Pular para o conteúdo principal

Cachoeira dos Marques: refresco na Serra dos Alves

Cachoeira dos Marques na Serra dos Alves
No Carnaval de 2016 realizamos a Travessia Alto Palácio a Serra dos Alves, a nova rota oficial do Parque Nacional da Serra do Cipó. Como tínhamos mais um dia à nossa disposição; e estando no Arraial da Serra dos Alves, aproveitamos para visitar a Cachoeira dos Marques. Esta é uma volumosa cachoeira, resultada das águas do Rio Tanque e dos seus afluentes. Bem próxima ao arraial, é um porto seguro para um refresco de última hora, mesmo para aqueles mais apressados. Indispensável para quem visita as redondezas...

Após encerrarmos a Travessia Alto Palácio a Serra dos Alves, aglutinamos nas proximidades do Restaurante da Fatinha que fica logo na entrada do arraial e por lá encomendamos o nosso almoço. Enquanto isso, corremos para a Cachoeira dos Marques para um último adeus; marcando nosso retorno por volta de 13h30, uma vez que não poderíamos nos atrasar o retorno para BH.

Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc
Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que possibilitem uma aventura mais segura.
Quanto melhor for o seu planejamento, melhor será o seu aproveitamento.
Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto

Powered by Wikiloc

A bela Capelinha de São José da Serra dos Alves
Deixamos o arraial em torno de 9h45 tomando uma rua à direita da principal, em frente à Mercearia da vila. Um pequeno quarteirão e tomamos à esquerda, quando entramos em uma trilha em declive à sudoeste. Esta cachoeira possui um outro acesso, porém preferi passar por essa trilha do que dar volta pela estradinha, pois a trilha é mais curta. Cruzamos um riachinho com um poço improvisado com touceiras e água turva e continuamos tocando para baixo na direção do vale do Rio Tanque. Passamos próximos a algumas casas e a trilha entrou no vale; se nivelando e tomando sentido sul. Trecho com pouca sombra e pra variar o sol estava de rachar. Adiante entramos à direita, passamos por um brejinho e mais adiante chegamos no Rio Tanque às 10h15. Tivemos que tirar as botas e cruzamos o rio, adentrando a seguir por trilha muito bem marcada em um trecho com mata.

Placa de recomendação
Interceptamos então a rota que vem da estrada (o outro acesso à Cachoeira), tomamos à esquerda, cruzamos uma porteira com aviso de proibido acampar, continuamos na sombra por alguns metros, para sem demora chegarmos ao ribeirão dos Marques; aonde há uma corredeira no riacho com um pocinho raso, ideal para brincar. Como no lugar havia sombra farta, parei por lá e avisei o pessoal que havia outra queda mais abaixo no mesmo riacho, que é a queda principal.  Deixei que livremente cada um escolhesse aonde ficar. Exceção do Mateus, Lee e Stephanie que desapontados como a pequena corredeira partiram logo atrás da grandona. Avisei aos meus amigos que cruzassem o rio mais abaixo e seguissem para a queda principal... Eles saíram e eu fiquei por ali na sombra, evitando o sol que estava de rachar e queimava meus miolos. Enquanto isso, os outros amigos ficaram por ali brincando nas pequenas corredeiras...

Poção da Cachoeira dos Marques
Depois de um bom tempo de descanso e preocupado com os amigos que saíram, cruzei o riacho e por trilha marcada fui à queda maior dos Marques, quando os encontrei retornando em nossa direção. Eles não haviam cruzado o rio como havia pensado; e sim dado uma volta grande acompanhando o curso d'água e varando capoeiras... Desde já peço desculpas pela amolação eheheh... Avisei-os que permanecessem por ali curtindo o poção porque eu iria chamar os outros amigos! Voltei às quedinhas, chamei os amigos e em alguns minutos chegamos ao grande poço e queda da Cachoeira dos Marques.

Bom volume de água no Rio Tanque
A queda da Cachoeira dos Marques é volumosa, porém não alta. Na parte superior, que é o ponto de chegada da trilha, há bons locais para curtição, pois os poços são mais rasos. Já na parte inferior há um grande e profundo poço, inclusive com correnteza em virtude do volume da queda. Há paredões de pedra que são muito utilizados para pular no poção. É possível descer pelas rochas da parte superior para as margens do poço inferior; porém há também uma trilha que sai da parte superior pela margem direita do rio, passa entre capoeiras e atinge a parte inferior. É um ponto muito interessante do Rio Tanque; inclusive para aqueles mais aventureiros e com tempo disponível, descendo o leito do rio há outros grandes poços, com tamanho e profundidade similar ao da queda da cachoeira. Não fomos nesses pontos dessa vez!

Parte superior da Cachoeira. Ao fundo, topo da Serra dos Alves
Depois de curtir a cachoeira, o lugar começou a receber muitos visitantes, pois o acesso é muito fácil. Optamos então por retornar para o Arraial da Serra dos Alves. Ao meio dia, em grupos menores, sob sol ardente e pelo mesmo caminho da ida retornamos à Vila, aonde chegamos às 13h00, antes portanto do horário programado. Agora era descansar e esperar o nosso almoço! Não demorou muito e o almoço saiu; simples mas uma gostosura. Após o almoço ficamos fazendo hora à espera do nosso resgate. Enquanto alguns ficaram no restaurante descansando, outros perambularam pelo arraial...

Cadelinha que nos 'guiou' até a Cachoeira dos Marques
Pouco depois das 15h00 nosso resgate chegou e rapidamente tratamos de embarcar as tralhas e pé na estrada, afinal um de nossos amigos tinha viagem programada para São Paulo às 20h00. Deixamos a Serra dos Alves por volta de 15h25 e sacolejamos na péssima estradinha de terra até o entroncamento com a vicinal que liga Senhora do Carmo a Ipoema. A partir desse ponto a estrada de terra melhora um pouco e rapidamente chegamos na Terra dos Tropeiros. Passamos non stop por Ipoema às 16h20, marcando o fim das estradas de terra. Fizemos rápida parada no Posto Amigão na BR 381 e depois direto pra BH, aonde chegamos às 18h50.

Serviço

Localizada nas imediações do Arraial da Serra dos Alves, município de Itabira, Minas Gerais, a Cachoeira dos Marques possui grande porte devido ao volume de água do Rio Tanque, porém sua queda não é alta. Seu poço principal é grande e profundo. Na parte superior há vários outros menores poços entremeados por rochas, um ótimo ponto para curtição pois os poços não são profundos. Seus arredores são amplos, recebendo muita luz do sol. Na parte inferior da cachoeira em sua margem direita há muita sombra para descanso. Descendo o Rio Tanque, há vários outros poções similares àquele da Cachoeira.

Não há qualquer infraestrutura no lugar, sendo inclusive proibido acampar; porém é um atrativo bastante visitado devido à proximidade com o arraial, bem como a facilidade de acesso.

Distâncias

Belo Horizonte a Itabira: 107 km
Itabira à Senhora do Carmo: 35 km (estrada asfaltada)
Senhora do Carmo a Serra dos Alves: 15 km (estrada de terra)
Belo Horizonte à Ipoema: 87 km
Ipoema à Serra dos Alves: 18 km (estrada de terra)
Serra dos Alves à Cachoeira dos Marques: 2,6 km

Como chegar ► cidade referência: Belo Horizonte

De ônibus:

Ida ► opção 1:
Embarcar em ônibus para Itabira (Empresa Saritur).
Embarcar em ônibus para o Distrito de Senhora do Carmo (Empresa Santos ou Marco Aurélio)
Táxi até Serra dos Alves (15 km - estrada de terra)

Ida ► opção 2:
Embarcar em ônibus para Ipoema (Empresa Saritur).
Táxi até Serra dos Alves (18 km - estrada de terra)

Volta ► opção 1:
Táxi até Senhora do Carmo.
Embarcar em ônibus para Itabira (Empresa Santos ou Marco Aurélio)
Embarcar em ônibus para Belo Horizonte (Empresa Saritur)

Volta ► opção 2:
Táxi até Ipoema (18 km - estrada de terra).
Embarcar em ônibus para Belo Horizonte (Empresa Saritur)

►Importante:
► Antes de realizar a travessia, mantenha contato com as empresas de ônibus via telefone (Empresa Santos: 31 3831-2278 | Empresa Marco Aurélio: 31 3831-4537) ou confira no site da empresa Saritur os horários e frequências para não ser surpreendido.
► Há ônibus que liga o arraial ao distrito de Senhora do Carmo, porém apenas uma vez por semana. Eventualmente circulam em outros dias. Se informe na Empresa Santos (31 3831-2278).
► O ônibus que segue para Ipoema faz a linha Belo Horizonte a Itambé do Mato Dentro, via Ipoema e Senhora do Carmo; portanto sendo possível desembarcar também em Senhora do Carmo.
► Na Serra dos Alves é possível conseguir algum morador com automóvel para levá-lo até Senhora do Carmo ou Ipoema.

De carro:

Seguir pela BR 381 até o trevo de Santo Antonio do Amparo. Acessar a cidade e depois seguir até Ipoema. Em Ipoema, seguir pela estrada de terra para a Serra dos Alves. O retorno pode ser pelo mesmo trajeto.

Considerações finais

► Muito cuidado ao circular por cachoeiras. Há pedras escorregadias e poço profundo na Cachoeira dos Marques. Somente adentre se souber nadar. Evite pulos no poço da cachoeira. Saiba que em pontos isolados não há sistema organizado de socorro e resgates. Leia aqui algumas Dicas de Segurança nas Trilhas.

► É proibido acampar em toda a região da Serra dos Alves.

► Há pousada, bar, restaurante e mercearia na Serra dos Alves. Há também vários imóveis para locação de fins de semana.

► Há vários outros atrativos nos arredores da Serra dos Alves, como a Cachoeira do Bongue, Mirante da Serra dos Alves, Cânion Boca da Serra e Cachoeira dos Cristais.

Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto. Traga de volta o seu lixo!


Bons ventos!!!

Mais Trekking Pra Você...

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados. Além disso, somos resultados do que ingerimos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte. É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Joatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Joatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...

Serra da Contagem: recanto surpreendente

A Serra da Contagem está localizada na porção oeste do Complexo do Espinhaço, no município de Jaboticatubas, a aproximadamente 80 km ao norte de Belo Horizonte. Está grudada no lado oeste da sua irmã maior, a Serra da Lagoa Dourada, formação mais elevada, famosa e conhecida daquela região. Talvez essa presença maior faça com que a Serra da Contagem seja um terreno pouco conhecido de nós, montanhistas. Beleza não falta por lá, destacando os incríveis visuais das terras ao sul, norte e à oeste do Espinhaço; além de abrigar várias nascentes e esconder belas cachoeiras em seus recortes. Com objetivo de chamar a atenção para esse recanto esquecido, escolhemos o mês de fevereiro de 2017 para revisitá-la...
► Esta postagem apresenta parte das imagens captadas em fins de 2015. Agora em 2017 ao constatar que os acidentes continuam praticamente em mesmo estado pouco utilizei a câmera.
1 Depois de uma semana de adiamento devido a chuvas que danificou acessos, nos dias 11 e 12 de fevereiro nos co…

Navegação Manual: Conhecendo a Carta Topográfica - Parte 2/2

Para nós aventureiros, até poucos anos atrás, a Bússola e a Carta Topográfica eram praticamente as únicas fontes seguras de navegação por áreas desconhecidas. Aliás, a dupla Bússola e Carta Topográfica foram e continuam sendo inseparáveis. Entretanto, com o advento e popularização do GPS, ambas tornaram-se pouco usuais, principalmente pelos aventureiros mais novatos. Na postagem anterior conhecemos um pouco da Bússola, bem como os graus e cálculos de azimutes, que permitem uma navegação sem mapa por curtas distâncias. Nesta postagem, a segunda e última da série sobre Navegação Manual, abordaremos a Carta Topográfica, pois juntamente com a Bússola formam um casal perfeito. Veremos também como efetuar alguns cálculos utilizando informações da própria Carta Topográfica; que permitirão utilizar a Bússola auxiliados pela Carta Topográfica.