Pular para o conteúdo principal

Sacos de dormir: dicas básicas para não passar frio por aí...

Saco de dormir da linha Orbit, da Deuter. Bem versátil para o clima brasileiro
Não faz muito tempo em que a hora de dormir em ambientes naturais poderia ser considerada como a hora do terror. Primeiro porque naturalmente o ser humano não é tolerante ao frio; e em segundo porque não tínhamos disponíveis produtos adequados no mercado outdoor. Mas esse tempo passou e hoje há uma gama variada de produtos que facilitam a vida noturna do aventureiro, tornando as noites mais prazerosas.

Dentre estas maravilhas, ter à disposição um saco de dormir (ou sleeping bag, em inglês) tornou-se uma obrigação. Porém, nem sempre temos ideias formadas a respeito da aquisição de um bom saco de dormir e muitas vezes investimos o nosso dinheirinho em produtos inadequados ou desnecessários. Assim, abordarei neste post o básico que cada um de nós devemos saber para não errarmos nesta aquisição.

Tipos de sacos de dormir (SD)

Deixando as tecnicidades para os pesquisadores e afins, basicamente importa saber que há dois tipos de saco de dormir:

►Os de fibra sintética: são mais indicados para áreas tropicais, como o Brasil, que não apresenta temperaturas extremas habituais. Sacos de fibra sintética são também mais robustos; exigem menos cuidados; possuem secagem rápida e são mais baratos. Mesmo parcialmente molhados (e não encharcados) podem desempenhar seu papel. 

►Os de pluma de ganso: são indicados para uso em alta montanha; lugares com temperaturas extremas e para o clima seco, como os Andes ou regiões subtropicais ou polares. Requerem cuidados mais específicos, dentre eles evitar a todo custo que se molhem, pois nesse caso perdem a função e levam dias para secarem. Além disso, são mais caros e dependem diretamente das aves nórdicas!

Mas isto não quer dizer que não se poderia utilizar sacos de fibra em alta montanha; ou pluma de ganso no Brasil. O fator que define essa escolha é a temperatura do lugar a ser visitado; dentre algumas condições físicas do usuário, como massa corporal e adaptabilidade. 

Faixas de temperatura

A principal referência para determinar as temperaturas dos sacos de dormir é a Norma Européia EN 13537 (Norma atualmente cancelada, substituída em 2016 pela norma ISO EN 23537:2016; não se aplica para usos específicos como uso militar; ou expedições para locais extremos; ou para bebês), resultada de testes laboratoriais aplicados em manequins simulando o corpo do homem e da mulher. Para isto, considerou-se o homem padrão (25 anos, 1,73 de altura e 73 kg) e a mulher padrão (25 anos, 1,60 de altura e 60 kg). E as condições de clima também foram normais, isto é, sem componentes excessivos.

As faixas de temperaturas principais definidas pela Normatização Europeia e que nos interessa diretamente são as seguintes: 

Temperatura de conforto: mínima em que uma mulher padrão consegue dormir confortavelmente. 

Temperatura limite ou temperatura de transição: mínima em que um homem padrão consegue dormir confortavelmente. 

Temperatura extrema: faixa de temperatura em que uma mulher padrão sentirá forte sensação de frio. Há risco de danos à saúde, inclusive hipotermia. 

Evidente que testes laboratoriais não são dogmáticos, mas servem como orientação e referência; portanto devemos entendê-los a fim de não adquirirmos produtos inadequados. Isto quer dizer que, se iremos à Serra do Cipó e posteriormente estaremos nos Andes, certamente não poderemos utilizar o mesmo saco de dormir, pois se tratam de regiões cujas temperaturas são totalmente diferentes! 

Mas na prática, como fica a Norma Europeia?

Sabemos que a normatização é uma referência importante. Porém, fatores climáticos locais e específicos, massa corporal, condições psicológicas e de adaptação devem ser confrontados com a normatização, pois sabemos que em ambientes naturais, nem sempre as condições homem/ambiente são estáveis.

Na prática, a normatização nos indica que, no ato da aquisição de um saco de dormir, devemos procurar por um produto que nos dê uma margem de segurança quanto à temperatura mínima da região a qual iremos utilizá-lo. O parâmetro seguro é basearmos na temperatura de conforto para as mulheres; e na temperatura limite para os homens. Segundo a norma europeia, esta diferença quanto ao gênero gira em torno de 5 graus celsius e deve-se a desigual massa corporal característica de cada gênero. Isto quer dizer que, em condições normais, as mulheres tendem a sentir mais frio que os homens.

As informações referentes à temperatura de conforto estão presentes nas embalagens dos produtos. Todos os bons fabricantes trazem estas informações com destaque. Então, jamais deve-se adquirir um saco de dormir baseado na temperatura extrema; ou mesmo aqueles produtos que não possuem certificação alguma; que na prática são apenas edredons comuns. É sério, não coloque sua vida em risco, pois o frio é capaz de matar em poucas horas!

É possível melhorar a performance do saco de dormir?

Obviamente além da barraca, que tem como prima finalidade nos abrigar do vento e da chuva, o principal item que melhora a performance do saco de dormir é o isolante térmico. Jamais podemos utilizar o saco de dormir sem a presença do isolante térmico. O isolante tem a função de evitar que o frio e umidade do solo invada o saco de dormir; bem como dificultar que o calor gerado pelo corpo e concentrado pelo saco de dormir escape para o solo. 

Além do isolante térmico, caso continuemos a sentir frio, podemos dormir vestidos com segunda pele; ou com calça ou blusa de fleece; ou ainda usando luvas, gorros, balaclava, meias etc. Tecnicamente é sabido que perdemos calor pelas extremidades. Por isso, protegê-las pode-se obter excelente resultado! Também podemos utilizar o liner, que é uma espécie de saco de tecido sintético, que apesar de fino, ajuda a segurar a temperatura interna do saco de dormir, bem como a mantê-lo limpo.

Se tanto o vestuário/liner, quanto o isolante térmico não forem suficientes para proporcionar conforto e manter a temperatura em nível satisfatório, também é possível utilizarmos cobertores de emergência para aumentar a proteção; que são aqueles cobertores aluminizados, baratos, pouco volumosos e levíssimos!

Mas devemos ter em mente que, excluindo o isolante térmico, o ideal para o uso de um saco de dormir é não termos a necessidade de dormir com roupas pesadas ou utilizarmos produtos emergenciais! A melhoria da performance do saco de dormir é para situações pontuais e jamais podem ser rotineiras! Assim, para não transformarmos o pontual em hábito, devemos pesquisar e nos informar sobre os níveis de temperatura a que estaremos sujeitos ao realizarmos uma aventura! Frio mata, infelizmente, por isso nunca é demais sabermos sobre esse assunto e minimizar os riscos é sempre nossa obrigação!

Algumas dicas finais

► Ao contrário que a maioria de nós pensamos, sacos de dormir não geram calor. Sacos de dormir evitam que o calor gerado pelo nosso corpo se perca no ambiente; bem como minimiza a entrada de ar mais frio do ambiente para o espaço interno. Por isso, os melhores sacos são justos ao corpo; alguns até apresentam uma espécie de elástico que acompanham as curvas corporais.

► Ao se aventurar, proteja o seu saco de dormir com saco estanque ou saco plástico. Apesar dos sacos de fibras sintéticas não perderem totalmente a função mesmo quando parcialmente molhados, tê-los nestas condição não é uma situação agradável. Certamente a capacidade da peça em manter a temperatura será menor; ou dependendo do estado e tamanho da área molhada, a peça poderá ficar provisoriamente inutilizada! Já os sacos de pluma jamais devem ser molhados, pois poderão perder a função. Imaginemos uma pena molhada; ela se deforma totalmente e somente secará sob sol forte; e mesmo assim não voltará totalmente ao estado anterior.

► Ao retornar de uma aventura, exponha o saco de dormir ao sol para secar por completo. Guardá-lo molhado ou mesmo úmido pode significar a perda da peça! Além disso evita a presença de cheiros indesejáveis; 

► Fora das aventuras, procure guardar o saco de dormir sempre aberto, pois isto preserva as fibras do produto e evitam deformações ou vícios; 

► Sacos de dormir de fibra sintética podem e devem ser lavados sempre que necessário. Para limpeza, busque informações e orientações junto ao fabricante; 

► Sacos de dormir de pluma de ganso somente devem ser lavados em situações extremamente necessárias. Ideal seria que nunca fosse necessário lavá-los. Se necessário alguma limpeza, busque informações e orientações junto ao fabricante;

► Também devemos levar em consideração o volume e o peso do saco de dormir. Normalmente sacos de dormir de fibra sintética são mais pesados que aqueles de pluma de ganso. Porém, nem sempre a tese do quanto menos volumoso e menor pode ser aplicada a esse item. Ainda não se criou um modelo de saco de dormir que seja levíssimo, pouco volumoso e ao mesmo tempo eficiente a baixas temperaturas. 

► Quanto aos modelos, atualmente não seria indicado outro que não seja o tipo sarcófago; justamente porque os sarcófagos "colam" ao corpo, melhorando a performance. Também é possível adquirir modelos que se "casam", isto é, sacos com o fechamento tanto do lado esquerdo quanto do lado direito, permitindo a união das unidades. Assim, resolve-se o problema dos parceiros que fazem questão de dormirem abraçadinhos mesmo quando estão se aventurando... 

► Falando em graus e para ser mais específico, é razoável afirmar que com um saco de dormir de fibra sintética na faixa de 0 grau de conforto é suficiente para circulação em qualquer região do Brasil.

► Fatores físicos individuais ou de qualidade do produto podem ser os motivadores do sentir frio, mesmo estando com um saco de dormir indicado para a temperatura a que se submete. Uma das causas mais comuns dessa situação é o encostar-se mesmo que involuntariamente (ao dormir) na parede da barraca, provocando o umedecimento do sleeping. Para que isto não aconteça, sugerimos dividir as tralhas por ambos os lados da barraca ao dormir, formando uma espécie de barreira temporal. 

► A princípio pode parecer não ter nada a ver com o assunto, mas em trilhas, alimentar-se, hidratar-se e descansar adequadamente interferem no consumo de energia pelo nosso organismo, e por conseguinte, também interferem em nossa sensação de frio ou calor. Por isso, encontrar o nosso equilíbrio nesses quesitos é importantíssimo e é condição fundamental para uma boa noite de sono!

Bons ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Cachoeira de Congonhas: um complexo belíssimo do ParnaCipó!

O Parque Nacional da Serra do Cipó é grandioso sob todos os aspectos. Localizado a aproximadamente 100 km ao norte de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, conta com atrativos naturais espalhados por toda a sua área. Inúmeras espécies vegetais e animais integram um ambiente extraordinariamente harmonioso e belo, cujos afloramentos rochosos fazem a mente do aventureiro viajar.

Rico em recursos hídricos, em sua parte alta e oriental, nas proximidades da rodovia MG 10, está localizada a Cachoeira de Congonhas, uma joia do ParnaCipó. Formada pelas águas do Ribeirão Congonhas, consiste em 3 principais quedas d'água, que despencam em direção ao vale da Bocaina, parte baixa do ParnaCipó. Foi nesse lugar espetacular que estivemos no último dia 12 de abril.
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc(incluída em Mar 2016) Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphon…

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…