Pular para o conteúdo principal

Pico da Carapuça: o imponente guardião do Santuário do Caraça!

Pico da Carapuça: faz juz ao nome
A Cadeia do Espinhaço é o maior 'conglomerado' de serras do Brasil e dada a sua formação, a única Cordilheira do País. São aproximadamente 1000 km de extensão cortando o País no sentido sul-norte com sua faixa estreita de serras rochosas e profundos vales. Marca seu início na região central de Minas Gerais e alcança até o sul do Estado da Bahia. Com altitude média intermediária, caracteriza-se por inúmeras formações rochosas, muitos e variados cursos d'água e possui uma das mais ricas fauna e flora do mundo.

É nesse "Mundo Espinhaço", mais precisamente em sua porção sul que se localiza a Serra do Caraça, no município de Catas Altas, Minas Gerais. Um lugar repleto de história, cultura e beleza natural peculiar! Atualmente transformada em uma RPPN, o Caraça possui em seus domínios o ponto culminante do Espinhaço, o famoso Pico do Sol, com seus 2072m de altitude. Além deste, circunda o vale onde está localizado o Santuário os picos da Conceição, Trindade, Canjerana, Verruguinha, Inficionado e a bola da vez, o Pico da Carapuça.

Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc
Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que possibilitem uma aventura mais segura.
Quanto melhor for o seu planejamento, melhor será o seu aproveitamento.
Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto


Powered by Wikiloc
Esta rota é apenas para análise e conhecimento.
É necessária a presença de guia credenciado no Caraça para visitar o Pico do Carapuça

Sapinho camuflado
No dia 10 de novembro corremos para este lugar, que é o pico mais próximo do Santuário do Caraça. Deixamos Belo Horizonte por volta de 7h00 da manhã daquele domingo. Após uma breve parada para o café na Parada do Avião às margens da BR 381 e de um pequeno congestionamento devido a um acidente na estrada, colocamos os pés no Caraça pouco antes das 10h00. Já nos esperava o conhecido e inconfundível Guia Neneco. Tratamos logo de botar o pé na trilha, pois já era tarde. Deu tempo apenas para constatar que havia muita gente no lugar e apreciar dali, desde o pátio da lanchonete o nosso imponente objetivo algumas centenas de metros acima.

Capela Sagrado Coração e Carapuça ao fundo
Passamos pelo estacionamento e em fila indiana puxada pelo Neneco, que é Guia do Caraça e conhece cada metro daquele lugar, adentramos pela trilha à esquerda, em meio a uma matinha rala. Já começamos a subir de modo suave, até chegarmos ao antigo ponto de captação de água do Santuário. Alguns metros acima, após nova subida chegamos à Capela dos Sagrados Corações, que estava fechada. Apreciação rápida das ruínas ao redor e pose para foto oficial. Retomamos a caminhada passando ao lado da Capela, cruzamos um ponto de água em meio à matinha e voltamos a subir de modo suave, até atingirmos o mirante defronte ao Pico da Carapuça. Breve parada para descanso, fotos e contemplação. Foi possível ver que dali em diante a coisa iria apertar um pouco, pois a ladeira era grande e íngreme...

Carapuça visto desde as proximidades da Gruta de Lourdes
Novamente pé na trilha, descemos um lance e logo adiante chegamos à Gruta Nossa Senhora de Lourdes, em torno de 1.450m de altitude. Eu já conhecia esse trajeto em minha visita anterior ao Caraça. A Gruta é pequena e possui uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes. Contou-me o Guia Neneco que foi um rapaz de nome Agostinho quem descobriu essa gruta há mais de cem anos. Contou-me também que, em dada ocasião recente, um visitante americano (o Caraça recebe muitos estrangeiros) cismou em escalar a parede da gruta e depois de adentrar em uma fenda na parte superior, não consegui descer, exigindo resgate profissional em altas horas da madrugada... Então fica a dica, sem equipamento e autorização, melhor não inventar moda...

Gruta de Nossa Senhora de Lourdes
Até a Gruta a caminhada foi em torno de 1 hora e transcorreu sem problemas, pois a trilha é bem marcada. Ao retomar a caminhada, tomamos a trilha à direita (estando de frente) à Gruta, seguindo em meio à capoeira. Começaram os degraus, alguns deles bem altos. A trilha é um pouco ruim e segue mais adiante cortando perpendicularmente a ladeira, até atingir uma laje de pedra. Nova paradinha e daí pra cima a coisa piorou (ou melhorou eheheh), pois a trilha torna-se muito íngreme! O grupo se dividiu, o que é natural em grupos maiores, pois cada um vai imprimindo o seu ritmo. Enquanto o Neneco ia puxando a dianteira e parando para auxílio nos lugares mais complicados, eu permaneci na rabeira. Fui subindo juntamente com a Eunice e sua filha Maisa e mais alguns amigos em um ritmo mais lento.Visual desde o topo do Pico Carapuça:Picos do Capivari (D) e Canjerana (E) 

Picos Canjerana (E) e Capivari (D) 
Escutávamos as conversas do grupo que ia adiante e falavam da trilha íngreme... Nós íamos nos esforçando, caminhando trilha acima em direção a um paredão... Por algumas vezes a Eunice disse que ficaria por ali, mas com jeitinho fomos subindo. Escorrega daqui, segura num tronco ali; senta aqui... levanta acolá... e assim fomos ganhando altura. Dando uma guinada para a esquerda e vencidos cerca de 250 metros verticais, chegamos a um ponto de água, a aproximadamente 1.700m de altitude. Água geladinha, um convite ao descanso. Agora fomos margeando o paredão, sempre ganhando altura e vencendo degraus. Fazia muito calor, mas éramos brindados pela sombra da capoeira rala que nos rodeava. Nas aberturas era possível ver os picos da Conceição, Trindade, Canjerana e Capivari. O Santuário estava lindo; literalmente lá embaixo...

Caraça visto da trilha, logo acima do ponto de água
Vencido o último trecho mais íngreme com um último grande degrau chegamos a um pequeno platô, a 1.800m de altitude. Alcançamos o grupo da dianteira e fizemos uma paradinha para descanso! Era por volta de 14h00. Acima, e bem ao nosso lado estava majestoso o Pico da Carapuça; bem próximo e com sua enorme abertura rochosa. Lá embaixo, um visual incrível do Vale do Santuário... Descanso curto, logo partimos para o ataque final ao Carapuça. A trilha vai contornando o pequeno cume, em um trepa e salta pedras, de onde é possível ver o lado leste/nordeste do Carapuça, com vales recortados por rochas, características do Espinhaço.

Vista do topo:Pico Inficionado
Fomos galgando as pedras, agora em trecho menos íngreme. Em um pequenino platô, Eunice decidiu ficar solo meditando e contemplando o visual... O restante do pessoal, inclusive eu partimos para os metros finais, vencidos sem dificuldades. Chegamos ao topo do Carapuça poucos minutos antes das 15h00! Gastamos quase 5 horas para vencer os 3,8 km que o separa do Santuário! O GPS apontou 1.918m de altitude! O topo é pequeno e irregular, formado por rochas e pequenas matações. Há uma construção pequena que está em ruínas, que seria local para retransmissora da TV Vila Rica de Ouro Preto. Há também os restos de um quadro de energia.

Vista dos Picos Trindade (E) e Conceição (D)
Desde o topo do Carapuça é possível observar nos arredores os Picos da Conceição (1.800m), Trindade (1.675m) à Noroeste; Capivari e Canjerana (1.890m) à Oeste; Inficionado (2.068m) e Sol (2.072m) à Sudeste. Aos arredores Leste/Nordeste, recortes da Serra de Catas Altas! No fundo do vale por entre esses picos descortina toda a beleza do Santuário do Caraça, aqui do Carapuça visto à Oeste. Bem ao Norte, no fundo do vale, vê-se a primeira grande queda da Cascatona! Além destes, vê-se ao longe à Noroeste a Serra da Piedade e até a região do Belvedere, na divisa de Nova Lima e Belo Horizonte. Mais à oeste e também à distância, observa-se "os restos" do Pico do Itabirito!

Picos do Sol (E) e Inficionado (D)
Ficamos pouco tempo no topo do Carapuça e logo iniciamos a descida; pouco depois das 15h15. Novamente o grupo se dividiu. Permaneci no grupo retardatário, juntamente com o guia Neneco. Fizemos uma lenta e cuidadosa descida, curtindo os papos do Guia. Foram momentos de descontração total. Algumas das meninas vieram praticamente arrastando o bumbum pelos inúmeros e lisos degraus eheh... Já na parte final próxima à Gruta de Lourdes alcançamos parte do grupo dianteiro, que estava descansando. Nos juntamos e doravante a caminhada foi mais rápida. Passamos pela Gruta de Lourdes, mirante e após a Capela dos Sagrados Corações, tomamos um curto atalho (à direita) e chegamos pela parte de cima no Santuário por volta das 18h00.

Detalhe do Santuário Nossa Senhora Mãe dos Homes
Tudo já estava fechado por lá e não pudemos jantar, pois não havíamos feito reservas. Me lembro que o Daniel, Alessandro e alguns outros chegaram no Santuário cerca de 1 hora antes de nós! Não houve tempo para visitas aos atrativos do sítio histórico.

Devido a horários apertados de alguns partimos "non stop" para Belo Horizonte, aonde chegamos em torno de 20h45. Despedidas finais e cada um tomou seu rumo, cansados pela caminhada um pouco mais pesada, porém certos de que valeu todo e qualquer esforço...

Serviço

O Pico da Carapuça está localizado na RPPN do Caraça, no município de Catas Altas, região central de Minas Gerais, a aproximadamente 120 km de Belo Horizonte. A História da ocupação da região teve início no século XVIII, através da atividade religiosa de um eremita. Posteriormente, no séc. XIX foi encampada pelos Padres da Congregação da Missão, que transformaram a antiga e isolada ocupação em um lugar único, com Colégio, Seminário e um Santuário. Berço dos estudos de dois ex presidentes da República e da visita dos Reis na época do Império do Brasil, o Caraça é um lugar de relevo acidentado, rodeado por vários picos que encantam e desafiam os visitantes! 

Trajeto no GE
Dentre os Picos do Caraça, o mais próximo e visível desde o Santuário é o Pico da Carapuça, que oficialmente possui 1.955m de altitude (meu GPS apontou 1.918m). É como se fosse o guardião do Santuário, tamanha é a sua proximidade! É formado por uma imensa rocha e seu topo é pequeno, irregular e repleto por rochas menores e algumas pequenas fendas. Há uma pequena construção em ruínas, que seria abrigo para retransmissores da antiga TV Vila Rica de Ouro Preto. O topo permite visual de praticamente todo o vale do Caraça, dos outros seis picos do lugar e de regiões bem mais distantes, como Serra do Capivari, Nova Lima e Serra da Piedade em Caeté. Em dias limpos, é possível avistar até para os lados da Serra do Cipó. 

O colorido no Carapuça
A caminhada até o seu topo perfaz 3,5 km aproximadamente. Os 2 km iniciais passando pela Capela do Sagrado Coração e seguindo até a Gruta de Lourdes é tranquilo, com trilha demarcada e sinalizada. Após a Gruta, a trilha torna-se muito íngreme, com a presença de inúmeros degraus, sendo necessário inclusive apoiar-se nas árvores ao redor da trilha. Nesse trecho final de 1,5 km há o desnível de 450m aproximadamente, feito na trilha em meio a mata, o que alivia o calor. Há dois pontos de água na trilha: um após a Capela do Sagrado Coração; e outro, na cota de 1.700m, próximo ao paredão de pedra. Porém, em tempos de seca, é possível que esse segundo ponto de água esteja seco! 

Quanto ao tempo de acesso partindo do sítio histórico do Caraça, calculo em aproximadamente 3 horas de caminhada tranquila. Os mais resistentes e apressados podem fazer em pouco mais de 2h00. 

Infraestrutura

Podendo ser acessado por estradas asfaltadas, há algum tempo as instalações do antigo colégio foram transformadas em uma charmosa pousada com infra-estrutura básica ao visitante. Há também a opção de locação de uma casa para grupos; dentre outras instalações específicas, como um Centro de Convenções. Há restaurante aberto ao público para almoço. Nos arredores do Santuário há lanchonete, loja de souvenir e sanitários. Quanto às comunicações carece de sinal de telefonia celular de melhor qualidade.Não há camping dentro da RPPN do Caraça; mas há amplo estacionamento no lugar.

Horários de visitação e ingresso

Segunda a segunda, das 08h00 às 17h00.
► A entrada só é liberada entre 08h00 e até às 15h30. A saída deve ocorrer até às 17h00.
► Para hospedagem a entrada é permitida até às 21h00. Após esse horário a portaria é fechada e não se permite acesso em hipótese alguma. Há a pousada e algumas casas para grupos específicos.
► É cobrada uma taxa de visitação, atualmente no valor de R$10,00 por pessoa (abril 2015).

Telefones importantes

Caraça: 31 3837-1939 - 31 8978-3179 - 31 9617-3533
Ponto de táxi em Barão de Cocais: 31 3837-1812
Ponto de táxi em Santa Bárbara: 31 3832-2210

Distância

Belo Horizonte ao Caraça: Aproximadamente 120 km através de estradas asfaltadas.

Como chegar ► cidade referência: Belo Horizonte

De ônibus:
Embarcar na rodoviária de Belo Horizonte em ônibus da Viação Pássaro Verde e desembarcar na cidade de Barão de Cocais. Outra opção é seguir até a cidade de Santa Bárbara, também pela Pássaro Verde. De ambas localidades até o Caraça a única opção é o uso do serviço de táxi, pois não há linha regular de ônibus entre estas localidades.

►► Não aconselho desembarcar do ônibus na rodovia na altura do trevo que segue para o Caraça, pois deste ponto até o Santuário são 20 km, distância considerável para se ir à pé pelo asfalto!
Confira no site da empresa Pássaro Verde os horários e tarifas do ônibus.
Ligue nos pontos de táxi e confira o valor da viagem.

De Trem:
Embarcar na Estação Ferroviária no Trem Vitória-Minas e desembarcar na Estação Dois Irmãos em Barão de Cocais. Desta, tomar táxi até o Caraça.

►► Confira o Site Oficial da Estrada de Ferro Vitória Minas

De carro:
Seguir pela BR 381 até o trevo de Barão de Cocais, entrando à direita pela MG 436. Passar pela cidade de Barão de Cocais e seguir sentido Santa Bárbara. Antes de Santa Bárbara entrar à direita sentido Caraça. Há farta sinalização no trecho.


Considerações Finais

► Para visita ou pernoite nos picos do Caraça; ou para caminhadas em atrativos com distância acima de 6 km é obrigatória a contratação de guia local.
►► Atualização Fev 2016: Por tempo indeterminado estão suspensos pernoites de caminhantes nos picos do Caraça.

► A agenda dos guias locais é bastante concorrida, portanto planeje sua aventura. Se quiser os contatos do Guia Neneco, solicite nos comentários abaixo ou via e-mail que os enviarei. 

► A visita ou pernoite de grupos nos picos é limitada a 11 pessoas, incluso o guia local. 
►► Atualização Fev 2016: segundo Comunicado recente, a limitação baixou para 10 pessoas.

► Para visitas em grupos maiores, mesmo que não se utilize guia local (distâncias até 6 km) é necessário agendamento prévio. 

► Não é permitido acampar, fazer churrasco ou fogueira no Caraça. 

► A RPPN é extremamente vigiada e prima pela limpeza. Traga de volta o seu lixo. 

► Há água pelo trajeto até o topo do Carapuça: logo após a Igreja do Sagrado Coração e depois na subida, acima da gruta (esta água pode secar no inverno). 

► No período de inverno a temperatura é baixa no Caraça. Fique atento! 

► O Caraça é muito visitado por estrangeiros. Dificilmente se vai por lá e não cruza com alguns deles. 

►► O Caraça é administrado pelos Padres da Congregação da Missão, portanto o lugar é marcado pela religiosidade e por regras rígidas e específicas. Tome ciência disso e evite transgredi-las, pois poderá ser 'convidado' a se retirar do lugar. Também é uma RPPN cujas regras podem mudar conforme avaliação da administração. Por isso, antes de visitar o lugar, ligue e se informe sobre alguma atualização.

►►►Saiba tudo sobre o Caraça no seu Site Oficial


Bons ventos a todos! 

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.