Pular para o conteúdo principal

Mirante do Travessão: a vista impactante do ParnaCipó!

Campos e afloramentos rochosos: a marca do Espinhaço
O Mirante do Travessão está localizado na parte alta do Parque Nacional da Serra do Cipó, ao norte de Belo Horizonte. Trata-se de um divisor natural de águas das bacias do Rio São Francisco e Rio Doce, formado por uma estreita passagem norte-sul. À leste correm as águas do Ribeirão do Peixe e afluentes, desembocando pros lados dos municípios de Itambé do Mato Dentro e São Sebastião do Rio Preto.

À oeste correm as águas do Ribeirão Capão da Mata e afluentes, que mais abaixo desembocará no Rio da Bocaina, que em poucos quilômetros juntará ao Rio Mascates formando o conhecido Rio Cipó que margeia a Sede do Parque Nacional. Como uma passagem elevada, o Mirante do Travessão permite um vislumbre privilegiado dos gigantescos paredões do Cânion do Travessão à leste; contrastando com a maior suavidade do Vale da Bocaina à Oeste. 

O Mirante do Travessão é uma passagem obrigatória para várias travessias na região, que originando nas proximidades da rodovia MG 10 levam a destinos diferentes como Cabeça de Boi, Serra dos Alves ou Lagoa Dourada. Muitos me pedem sugestões para caminhadas bate e volta e que valham a pena: Tá aí, o Mirante do Travessão é um desses lugares, um recanto ideal para fisgar o coração de qualquer caminhante...

Jardins de Paepalantus: Estes entre a Cachoeira dos Espelhos e as pinturas rupestres
Por muitas vezes já passei pelo Mirante do Travessão, e dessa vez o fiz em bate e volta, atendendo um convite do Júnior Lagoa Santa, no dia primeiro de março passado. Vários amigos nossos foram convidados para a pernadinha e alguns até confirmaram presença...

Mas apesar de toda a facilidade proposta com caronas e outras regalias mil, somente o Júnior Lagoa Santa, a Vanessa, seu esposo Leo e eu acabamos por nos encontrar às 7h00 da manhã no Shopping Estação em Belo Horizonte para nos aventurarmos por lá.

Depois de confirmarmos que seríamos os únicos felizardos do dia, partimos às 7h30 rumo ao km 114 da rodovia MG 10, local conhecido como Duas Pontes, após o Distrito da Serra do Cipó. Fizemos uma parada rápida em uma padaria em Lagoa Santa para comprar uns petiscos e prosseguimos; observando o tempo carregado pelos lados da Serra. Nas proximidades de São José de Almeida topamos com uma chuvinha fina e apesar dos topos por onde caminharíamos estarem de cara feia não desistimos...

O colorido contrastante, delicado e vivo do Espinhaço
Por volta de 9h30 desembarcamos em Duas Pontes, no km 114 da rodovia MG 10. Júnior estacionou às margens da rodovia e imediatamente iniciamos a pernada. A trilha bem marcada cruza a cerca de arame à beira da estrada, entra em um terreno particular e toma rumo sudeste em leve aclive. Observamos que um grupo maior de caminhantes viravam o dito morro naquele momento.

Em apenas 4 pessoas a caminhada rendeu e logo após adentrarmos nas terras do Parque Nacional aproximamos do grupo que seguia à frente. Esse ponto da caminhada é muito bonito. É uma área de campos com visibilidade a longa distância, em especial para os lados norte, oeste e sul. Porém, naquela manhã os magníficos topos do quadrante Sul do interior do Parque estavam encobertos, assim como o lado leste. Mal deu pra ver a Pedra do Elefante na região da Serra do Alto Palácio...

Resultado das queimadas de 2014
Ignoramos uma saída sul que vai para a Cachoeira de Congonhas e rapidamente alcançamos os caminhantes que estavam à nossa frente. Eram outros nossos amigos de outras pernadas. Conversamos brevemente e tocamos adiante... A região de campo aberto começa a dar lugar a afloramentos rochosos e matas de galerias. Em leve declive, por volta de 10h30 chegamos ao Ribeirão Capão da Mata. Fizemos uma parada para lanche.

Depois de uns 20 minutos reiniciamos a caminhada agora pela conhecida mata das samambaias. A região se encontra em recuperação, pois o trecho sofreu uma intensa queimada em fins de 2014. Impressionante como o fogo varreu literalmente o solo. Cena cruel, com as árvores da antiga capoeira todas pretas e sapecadas pelo fogo! Por serem jovens, estavam quase todas mortas... Nesse tempo, uma chuvinha insistente começou a cair, nos obrigando a colocar as capas de chuva e anoraques...

Apesar da intensa queimada no lugar, o sinal da antiga trilha estava por lá e foi uma passagem tranquila. Logo deixamos a mata das samambaias e emergimos nas proximidades da Cachoeira dos Espelhos. A trilha é simples, bem marcada e não tem erros. Devidos aos cursos d'água na região, esse trecho não sofreu com as queimadas e a vegetação estava viva como sempre. Chegamos acima da Cachoeira que estava com pouco volume de água e apenas fizemos uma parada para contemplação.

Algumas das pinturas rupestres - Foto de 2013
Depois percorremos um curto aclive e nos aproximamos do paredão de rochas que marca a chegada às pinturas rupestres. O lugar estava um jardim com muitas e vistosas sempre vivas... Dali em diante a trilha segue em declive margeando pela direita um rego d'água que corre no interior de uma matinha. A trilha cascalhenta estava com alguns pontos lisos devido a chuvinha, mas sem maiores dificuldades. Cruzamos abaixo o corguinho e tocamos para o Mirante...


O monumental Vale do Travessão
Chegamos então às 11h40 ao Mirante do Travessão. Parada para muitas fotos. O lugar é realmente impressionante e a cada passagem por ali parece ser a primeira vez... Não é exagero afirmar que é um dos cenários mais impactantes de todo o Parque Nacional da Serra do Cipó. A sequência de paredões com algumas centenas de metros de altura rasgados pela vegetação e pelo Ribeirão do Peixe escorrendo ao fundo do vale, permitindo ver ao longe e à leste é um cenário digno de cinema...

Devido ao tempo úmido uma pequena cachoeira temporária despencava pelo paredão norte do Cânion, quase imperceptível... Apesar do bailar da neblina assim que chegamos ao Mirante, toda a beleza do lugar foi-se revelando aos poucos, como em um jogo de pique-esconde...

Depois de toda a admiração, observamos bem ao centro da passagem duas pessoas. Por trilha nos dirigimos até o ponto onde estavam. Eram dois outros aventureiros, um deles nosso amigo de outros carnavais. Nova parada para fotos e admiração da imensidão do lugar...

E o que queríamos aconteceu: o tempo começou a se abrir rapidamente e o sol começou a dar as caras de vez. Uma beleza! Juntos, tocamos então mais ao sul em curto aclive, passamos por vestígios de acampamento e fomos em direção à margens do Ribeirão do Peixe, que na descida por ali formam alguns pocinhos e uma pequena queda para refresco...

Leo e Vanessa nos pocinhos
Ficamos por ali jogando conversa fora por umas duas horas e meia. Tempo dedicado à preguiça, sem muita invenção de moda... Não descemos ao ofurô, acho que mais por preguiça mesmo... Exploramos curto trecho do leito do Peixe acima da pequena queda e ao retornar nossos dois amigos que havíamos encontrados lá no Mirante já não estavam mais por lá.

Paredões gigantes do Travessão
Alguns se banharam e acabamos por preencher nosso tempo com brincadeiras com os peixinhos do pequeno lago. Ações quase infantis que nos fizeram tão bem e renovaram nossas almas... Vontade de por ali armar uma tenda e não mais sair...

Mas como tínhamos que voltar, por volta de 14h30 deixamos esse ponto mais escondido das imediações do Mirante. Ao sair, observamos que o grupo que havíamos passado lá no início da trilha já tinham estado no Mirante e já estavam retornando do lugar...

Sem pressa, paramos ainda para novas fotos no Mirante já que agora o tempo estava aberto. Lugar lindo de viver... Em torno de 15h00 iniciamos o caminho de retorno pela mesma rota da ida. Sem delongas desenvolvemos bom ritmo de caminhada, nem rápido nem lentamente... Parávamos apenas para deliciarmos com as belas paisagens que brotavam a cada levantar de olhos...

Por volta de 16h30 já estávamos entrando novamente na área de campo aberto na divisa do Parque Nacional, nos aproximando da rodovia MG 10. A tarde estava extraordinariamente bela e limpa, com céu azul estupendo, contrastando com o tempo mais carregado daquela mesma manhã. São os mistérios da natureza, que a seu modo nos brinda de diversas maneiras... Pouco adiante ultrapassamos o grupo de aventureiros retornantes, descemos o último lance de trilha e chegamos à rodovia às 17h00.

Vista Sul do ParnaCipó, destacando o topo norte do Travessão, e o Pico do Curral ao fundo
Embarque imediato, tocamos de volta ao Distrito da Serra do Cipó aonde paramos para forrar o estômago, cujo arraial estava em uma tarde surpreendentemente calma! Alimentados, pé na estrada e pouco depois das 19h00 chegamos à Lagoa Santa. Ainda passamos na casa do Júnior para trocar de veículo, uma vez que a kombi que estávamos apresentou um probleminha na roda dianteira.

Aproveitando a gentileza dos amigos de Lagoa Santa, rapidamente o Fábio se juntou ao seu irmão Júnior e nos trouxe até o Shopping Estação em BH, aonde desembarcamos por volta das 20h00. Despedidas finais e de lá cada um nós tomou o rumo de nossas casas felizes da vida...

Atualização dia 20 de abril de 2015:

Ontem, cinco dias após escrever este relato tive a triste notícia que o Leo nos deixou... Conheci o Leo em Janeiro passado. Não demorou para me simpatizar com o seu jeito discreto, disponível, disposto, alegre e parceiro. Fizemos poucas caminhadas juntos... Mas quem disse que se precisa de longas temporadas para se gostar de alguém?

Leo, queria ter tido mais tempo pra lhe dizer sobre meu respeito e consideração para contigo; mais tempo pra realizarmos aquelas pernadas que conversamos... Mas sei que você escolheu o melhor: viver eternamente! Dedico a você este post... Vá em paz, bons ventos neste trekking definitivo! 

Serviço

Distante aproximadamente 25 km da portaria Areias do Parque Nacional da Serra do Cipó (via estrada portaria-Cipó Veraneio e rodovia MG 10), o Mirante do Travessão é um divisor de águas das Bacias do Rio Doce e São Francisco. Está localizado nos limites norte do Parque, na região conhecida como Parte Alta do ParnaCipó, município de Santana do Riacho.

Trata-se de um corte leste-Oeste ao Sul da Serra do Palácio formado por paredões de algumas centenas de metros de altura. Pelo seu leito correm as águas do Ribeirão do Peixe, afluente do Santo Antonio e Doce. Por estar distante das portarias do Parque, o acesso ao Mirante dá-se fora delas; ou seja, às margens da rodovia MG 10 já no alto da serra após o Distrito da Serra do Cipó.

Trajeto no GE
O primeiro e mais utilizado acesso ao Mirante do Travessão (que realizamos nesta ocasião) dá-se através do km 114 da Rodovia MG 10, altura da Pousada Duas Pontes. A trilha inicia na rodovia ao lado contrário da pousada, cruza uma pequena área particular e em leve aclive adentra os limites do ParnaCipó, entrando em área de campo aberto.

Após a ampla área de campos percorre trechos com afloramentos rochosos em declive; cruza o Ribeirão Capão da Mata, passa pela Mata das Samambaias e aproxima da Cachoeira dos Espelhos, à esquerda da trilha. Em aclive atinge as proximidades das pedras onde há pinturas rupestres e a partir desse ponto inicia o declive final até o Mirante.

Por todo o trecho a trilha é bem marcada e não oferece trechos técnicos nem dificuldades para navegação àqueles já acostumados à caminhadas no meio natural. Este acesso perfaz aproximadamente 9,5 km (ou 19 Km ida e volta).

O segundo e menos utilizado acesso dá-se também a partir da rodovia MG 10, altura aproximada do km 121, após a estátua do Juquinha. Esse trajeto é um puco mais exigente que o primeiro, uma vez que percorre a cumeeira da Serra do Palácio, passa sobre a Pedra do Elefante e nas proximidades do mirante Norte do cânion desce vertiginosamente em direção onde se encontram as pinturas rupestres, desembocando no trecho final da trilha que vem da Pousada Duas Pontes. Em alguns pontos essa rota encontra-se apagada ou pouco marcada. Este acesso perfaz aproximadamente 13 km (ou 26 Km ida e volta).

Como chegar e voltar - de ônibus
Cidade referência: Belo Horizonte

Ida: Viação Serro ou Viação Saritur até o km 114 da MG 10; altura da Pousada Duas Pontes.
Volta: Viação Serro ou Viação Saritur até BH.

► Confira horários e frequências nas empresas de ônibus.

Como chegar e voltar - de ônibus
Cidade referência: Belo Horizonte

Ida: Rodovia MG 10 até o km 114, altura da Pousada Duas Pontes.
Volta: O mesmo trajeto da ida.

► Por segurança e tranquilidade procurar a Pousada Duas Pontes para estacionamento (pago).

Considerações finais

► Ao percorrer áreas do Parque Nacional da Serra do Cipó avise a administração sobre suas intenções. O Mirante do Travessão é aberto à visitação pública. 
Há fontes de água confiáveis pelo trajeto, portanto não necessita transportar grandes quantidades de água. 

► Aproveite a visita para um refresco na Cachoeira dos Espelhos e nas pequenas quedas do Ribeirão do Peixe que ficam mais ao sul do Mirante. 

► Visite as pinturas rupestres presentes nas rochas após a Cachoeira dos Espelhos. A referência é um paredão de rochas à direita da trilha sentido Mirante. As pinturas estarão uns 10 metros à esquerda da trilha, logo após subir alguns degraus em rocha, poucos metros antes de iniciar a descida final para o Mirante. 

► Ao se aproximar do Mirante, cruze da margem direita para a margem esquerda do riachinho, pois se prosseguir reto (há uma trilha bem marcada nesse sentido) a trilha se tornará muito íngreme e arriscada. 

► Tome precauções quando estiver no Mirante e evite acessar áreas com lajes inclinadas ou próximas a abismos ou gretas. 

► Evite caminhar fora da trilha, a vegetação do lugar é extremamente frágil. 

► Não é permitido acampar dentro da área do Parque Nacional da Serra do Cipó. 

► Nunca deixe pela trilha o seu lixo. 

► Somente faça esta trilha sozinho se tiver alguma experiência em caminhadas e navegação/orientação. Na dúvida, contrate um guia ou vá com pessoas que conheçam a rota e o lugar. O próprio Parque faz este tipo de recomendação. 

► O Mirante do Travessão é um excelente lugar para contemplação e bate e volta. Com a conclusão das obras da nova ponte sobre o Rio das Velhas em Lagoa Santa em fins de 2014, o acesso à região da Serra do Cipó melhorou consideravelmente. 

► Confira algumas Dicas Básicas de Segurança para a prática de Atividades Outdoor

► Pratique a atividade aplicando os Princípios de Mínimo Impacto
Bons ventos!

Mais Trekking Pra Você...

Cachoeira de Congonhas: um complexo belíssimo do ParnaCipó!

O Parque Nacional da Serra do Cipó é grandioso sob todos os aspectos. Localizado a aproximadamente 100 km ao norte de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, conta com atrativos naturais espalhados por toda a sua área. Inúmeras espécies vegetais e animais integram um ambiente extraordinariamente harmonioso e belo, cujos afloramentos rochosos fazem a mente do aventureiro viajar.

Rico em recursos hídricos, em sua parte alta e oriental, nas proximidades da rodovia MG 10, está localizada a Cachoeira de Congonhas, uma joia do ParnaCipó. Formada pelas águas do Ribeirão Congonhas, consiste em 3 principais quedas d'água, que despencam em direção ao vale da Bocaina, parte baixa do ParnaCipó. Foi nesse lugar espetacular que estivemos no último dia 12 de abril.
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc(incluída em Mar 2016) Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphon…

Alimentação: o que levar para as trilhas

A alimentação em trilhas é um aspecto que preocupa a muitos, especialmente os iniciantes na prática de hiking ou trekking. E é uma preocupação pertinente, pois naturalmente ninguém quer passar fome enquanto se caminha; em especial se estiver em ambientes mais distantes e isolados.

Além disso, somos resultados do que comemos, já diz a velha máxima! Entretanto, a preocupação e dúvida sobre o que levar muitas vezes faz com que o caminhante se abasteça de alimentos nem sempre adequados a uma aventura; ou ainda, exagere na sua quantidade; comprometendo seriamente o êxito de uma aventura!
O pulo do gato para minimizar possíveis problemas é não fugir abruptamente do seu hábito alimentar cotidiano, que suponho, seja saudável. Normalmente, nosso organismo já é adaptado aos alimentos que costumeiramente ingerimos, de modo que, mantendo os hábitos, dificilmente teremos complicações.

Igualmente não se preocupe em abarrotar sua mochila com grandes quantidades de alimentos. Quando caminhamos, norm…

Ponta da Joatinga: a Travessia que une paixões!

Localizada no município de Parati, litoral Sul do Estado do Rio de Janeiro, a Ponta da Juatinga é uma península conhecida pela sua expressiva beleza natural. Região habitada pelos descendentes Caiçaras, caracteriza-se por vegetação de mata atlântica, relevo acidentado e clima quente e úmido; além de inúmeras praias em sua maioria desertas. A importância e beleza da região são tão expressivas que a península está protegida pela Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e a pela Reserva Ecológica da Juatinga, limitando-se com áreas do Parque Nacional da Serra da Bocaina...
Atualização Fev 2016 Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize esta rota como fonte complementar dos seus estudos. Procure sempre levar consigo croquis, mapas, bússola e outras anotações que poss…

Complexo do Viana em Rio Acima: as maiores cachoeiras nos arredores de BH!

A região localizada a leste-sudeste de Belo Horizonte é rica em atrativos naturais. É a tão falada região da Serra do Gandarela, cujos limites ampliados vão da encosta leste da Capital até os limites do Caraça, em Santa Bárbara no sentido oeste-leste; e desde Itabirito até Caeté no sentido sul-norte.

É recoberta por vegetação de transição, mesclando mata atlântica, cerrado e campos de altitude. Seu relevo é movimentado, como é comum nas Minas Gerais, possuindo as maiores porções de cangas do Brasil. Ao mesmo tempo, guarda em seu subsolo imensas reservas de água e minerais, em especial o minério de ferro...
Diante de tamanha riqueza, a região é objeto de acirradas discussões, cobiças e desentendimentos entre mineradoras, ambientalistas e governos. Isto culminou com a criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, que infelizmente não colocou um fim às pendengas, que prometem novas e grandes quebras de braços. Alheio à essas cansativas e muitas vezes rígidas posições das partes inte…

Cachoeiras em Itambé do Mato Dentro: um descanso merecido!

Itambé do Mato Dentro é um pequeno município de aproximadamente 2.500 habitantes, localizado à nordeste da Capital Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais. Encrustado na Serra do Espinhaço e à margem leste do Parque Nacional da Serra do Cipó, abriga em seu território recortes de belezas naturais marcantes.

Ao contrário que imaginamos, Itambé vai muito além do famoso e conhecido Distrito de Cabeça de Boi, oferecendo ao aventureiro outras possibilidades, especialmente cachoeiras. Foi para conhecer e desfrutar de alguns desses atrativos que nos mandamos pra Itambé no feriado do dia da Pátria. A missão era visitar as cachoeiras da Serenata, Vitória, Funil e Lúcio, um final de semana dedicado à curtição mais sossegada...
Rota realizada e disponibilizada no Wikiloc Além de possibilitar estudar e visualizar a região, você poderá baixar este tracklog (necessário se cadastrar no Wikiloc); e inclusive utilizá-lo no seu GPS ou smartphone (necessário instalar aplicativo). Recomendamos que utilize e…