Pular para o conteúdo principal

Forte de Piedade em Brumadinho: Beleza e História!

O Forte de Brumadinho
O Forte de Brumadinho, também conhecido como Forte de Piedade ou Casa de Pedra, localiza-se na Serra da Calçada, em área da Mineradora MBR; município de Brumadinho, em Minas Gerais. É uma construção do século XVIII, em formato de um retângulo, com área total em torno de uns 2000 m².

Suas paredes e muralhas possuem aproximadamente 5m de altura e 1m de espessura, compostas por pedras cuidadosamente sobrepostas e trabalhadas. Possui uma única entrada e em seu interior há uma construção menor também em pedras, com janelas amplas, que certamente deve ter sido uma casa com cobertura. Nas trilhas que cortam a região, inclusive as que levam ao Forte, há a presença de calçamento em pedras, muito bem feito e em bom estado de conservação, indicndo que a circulação de pessoas e tropas em épocas passadas eram intensas na região...

Revivendo o período dessas andanças, no final de semana dos dias 09 e 10 de março de 2013, juntamente com amigos realizamos um pernoite no Forte de Piedade. Éramos nove: James, Daniele, Rodolfo, Lucas, Raquel e Francisco; todos de Belo Horizonte; mais a Sol, Déia e Luiz de Brumadinho.

Não se sabe ao certo sobre a finalidade dessa construção. Alguns dizem que ali funcionava um entreposto de mercadorias às margens da Estrada Real; outros afirmam que seria um ponto de fiscalização da atividade de mineração na região. Há ainda aqueles que afirmam que se tratava de um local onde seriam praticadas atividades comerciais ilícitas...

Mas o que se pode afirmar com certeza é que algo importante se passava por ali nos idos do séc. XVIII, tamanha é a fortaleza de suas paredes; esmero construtivo; localização privilegiada e ampla área interna. Atualmente o Forte está abandonado, porém em excelente estado de conservação. Em sua parte interna, certamente devido ao desuso, apresenta uma matinha disposta por toda a área, destoando da vegetação de campos de altitude presentes ao seu redor. Internamente possui ainda várias áreas propícias para acampamento.

Os acessos ao Forte de Brumadinho se dão por várias rotas, destacando a rota sentido Norte-Sul, com origem na Região do Retiro das Pedras (proximidades da BR 040 e do Bairro Jardim Canadá, município de Nova Lima); e a rota Sul-Norte, com origem no Distrito de Piedade do Paraopeba (município de Brumadinho).

Para essa investida, escolhemos a segunda opção; ou seja; passamos por Piedade do Paraopeba. Isto porque vale uma passagem por esse Distrito, pelo menos para apreciar a bela construção da Igreja Matriz local, dedicada a Senhora da Piedade; bem como percorrer trilhas em calçamento na subida da serra.

Matriz de Piedade do Paraopeba
Partimos de Belo Horizonte (Praça São Vicente) por volta de 08h00 da manhã em três veículos diferentes. Fui de carona com o Rodolfo, que havia encontrado mais cedo na região da Pampulha. Às 09h00 da manhã chegávamos ao distrito de Piedade do Paraopeba, município de Brumadinho.

O Distrito é um bucólico arraial, cuja origem remonta o início do século XVIII; época também da construção da suntuosa Matriz de Nossa Senhora da Piedade. Aproveitamos para visitá-la, e apreciar o estilo colonial mineiro. Há ainda no Distrito a Capela de Nossa Senhora do Rosário, porém não a visitamos. O casario do Distrito é predominantemente moderno, restando poucos exemplares mais interessantes.

Interior da Matriz Nossa Senhora da Piedade
Encontramos então os amigos de Brumadinho e rapidamente tomamos a estrada de terra no sentido do início da trilha. A estrada de terra é a continuação da rua principal do Distrito de Piedade, e segue em direção à Fazenda Duas Meninas, passando-se por esta. É uma estrada vicinal, portanto em estado ruim, principalmente na parte final, onde o mato toma conta das margens e há a presença de buracos e erosões. Deixamos os carros estacionados no topo de um morro, onde há uma antena de telefonia celular. Lá é o início da trilha; ou seja, daí em diante só a pé!

Sentido leste: a trilha segue morro acima visando o platô quase no topo da serra
Sentido Norte: Serra da Casa Branca
Sentido Sul: Topo do Mundo e Serra da Moeda
Sentido Oeste: Pico Três Irmãos, Pedra Grande e Morro da Antena (origem da trilha)
Iniciamos a trilha por volta de 10h30 descendo o costado do morro da antena e imediatamente iniciando a subida, que é longa e quase sem sombras. O sol castigava e paramos várias e várias vezes pela trilha, inclusive para breve lanche. Não tínhamos pressa!!! Nesse trecho, além de já ser possível ver o Forte de Piedade ao longe, ainda como uma mancha quadrada de mata no topo da serra rodeado por campos de altitude.

Desse ponto é possível observar o Topo do Mundo e a Serra da Moeda ao Sul; a Serra da Calçada a leste; o Pico Três Irmãos à Noroeste; e até a Pedra Grande de Igarapé à Oeste. Quando a trilha torna-se mais íngreme, inicia-se um trecho de calçamento, formado por pedras irregulares, fruto do trabalho dos escravos no séc. XVIII. Daí o nome Serra da Calçada. Esse calçamento prolonga-se até quase o topo da Serra.

Por volta de 12h30, após caminhada sem pressa, chegamos ao topo da Serra da Calçada. Trata-se de um platô muito belo, de onde novamente se pode ter ampla visão do Vale do Paraopeba, Picos Três Irmãos, Pedra Grande e Serra da Calçada, além de já ser possível ver o Forte de Piedade ao norte já bem mais próximo. O tempo dava mostra de mudanças...

Após grande pausa para descanso e fotos, retomamos a caminhada. Há uma bifurcação, onde se deve tomar a esquerda, pois a trilha da direita (sentido sul) leva-se à Serra da Moeda. Nesse ponto a trilha se abre, inclusive há sinais de passagens de veículos 4x4. Seguimos caminhando pelo topo, agora plano, no sentido norte. Não há possibilidade de erro no trecho. Apesar de existirem bifurcações, basta se orientar pelo visual ou pela direção do Forte!

O Forte visto desde o Mirante acima
Trilha calçada na descida do Mirante para o Forte
Forte e sua portada única
Assim, por volta de 14h00 e com chuviscos chegamos ao mirante defronte e acima do Forte de Piedade. Visual muito bonito. Grande pausa para contemplação, pois se trata de um belo mirador!! Após, iniciamos uma curta e suave descida por trilha calçada, que estava escorregadia devido à chuva fina. Já próximo ao Forte, há uma bifurcação à esquerda: não siga por ela, pois a mesma vai parar em uma fenda natural, sem possibilidade de fácil transposição. Então seguimos à direita, contornamos o morrote norte, subimos um pequeno trecho de trilha e pronto: a portada do Forte de Piedade estava à nossa frente!

Adentramos e exploramos o local, inclusive uma outra construção construção interna; uma espécie de casa dentro do Forte. A Casa de Pedras é uma construção imponente! Escolhemos montar as barracas ao fundo da construção, junto ao muro do Forte, abrigado pelas árvores. Trabalho feito, breve lanche, decidimos ir até as cachoeirinhas que correm no fundo do vale, no sentido sul, mais ou menos uns 600 metros ladeira abaixo do Forte de Piedade. Estávamos atrás do Poço Encantado.

A trilha para o fundo do vale inicia-se à direita da porta de entrada do Forte. É bem marcada e não tem erro. Chegamos ao pequeno córrego e eu e o James passamos a explorá-lo. Desci pelo seu leito em busca do Poço Encantado, mas não chegamos até ele, pois em breve não teríamos mais luz do dia! Voltamos, nos banhamos, descansamos um pouco e voltamos até o acampamento no interior do Forte, com promessa de retorno ao Poço Encantado no domingo.

Após a noite agradável, em que dividi a casa com o Lucas; onde o único percalço foi na hora da janta, em que folhas secas de árvores caíram em meu feijão liofilizado, que por um momento achei que eram folhas de louro; o domingo amanheceu com chuviscos. Chegaram também outros visitantes ao local, inclusive alguns pesquisadores, que disseram estar a caça de fósseis! Passado o chuvisco, o tempo se abriu e por volta de 09h30 fomos novamente em direção ao riacho que corre no fundo do vale. Iríamos até o Poço Encantado.

Após descer ladeira abaixo, localizamos a trilha, primeiro à margem direita do córrego e logo depois, atravessando-o, seguimos pela mesma à margem esquerda. Não tem erro: a trilha vai direta ao Poço Encantado! Fato chato é que nesse trecho da trilha, o Lucas foi atingido por uma lagarta, o que deixou seu braço vermelho e até lhe provocou íngua! Mas logo apresentou melhora, graças a Deus!

Poço Encantado fica no fundo e ao centro desse vale
Poço Encantado
Poço Encantado
O Poço Encantado é pequeno, porém de uma beleza singela. A água é levemente esverdeada e transparente. Possibilita um pequeno mergulho e até ficar embaixo da pequena queda, de aproximadamente 3m de altura. Exploramos as proximidades e à esquerda, em outro pequeno córrego, há uma pequena queda e poço belos, porém não permitem mergulho, pois são rasos.

Depois de um tempo, várias outras pessoas chegaram por lá e após lavarmos a alma no Encantado, retornamos trilha acima. Paramos no ponto onde se inicia a trilha da subida para o Forte. Fomos explorar a parte acima do córrego. Após umas escalaminhadinhas simples, subi até algumas pequenas quedas d'água; uma delas bem bacana. Após descer, o Lucas também se animou e dessa vez, passando pelas margens, voltamos até as quedas. Mas permanecemos pouco tempo por lá!

Retornamos ao ponto próximo à trilha à base do morro. Mais um pouco de ócio, abastecemos os cantis e por volta de 14h00 começamos a subida íngreme com destino ao acampamento no interior do Forte. Lá chegando, pausa para o lanche/almoço. Após descanso, desarmamos acampamento com vistas ao retorno.

Em torno de 15h30 deixamos o Forte de Piedade. Refizemos a mesma trilha da vinda, de modo tranquilo e sem pressa. Por volta de 18h00 chegamos à antena de telefonia, ponto de origem da trilha, aonde os veículos estavam estacionados. 

Embarcamos e iniciamos a volta pela mesma estradinha da vinda, chegando ao Distrito de Piedade do Paraopeba próximo das 18h30. Estávamos à procura de um local para descanso e coroamento final em algum bar ou lanchonete, mas tudo estava fechado por lá...

Como ameaçava chover, despedimos do pessoal de Brumadinho e rumamos pra BH, onde chegamos às 19h30 e fomos coroar a trilha em uma lanchonete no Alípio de Melo. Após, tomei o rumo de casa, onde o Rodolfo me deixou em torno de 21h00. Estava cansado, mas feliz, pois estivemos em uma região recheada de beleza e história!

Serviço

Detalhe da janela da construção no interior do forte
O Forte de Brumadinho (ou de Piedade) localiza-se no município de Brumadinho, Minas Gerais, Brasil. Para atingi-lo há duas rotas principais: a Norte-Sul e a Sul-Norte. Nesse trekking realizamos a rota Sul-Norte, que apresenta trilha fácil e demarcada, de aproximadamente 8 km; um pouco mais longa que a rota Norte-Sul. 

Inicialmente a trilha Sul-Norte apresenta subida até atingir o topo da Serra da Calçada (1.400m de altitude no platô). Desse ponto em diante a trilha é plana, com leve descida no final. Há trechos de calçamento feito no séc. XVIII. Possibilita ampla visão do Vale do Paraopeba.

Além da edificação do Forte, outra atração nas imediações é o Poço Encantado, localizado no fundo do vale, abaixo e no sentido Sul do Forte. Distante aproximadamente 1,5 km da construção histórica, é um local singelo, mas de rara beleza! A trilha de acesso para ida e volta apresenta o mesmo trajeto.

Por nossa vontade optamos em realizar o pernoite no local, mas a ida ao Forte pode também ser realizada no esquema bate e volta  (Hiking).

Como chegar e voltar - De ônibus

Cidade referência: Belo Horizonte
Embarcar no centro de Belo Horizonte (entre ruas Caetés e Tupinambás) no ônibus da linha 3943 (Suzana-Belo Horizonte). Esse ônibus passa em Piedade do Paraopeba, onde você deverá desembarcar. 

► Ônibus com horários escassos.  Confira os horários e frequências no site do DER.
► Atente-se que indo de ônibus desembarcará em Piedade do Paraopeba. Terá que realizar o trajeto da estrada vicinal entre Piedade do Paraopeba e o Morro das Antenas a pé, o que prolongaria a trilha em pelo menos 10 km (ida e volta). 

Como chegar e voltar - De ônibus

Cidade referência: Belo Horizonte
Deixar Belo Horizonte via BR 040, sentido Rio de Janeiro. Após o trevo de Ouro Preto/Itabirito, ficar atento cerca de 1 km adiante, onde há a placa indicativa do acesso ao Distrito de Piedade do Paraopeba. É uma entrada escondida, inclusive sem trevo adequado, possuindo uns 10 metros de chão batido separando a BR 040 do início da estrada asfaltada. Essa mesma estrada leva à Mineradora Ferrous no topo da Serra. O trecho da estrada pelo alto da serra é um calçamento. Piedade do Paraopeba está a 12 km da BR 040.

Chegando no Distrito, seguir pela rua principal até o final, quando se inicia a estrada vicinal no sentido da Fazenda Duas Meninas. Percorrer esta estradinha por cerca de 3 km. Em uma bifurcação, tomar à direita, seguindo por estradinha secundária até o Morro da Antena. Nesse ponto, nas antenas, tem início a trilha.

 Atenção: o trecho de estrada vicinal, sobretudo na parte final após a bifurcação em direção às antenas não é recomendado para carro comum; nem acesso em períodos chuvosos.

Considerações finais

► Utilizando a rota Sul-Norte, reserve um tempinho para visitar a Matriz de Piedade do Paraopeba. É muito bonita!

► Não há água pela trilha (principalmente no inverno), nem nos arredores do Forte. Portanto, se não tiver disposto a descer ao fundo do vale quando chegar à edificação, leve água o suficiente para consumo e permanência.

► Motociclistas trilheiros circulam pelas trilhas nos arredores, portanto fique atento para não ser surpreendido. Mas de um modo geral, são simpáticos, dão informações e respeitam os trekkers!

► Há outra rota para se chegar ao Forte de Brumadinho: é a Norte-Sul, que parte diretamente da portaria do Condomínio Retiro das Pedras. Esta rota é mais utilizada, mais simples e mais fácil que a rota Sul-Norte que realizamos.

► Confira algumas Dicas Básicas de Segurança para a prática de Atividades Outdoor

► Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto

Bons ventos!!!
Última Atualização: Nov 2017

Mais Trekking Pra Você...

Cachoeira de Congonhas: um complexo belíssimo do ParnaCipó!

O Parque Nacional da Serra do Cipó é grandioso sob todos os aspectos. Localizado a aproximadamente 100 km ao norte de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, conta com atrativos naturais espalhados por toda a sua área. Inúmeras espécies vegetais e animais integram um ambiente extraordinariamente harmonioso e belo, cujos afloramentos rochosos fazem a mente do aventureiro viajar.

Rico em recursos hídricos, em sua parte alta e oriental, nas proximidades da rodovia MG 10, está localizada a Cachoeira de Congonhas, uma joia do ParnaCipó. Formada pelas águas do Ribeirão Congonhas, consiste em 3 principais quedas d'água, que despencam em direção ao vale da Bocaina, parte baixa do ParnaCipó. Foi nesse lugar espetacular que estivemos no último dia 12 de abril.
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc(incluída em Mar 2016) Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphon…

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…