transpirável, não precisa ser passado e possui grande capacidade de aquecimento; além de proporcionar uma sensação de aconchego ao se vestir. Possuem gramaturas de 100, 200 e 300, que se referem às espessuras das tramas; isto é, quanto maior a gramatura, maior a capacidade de aquecimento. Assim, um fleece 100 seria para um lugar pouco frio e é mais leve; já o 300 seria indicado para lugares muito frios e é um pouquinho mais pesado. Possui algumas variações e especificidades, desde aqueles para locais extremos até os tipos corta ventos! No mercado nacional há bons fabricantes do produto, que cumprem bem o seu papel. Além da presença em agasalhos, hoje o fleece está presente em calças, gorros, luvas e em vários outros acessórios!

 Nossa opinião: 
Não dá para se aventurar por aí sem um agasalho fleece, especialmente no período do inverno. Os motivos são os descritos acima. Boa dica são aqueles em formato canguru, assim poderia substituir o gorro! E como os tipo canguru possuem um grande bolso na parte dianteira, em dadas situações podem dispensar o uso de luvas.

Calça de Fleece:
O tecido e suas variações, bem como as finalidades são as mesmas do agasalho de fleece e seu uso é feito por debaixo da calça para trekking; e eventualmente por cima da segunda pele. À noite, pode ser usada para dormir, pois é aconchegante!

 Nossa opinião: 
Só vale a pena ter uma calça dessas se for para lugares bastante frios; como a região sul do Brasil ou a Mantiqueira durante o inverno. De um modo geral, normalmente no Brasil não se necessita de uma peça dessas. Duvidou? Faça uma pesquisa nas lojas que comercializam vestuário para aventura, raramente se encontra calça de fleece...

Anoraque:
É uma espécie de ‘jaqueta’ com capuz, sendo uma peça indispensável no guarda roupa do aventureiro. Normalmente os anoraques são peças pouco volumosas e leves, pois são feitos de materiais sintéticos. Sua principal finalidade é a proteção contra o vento e a chuva. Então, não é uma peça que se usa o tempo todo, a não ser sob essas condições.

Os materiais usados na fabricação de anoraques são variados, mas o Gore-tex® é reconhecidamente o melhor e mais utilizado mundo afora. Isto porque, além de proteger contra chuva e vento, os anoraques feitos de Gore-tex® são respiráveis. Anoraque respirável é aquele que permite que o suor do corpo gerado pelos movimentos possa transpor as fibras, permitindo que o aventureiro permaneça seco e consequentemente não sofra queda de temperatura corporal.

Para melhor compreensão, usemos o exemplo de ser obrigado a sair na chuva, e na ausência de uma peça específica acabamos por utilizar uma capa plástica comum. Quem já viveu essa situação sabe o que é uma proteção que não permite a dissipação da transpiração corporal. Em poucos minutos o suor toma conta de todo o nosso corpo e imediatamente começamos a sentir frio! Pois bem, o objetivo do material respirável é justamente agir ao contrário do plástico comum; apesar de que o Gore-tex® seja também uma espécie de teflon, porém finíssimo e com microporos; o que possibilita a sua respirabilidade.

Outro aspecto importante a observar na aquisição de um anoraque é a sua capacidade de coluna d’água, que é a quantidade de chuva em milímetros que a peça suporta. Quanto maior essa capacidade, melhor a peça se sairá debaixo de chuva. Aliás, enquanto nos polos a principal preocupação são os ventos, aqui no Brasil é a chuva que tira o sono dos aventureiros!

Convém também esclarecer que o anoraque não é uma parka. Embora parecidos, a principal diferença é que a parka é uma ‘jaqueta’ que vem com o interior forrado por um fleece, na maioria das vezes removível. A parte externa da parka cumpriria também o papel de anoraque, pois normalmente são impermeáveis. Entretanto, a parka é mais volumosa e pesada que o anorak, portanto de menor praticidade. Além disso, a maioria das parkas vem com o fleece 100 na forragem interna; e sabemos que nem sempre essa gramatura é indicada para dados lugares; além de que sua parte externa possuir menor capacidade de coluna d’água.

► Nossa opinião: 
Não tem jeito, dessa peça não se pode escapar. Eu prefiro os anoraques às parkas, pois os anoraques são mais práticos, leves e menos volumosos que as chamadas parkas! Quanto à respirabilidade dos anoraques, mesmo aqueles confeccionados em Gore-tex®, recomenda-se ter em mente que, na prática, nenhuma peça com essas características funciona perfeitamente no Brasil; ao contrário do que ocorre nos polos. Isto porque o Brasil é um País quente e úmido e até hoje não há tecido que dê conta do suor dos aventureiros em terras tupiniquins, mesmo sob chuva! Claro, o Gore-tex® ajuda, mas não resolve totalmente! Se for se aventurar pelo Brasil, eu sugiro valorizar mais a capacidade de coluna d’água (volume de chuva em milímetros que a peça suporta) do que a respirabilidade! E claro, adquira de marcas confiáveis e que possuam tradição no ramo e muitas vezes apresentam aberturas estratégicas em dados pontos, que são alternativas e auxiliam a respirabilidade do tecido!

Calça impermeável:
A finalidade é parecida com o anoraque: proteger do vento e da chuva. O material também é parecido. Ao adquirir, dê preferência para aquelas com fibras transpiráveis e de boa procedência.

► Nossa opinião:  
Para navegar pelo Brasil, apesar da ocorrência de chuvas, essa peça só faz sentido se você não tolerar calças de trekking molhadas. A única grande vantagem que observamos na calça impermeável é a proteção adicional às botas: com a calça impermeável poderá evitar a entrada de água pela parte superior da bota.

Chapéu/boné:
A finalidade é óbvia e os materiais dos chapéus e bonés devem ser leves, pouco volumosos e de secagem rápida. Há modelos que possuem partes aeradas, que facilitam a evaporação do suor e mantém a cuca fresca; além de proteção para o pescoço (são os chamados bonés legionários).

► Nossa opinião: 
Também não dá para ficar sem um deles Brasil afora, afinal é um País tropical. Vale inclusive de palha; ou você acha que nossos trabalhadores do campo são bobos? Chapéu de palha é leve e respirável eheheh...

Gorro/Balaclava:
O gorro é óbvio e a balaclava é aquela peça que cobre toda a cabeça, deixando acesso somente à boca, nariz e olhos. Os tecidos são variáveis, como por exemplo o Polartec® (fleece) ou o Coolmax®. Ao contrário dos chapéus e bonés, a finalidade do gorro ou balaclava é manter a temperatura ca cabeça, pois essa parte do corpo desprotegida em ambientes frios pode causar sérios problemas. Além disso, fornecem proteção contra queimaduras causadas pelo vento e/ou frio! Não fique sem proteger a cabeça em períodos frios, pois comprovadamente é através das extremidades que perdemos maior quantidade de calor.

► Nossa opinião: 
Prefiro a balaclava que o gorro, pois além da praticidade, protege toda a cabeça e mesmo sendo de um tecido mais fino, como o Coolmax® faz grande diferença. Para o Brasil é mais que suficiente.

Luvas:
Materiais como Polartec® (fleece); Coolmax® e outras são as fibras sintéticas mais empregadas na confecção das luvas. Há também luvas impermeáveis cuja finalidade é óbvia! Uma aquisição de qualquer desses materiais é suficiente para uso no Brasil! Inclusive, em dadas situações podem ser utilizadas sobreposições de luvas, como por exemplo, uma luva de Coolmax® e outra impermeável! O que vale lembrar é que, proteger as mãos é importante em períodos mais frios, pois comprovadamente é através das extremidades que perdemos maior quantidade de calor.

► Nossa opinião: 
Ao adquirir uma luva meça o tamanho das mãos. Luva não foi feita para ficar sobrando. Também procure adquirir aquela que menos interferirá no tato. Não tem erro! E cuidado com luvas impermeáveis: poucas marcas no mercado mundo afora realmente oferecem luvas impermeáveis de verdade!

Meias:
O mercado oferece uma gama variada de meias aos aventureiros, quase todas compostas por fios tecnológicos, que são mais leves e retém pouca umidade. Há aquelas com alto poder de aquecimento, como as feitas de lã de merino (Merino é o nome de uma raça de ovelha originária da Oceania que produz lã de qualidade superior). Há também alguns modelos impermeáveis! Lembre-se apenas de uma regra básica: evite aquelas 100% algodão, pois quando molhadas demoram mais para secar. Evite utilizar meia molhada pois podem provocar bolhas nos pés devido ao atrito. E por último, não deixe de usá-las (secas, é claro), especialmente em períodos frios, pois comprovadamente é através das extremidades que perdemos maior quantidade de calor.

► Nossa opinião: 
Apesar das meias de merino serem magníficas, uma meia simples também é capaz de cumprir seu papel com louvor, até porque o Brasil não pode ser considerado um País frio! Também sugiro evitar invencionices, como usar duas meias. Podem até funcionar, mas não é nada prático!

Em climas frios vista-se em camadas!

O melhor modo de se vestir durante a prática de trekking em ambientes mais frios é a utilização de camadas de tecidos. Composta por tecidos diferentes e de finalidades diferentes proporcionam uma racionalização no modo de vestir, facilitando a vida do aventureiro! No Brasil, a vestimenta em camadas só se justifica se estivermos em ambientes mais frios, como o sul do Brasil e a Mantiqueira, por exemplo. À medida que a temperatura se eleva, as camadas vão sendo retiradas; ou vice e versa! Simples e prático, não é mesmo?

Assim, a vestimenta em camadas no Brasil (e outras partes do planeta) obedece a seguinte ordem: 
►Camada 1 – Segunda pele (ou base layer). 
►Camada 2 – Calça e camiseta para trekking; ou ainda, peças em fleece se for o caso. 
►Camada 3 – Anoraque e calça impermeável. 

Considerações finais

Não abordamos sobre a vestimenta para climas extremos. Embora o modo de se vestir em camadas seja o indicado e utilizado para esses ambientes, o material das peças a serem utilizadas sob condições severas deverão ser específicos e sempre de qualidade superior; pois não se proteger adequadamente nestas situações pode nos custar a vida!

Então, nem sempre o material made in Brazil é suficiente para situações extremas. Não que não existam por aqui excelentes fabricantes de vestuário outdoor, mas como somos um País tropical, ainda não temos a tradição e competência na confecção de roupas tão específicas; muito embora alguns deles venham se especializando nos últimos tempos!

Caso vá viajar para ambientes hostis e sob temperaturas baixas e ou extremas, por favor, procure informações com especialistas em alta montanha; que inclusive já tenham vivido tal situação. Casos de viagens esporádicas muitas vezes vale mais a pena alugar vestuário específico no local de destino do que imobilizar capital em peças de maior custo que; no futuro passarão a maior parte do tempo decorando o armário aqui no Brasil. O aluguel de vestuário é muito comum, sobretudo para peças de uso externo; ou de última camada!

Por último, não se esqueça de que cada um é único; e por consequência o modo de se vestir será sempre individualizado. Muito embora existam algumas regras básicas, como a vestimenta em camadas, que comprovadamente possibilitam melhores resultados; o que definirá o modo de vestir nem sempre será o gosto pessoal; mas sim as condições climáticas e ambientais; bem como a capacidade de adaptação e conforto frente a estas situações! Estar bonito é bom; mas confortável é melhor!!!
Bons ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Cachoeira de Congonhas: um complexo belíssimo do ParnaCipó!

O Parque Nacional da Serra do Cipó é grandioso sob todos os aspectos. Localizado a aproximadamente 100 km ao norte de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, conta com atrativos naturais espalhados por toda a sua área. Inúmeras espécies vegetais e animais integram um ambiente extraordinariamente harmonioso e belo, cujos afloramentos rochosos fazem a mente do aventureiro viajar.

Rico em recursos hídricos, em sua parte alta e oriental, nas proximidades da rodovia MG 10, está localizada a Cachoeira de Congonhas, uma joia do ParnaCipó. Formada pelas águas do Ribeirão Congonhas, consiste em 3 principais quedas d'água, que despencam em direção ao vale da Bocaina, parte baixa do ParnaCipó. Foi nesse lugar espetacular que estivemos no último dia 12 de abril.
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc(incluída em Mar 2016) Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphon…

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…