Pular para o conteúdo principal

Cachoeira do Saco Bravo: a joia escondida de Paraty!

Cachoeira do Saco Bravo
Imagina um lugar paradisíaco, onde cachoeira e oceano se encontram, rodeado por rochas e vegetação exuberante... Sim, este lugar existe e tem nome: Cachoeira do Saco Bravo; que localiza-se na Reserva Ecológica da Juatinga, na Ponta da Juatinga, município de Paraty, Estado do Rio de Janeiro.

Em várias ocasiões em que estivemos na Ponta da Juatinga visitamos o lugar. E a cada vez parecia estar num lugar inédito... A Cachoeira é pequena em si e consiste em três quedas sequenciais, com um poço propício a banho no estilo piscina infinita após a segunda queda. Porém a sua localização junto ao mar a torna rara e pitoresca.

Não acessível através de estradas, a visita a esta Cachoeira exige certa dose de esforço do aventureiro; porém o retribui com toda sua singeleza e energia... É um lugar que vale a pena visitar; é uma joia escondida de Paraty! Neste post, descreveremos algumas informações básicas para que possas incluir a Saco Bravo no seu próximo roteiro em Paraty!

Estando na cidade de Paraty, há dois modos principais para se chegar à Cachoeira do Saco Bravo: através de barcos ou à pé. Seja em qual dessas duas opções, tenha como referência o Bairro de Laranjeiras e a Praia de Ponta Negra, que é a praia mais próxima e porta de entrada para a Cachoeira. Laranjeiras é um bairro localizado ao sul de Paraty, no mesmo sentido da badalada Trindade. É onde se localiza um luxuoso condomínio, muito conhecido em toda a região. Já Ponta Negra é uma pequena vila de pescadores, quase todos descendentes de Caiçaras; com uma pequena e singela praia. Há na vila camping, bar e restaurante. Em feriados é comum algum movimento por lá, contrastando com o modo pacato dos dias comuns. Não há estradas que levem à Praia de Ponta Negra.

Tracklog

Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc
Contém trecho completo da Travessia Tradicional da Ponta da Juatinga, que contempla o trajeto que utilizaria para visitar a Saco Bravo; que é o trecho que vai de Laranjeiras até a Cachoeira.
Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que possibilitem uma aventura mais segura.
Quanto melhor for o seu planejamento, melhor será o seu aproveitamento.

Powered by Wikiloc



Como chegar - via carro e barco

Deixe a cidade de Parati pela BR 101 sentido Ubatuba. No km 593 da rodovia entre à esquerda sentido Trindade. É o conhecido Trevo do Patrimônio. Siga pelo acesso asfaltado com atenção, pois a estrada é mão dupla, estreita e com muitas curvas. Logo no início da estrada há a sede da Associação Cairuçu com seu Posto de Informações Turísticas e o Posto Policial ao lado. Logo após a primeira subida, entre no primeiro acesso à esquerda (sinalizado) e siga pela via principal sempre se mantendo à esquerda até o campo de futebol do bairro Laranjeiras. Procure um local para estacionar seu carro e depois vá até o ponto da "van do Condomínio". Na dúvida, qualquer transeunte local poderá te informar o ponto exato. Embarque gratuitamente nesta van, que te levará até a marina dentro do condomínio. Lá, embarque em um barco e siga até a Praia de Ponta Negra. A viagem durará em torno de 1h00. 

Vista sul desde o primeiro morro a caminho da Saco Bravo
Chegado na Praia de Ponta Negra, suba a escada que liga a Praia à viela superior, sentido escolinha da vila e Camping do Ismael. Mais alguns metros percorridos entre diversas casas de moradores e começará a subir na direção de um morro à norte/nordeste. A trilha em forte aclive segue entre mata rala, capoeira e alguns descampados com plantações de mandioca. Não há erro: mantenha-se ignorando eventuais saídas e siga até o alto do morro, de onde se terá um belo visual do costão sul que inclui Ponta Negra, Antigos e Sono.Casebre à beira da trilha da Saco Bravo

Casebre à beira da trilha da Saco Bravo
A partir desse ponto, a trilha mergulha na mata mais fechada em declive. É bem aberta e marcada. Ignore qualquer bifurcação menos marcada. A trilha irá alternar pequenos aclives e declives até um local onde há um pequeno rancho com alguns pés de laranjeiras; de onde poderá observar o costão lá embaixo. Na sequência, novo declive para novamente acender até um ponto onde há um bambuzal. A partir desse ponto a trilha alcança o declive final e rapidamente começará a margear o ribeirão que forma a Cachoeira do Saco Bravo. Observe à sua esquerda: há uma bonita queda d'água entre as árvores. Logo abaixo, irá cruzar o ribeirão e em poucos metros chegará nas rochas da Cachoeira do Saco Bravo.

Após curtir a Cachoeira, faça o mesmo caminho da volta, retornando à Ponta Negra e de lá embarcando sentido Laranjeiras. Indo de barco desde Laranjeiras, o trecho a caminhar totalizará pouco mais de 6 km (ida e volta de Ponta Negra à Saco Bravo).

Como chegar - via carro e a pé

Deixe a cidade de Parati pela BR 101 sentido Ubatuba. No km 593 da rodovia entre à esquerda sentido Trindade. É o conhecido Trevo do Patrimônio. Siga pelo acesso asfaltado com atenção, pois a estrada é mão dupla, estreita e com muitas curvas. Logo no início da estrada há a sede da Associação Cairuçu com seu Posto de Informações Turísticas e o Posto Policial ao lado. Logo após a primeira subida, entre no primeiro acesso à esquerda (sinalizado) e siga pela via principal sempre se mantendo à esquerda até o campo de futebol do bairro Laranjeiras. Prossiga até a pracinha aonde é o ponto final da linha de ônibus 1040, que liga Laranjeiras a Paraty. Procure um local para estacionar seu carro e se prepare para a caminhada.

A bela Praia do Sono
A partir dessa pracinha do ponto final do ônibus, tomar a rua à esquerda em aclive, sentido Praia do Sono. Aos poucos o calçamento acabará e há algumas escadas com tábuas para se evitar erosão. Veículos não adentram nesta estradinha, que irá serpenteando a mata, com aclives, declives e novos pontos com mais degraus anti-erosão. Mais ou menos no meio do trajeto há um bom ponto de água. Esta estradinha-trilha o levará até a Praia do Sono em mais ou menos 1h00 a 1h30 de caminhada. 

Praia de Antigos
Cruze toda a extensão de areia da Praia do Sono (aproximadamente 1,4 km), sentido norte. Após cruzar um riacho pelo leito, comece a subir a trilha sentido mirante. Há novamente degraus com tábuas e até alguns corrimãos. Após o mirante, um pequeno declive o levará à desabitada Praia de Antigos, que é maravilhosa. Do final da Praia do Sono até Antigos a caminhada dura em média de 15 a 20 minutos. Cruze toda a faixa de areia da Praia de Antigos (aproximadamente 450m) e ao seu final siga pela trilha. Em 5 minutos estará na bifurcação da Praia de Antiguinhos, que é menor que Antigos e também deserta. Há um ponto de água cruzando a trilha. Se não quiser entrar em Antiguinhos (fica a 2 minutos da trilha principal), siga reto pela trilha em leve aclive.

Praia de Galhetas
Chegado num ponto plano mais elevado, logo começará a descer sentido Praia de Galhetas, que chegará em torno de 30 minutos desde Antigos. Cruze a ponte pênsil (cuidado, a ponte está se deteriorando - Janeiro 2015) e pelas rochas cruze a praia de Galhetas. Esta praia não tem faixa de areia. Passada as rochas, siga pela trilha em leve aclive até o alto do pequeno morro. Nesse ponto já verá as casas de Ponta Negra do outro lado. Comece a descer, passe pelo camping da Branca e siga até o riacho que deságua na Praia de Ponta Negra. Cruze-o pulando pedras. De Galhetas a Ponta Negra a caminhada dura em média 20 minutos.

Praia de Ponta Negra
Chegado na Praia de Ponta Negra, suba a escada que liga a Praia à viela superior, sentido escolinha da vila e Camping do Ismael. Mais alguns metros percorridos entre cercas vivas e diversas casas de moradores começará a subir na direção de um morro à norte/nordeste. A trilha em forte aclive segue entre mata rala, capoeira e alguns descampados com plantações de mandioca. Não há erro: mantenha-se ignorando eventuais saídas e siga até o alto do morro, de onde se terá um belo visual do costão que inclui Ponta Negra, Antigos e Sono.

Cachoeira do Saco Bravo em dia movimentado
A partir desse ponto, a trilha mergulha na mata mais fechada em declive. É bem aberta e marcada. Ignore qualquer bifurcação menos marcada. A trilha irá alternar pequenos aclives e declives até um local onde há um pequeno rancho com alguns pés de laranjeiras; de onde poderá observar o costão lá embaixo. Na sequência, novo declive para novamente acender até um ponto onde há um bambuzal. A partir desse ponto a trilha alcança o declive final e rapidamente começará a margear o ribeirão que forma a Cachoeira do Saco Bravo. Observe à sua esquerda: há uma bonita queda d'água entre as árvores. Logo abaixo, irá cruzar o ribeirão e em poucos metros chegará nas rochas da Cachoeira do Saco Bravo.

Após curtir a Cachoeira, faça o mesmo caminho da volta, retornando à Ponta Negra; e depois retornando à Laranjeiras. Indo à pé desde Laranjeiras, o trecho a caminhar totalizará pouco mais de 11,5 km (somente ida). Como pode observar, é um trecho mais longo para ir, curtir a cachoeira e voltar novamente a Laranjeiras. Sugiro pernoitar em Ponta Negra e no outro dia retornar com calma curtindo as praias pelo trajeto.

Importante

Fique tranquilo. As trilhas desse trajeto são todas sinalizadas e bem marcadas; não oferecendo dificuldades técnicas ou de orientação. Àqueles que já estão acostumados a caminhar por trilhas não terão dificuldades. O maior aclive de todo o trecho é aquele após a Praia de Ponta Negra. Porém, a região é bastante quente e úmida; e isto judia um pouco do aventureiro. Procure se hidratar. Se você nunca caminhou por trilhas e deseja visitar essa cachoeira aconselho antes treinar outras pernadas, do contrário poderá ser extenuante!

Distâncias aproximadas

► BR 101 a Laranjeiras: 9,5 km (estrada asfaltada e ruas locais)
► Laranjeiras à Praia do Sono: 4 km (somente trilha por sinais de uma velha estradinha)
► Praia do Sono a Praia de Antigos: 1,5 km (somente trilha)
► Praia de Antigos a Praia de Antiguinhos: 0,5 km (somente trilha)
► Praia de Antiguinhos à Praia de Galhetas: 1,5 km (somente trilha)
► Praia de Galhetas à Praia de Ponta Negra: 1 km (somente trilha)
► Ponta Negra à Saco Bravo: 3,2 km (somente trilha)

Dicas

Saco Bravo em época de pouca água, vista do oceano
► Em Laranjeiras é possível estacionar em alguns pontos e em quintais de moradores, que alugam garagens. Mas é comum observar carros de visitantes que foram até a Praia do Sono (mais próxima e badalada que outras na região) estacionados pelas ruas. 

► Quem não tiver carro basta tomar o ônibus coletivo da linha 1040, que liga Paraty a Laranjeiras. Confira o quadro de horários AQUI; porém confirme sempre via telefone na empresa Colitur (24 3371-1238). 

► Para quem for de barco desde Laranjeiras, saiba que é expressamente proibido fotografar dentro da área do condomínio Laranjeiras. Você será avisado se utilizar os serviços da van local. 

► Você não terá dificuldades em contratar barcos na região. Há muitos barqueiros, que utilizam voadeiras. Se preferir, você poderá ir à pé de Laranjeiras até a Praia do Sono; e por lá tomar um barco para Ponta Negra. Na volta, ao chegar à Praia do Sono, se preferir também poderá tomar um barco para Laranjeiras. É um tirinho e muito rápido! 

► De barco é possível visitar a Saco Bravo em 1 dia tranquilamente. Já a pé terá que andar bem rápido, do contrário seria melhor pernoitar em Ponta Negra; ou então na Praia do Sono. É proibido camping fora desses locais. 

► Em Ponta Negra há pelo menos 3 camping. Recomendo o Camping do Ismael, que é pequeno e se localiza num ponto ideal que permite o descanso do aventureiro. Ismael também é barqueiro em Ponta Negra, sendo bastante gentil e atencioso. Se desejar o seu número de telefone mantenha contato. 

► Na Praia do Sono há vários camping em frente a praia. 

► Não há energia elétrica em Ponta Negra (Jan 2015). Há planos de que em breve isto venha ocorrer. 

► Não há bancos nem caixa eletrônico nas vilas do Sono ou Ponta Negra. Também desconhecemos o uso de cartões de crédito e débito pelo comércio local. Esteja atento! 

► Há vários pontos de água por todo o trajeto. Alguns deles, em especial no trecho entre Ponta Negra e a Cachoeira podem secar no inverno, como ocorreu agora em 2015. 

► Há fartura de sombra por todo o trajeto graças à mata atlântica presente na região. 
A vantagem de ir à pé na Cachoeira do Saco Bravo é conhecer outras praias pelo trajeto, como a Praia do Sono, Antigos e Antiguinhos. A Praia do Sono tem energia elétrica e possui infraestrutura de bares e restaurantes. Já as Praias de Antigos e Antiguinhos são desertas e preservadas. 

► Na Cachoeira do Saco Bravo muito cuidado ao caminhar pelas rochas. Evite pisar no ponto onde a água da cachoeira cai para o oceano: é um 'sabão' e se escorregar no local a queda pode ser complicada e grave. 

► Em casos de mar agitado evite deixar pertences nas rochas ao lado do poço da cachoeira; pois eventualmente ondas podem invadir o lugar, como já presenciamos. 
Já presenciamos barcos que combinados previamente buscam caminhantes na Cachoeira do Saco Bravo. O embarque é feito através do costão rochoso ao sul da Cachoeira. Porém é um local bastante inclinado e que se exige máximo cuidado. Somente recomendo essa prática em casos extremos; e não são todos os barqueiros que topam essa empreitada, pois é um ponto oriental em que é comum mar agitado. 

► Também é possível incluir visita à Cachoeira do Saco Bravo para quem esteja realizando Travessias pela região. 

► Não se esqueça das dicas de segurança ao fazer trilhas; como se hidratar corretamente e observar onde se pisa ou senta-se para descansar. Leve repelente, pois a região é infestada de mosquitinhos. 

Bons ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Cachoeira de Congonhas: um complexo belíssimo do ParnaCipó!

O Parque Nacional da Serra do Cipó é grandioso sob todos os aspectos. Localizado a aproximadamente 100 km ao norte de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, conta com atrativos naturais espalhados por toda a sua área. Inúmeras espécies vegetais e animais integram um ambiente extraordinariamente harmonioso e belo, cujos afloramentos rochosos fazem a mente do aventureiro viajar.

Rico em recursos hídricos, em sua parte alta e oriental, nas proximidades da rodovia MG 10, está localizada a Cachoeira de Congonhas, uma joia do ParnaCipó. Formada pelas águas do Ribeirão Congonhas, consiste em 3 principais quedas d'água, que despencam em direção ao vale da Bocaina, parte baixa do ParnaCipó. Foi nesse lugar espetacular que estivemos no último dia 12 de abril.
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc(incluída em Mar 2016) Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphon…

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…