Pular para o conteúdo principal

Pico Pão de Açúcar do Saco de Mamanguá: Ponto Alto de toda a região da Joatinga

Pico Pão de Açúcar visto do Saco de Mamanguá
A Ponta da Joatinga no litoral sul do Rio de Janeiro é repleta de recantos de rara beleza natural. Um desses pontos é Pico Pão de Açúcar do Saco de Mamanguá. Excluindo alguns outros picos cujos acessos são mais difíceis e se localizam no interior da reserva, o Pão de Açúcar é o ponto que possibilita o melhor visual a longa distância de toda a Joatinga.

Do topo deste pico, todo o fiorde se desenvergonha aos olhos incrédulos e impressionados dos aventureiros. O Saco do Mamanguá é o único fiorde brasileiro, um santuário de vida marinha, rodeado por serras, vegetação de mata atlântica, praias e nativos caiçaras (alguns nem tanto)!

Localizado no município de Parati, Estado do Rio de Janeiro, Brasil, o acesso é sinalizado e relativamente fácil, a partir da Praia do Cruzeiro. Dependendo do roteiro do aventureiro, uma das formas de chegar à Praia do Cruzeiro é através de barco vindo de Parati Mirim; ou mesmo desde Parati. Da Praia do Cruzeiro ao topo gasta-se em torno de 1h00 de caminhada por trilha bastante íngreme. Aqueles mais animados podem incluí-lo na Volta ao Saco de Mamanguá, é claro; ou ainda acessá-lo vindo da Vila de Oratório!

Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc
Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que possibilitem uma aventura mais segura.
Quanto melhor for o seu planejamento, melhor será o seu aproveitamento.
Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto

Powered by Wikiloc

Com cerca de 575 metros de altitude (não há medição oficial), o rochoso Pão de Açúcar se destaca como um guardião do Saco de Mamanguá. Infelizmente (ou felizmente, depende do ponto de vista) devido à sua localização, o pico é bem menos visitado que as trilhas da tradicional Travessia da Ponta de Joatinga. Seu topo rochoso é pequeno e alguns metros abaixo, no lado sul, há um pé de cacto, onde os mais corajosos podem ir comemorar! O visual se completa com inúmeras praias nos arredores. Aos cinéfilos, lembro que desde o topo é possível ver o imóvel aonde foram gravadas cenas do filme Crepúsculo.

Importante saber que a Praia do Cruzeiro, porta de entrada para o Pico Pão de Açúcar é também muito bonita. Abriga uma vila de pescadores e possui alguns bares e inclusive camping (Camping do Seu Orlando).

Abaixo, um vídeo que fiz por lá em uma das minhas visitas. O dia estava parcialmente nublado e a câmera não era das melhores, mas mesmo assim, é uma beleza só!


► Leita também outros relatos de trekking que realizamos pela Ponta da Joatinga:
► Rota Tradicional toda à pé, sem visita à Cachoeira do Saco Bravo
► Rota Tradicional e visita à Cachoeira do Saco Bravo, quando fizemos o trecho Martin de Sá a Ponta Negra via barco
 Aqui você encontrará informações para visitar a bela e inusitada Cachoeira do Saco Bravo

► Confira algumas Dicas Básicas de Segurança para a prática de Atividades Outdoor

► Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto

Bons ventos!

Última Atualização: Nov 2017

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.